terça-feira, 4 de março de 2008

Notas Breves

1- Estive a assistir ao debate entre José Luis Zapatero e Mariano Rajoy. Já li também as primeiras notícias. É impressionante: em termos objectivos, não têm nada a ver com o que se passou. Simpatize- se pouco ou muito com Rajoy, é falso dizer que não apresentou propostas, ou até menos propostas do que Zapatero. Quem faz estas notícias?
2-Vem a Portugal, no próximo mês de Maio Wolfang Schussel, anterior Primeiro - Ministro da Áustria. Contemporâneo de António Guterres, De Durão Barroso e de mim próprio. Sabem que funções exerce agora? As de líder parlamentar do seu partido. Como sucede com Mikulas Zurinda, anterior Primeiro - Ministro da Eslováquia.
É que uma certa articulista escrevia aqui há uns meses, que o facto de um ex- Primeiro - Ministro aceitar ser líder parlamentar não tem paralelo noutros Países. Só estes exemplos dos dias de hoje para confrontar a ignorância.
O que se há - de fazer?

25 comentários:

rouxinol de Bernardim disse...

Caro Dr:

l- o problema não estará nas propostas em si mesmas mas no seu conteúdo.

2- Ser líder parlamentar é sempre prestigiante e uma honra seja onde for. Até o ser-se militante de base, sem cargos, só com intuitos pedagógicos e construtivos.

Só pacóvios é que vêem despromuções nestas mudanças. Agora, não é a defesa acirrada de um líder, mesmo quando este caminha titubeante e em ziguzague, que dá prestígio a outro «co-líder»...

Veja o meu post recente sobre o «SENTIDO DE ESTADO» e verá onde quero chegar.

É esse o cerne do problema actual de Portugal e de todos os partidos: ter sentido de Estado ou ser populista puro e duro!

Bem haja! e aja bem!

Quebra ossos disse...

Melhor do que ouvir a opinião dos outros, só mesmo ter a nossa ...
...Para quem quiser ter a sua...
http://www.elpais.com/especial/elecciones-generales/debate-final.html

António Prôa disse...

Confesso que não sou grande entusiasta de Mariano Rajoy. O problema não é tanto ele mas a comparação com o seu antecessor: José Maria Aznar que foi um grande primeiro-ministro espanhol e um líder político europeu como não se têm visto muitos. Estou certo que a Europa e Espanha perderam muito com a saída de Aznar. E é por isso que me agrada ainda menos Zapatero que conquistou o poder sem mérito e tem demonstrado ser um líder fraco. Tivesse o PP espanhol outro candidato e Aznar poderia perder. Mas não.

Tive o privilégio de conhecer o alcalde de Madrid - Alberto Ruiz-Gallardón. Conversei com ele diversas vezes e fiquei com a convicção que é um político excepcional (além de um excelente "presidente de câmara").

Acredito que Alberto Ruiz-Gallardón poderia ser a solução para uma liderança bem sucedida do PP espanhol. Veremos se as guerras internas não "deitaram fora" um futuro excelente primeiro-ministro espanhol.

António Prôa

MIGUEL VAZ SERRA disse...

Dr.Santana Lopes
"De Espanha,nem bom vento nem bom casamento",dizia a minha bisavó...Que errada estava coitada.De Espanha até as águas dos rios vêm.Só em 2007 aumentou em 40% a fuga de mão de obra de Portugal para Espanha.A Gasolina a 1,06 eu,o iva a 16% um crescimento acima da média europeia e o mais impactante....um Governo socialista como em Portugal....Só que um PM tem nome de "sapateiro" e assume-o,o outro..o outro chama-se Sousa e tem o título de "Senhor" mas usa nome de Filósofo e título de Engenheiro...Está tudo dito..Ou não?
Dos seus colegas que tambèm foram PM como o Dr.Santana Lopes e agora líderes de oposição é claro que não só não tem mal nenhum como penso que ninguêm melhor para fazer oposição que alguêm que conhece a fundo o ofício..mas o Dr. sabe bem que no PS quem foi PM o PR tem á espera boas empresas com óptimos ordenados ou lugares pomposos no estranjeiro e se derrubaram um governo maioritário da oposição ainda têm um bonus!!!
Miguel Vaz Serra

Pedro Antunes Ferreira disse...

Boa tarde caro Dr. Santana Lopes,

Aproveito para congratulá-lo pela postura orgulhosamente sincera que todos temos visto (e nem todos tem apreciado) e também para declarar o meu contentamento face à sua actividade de líder parlamentar do PPD-PSD.
O PPD-PSD, partido com o qual me identifico, face aos seus ideais e princípios políticos, não consegue, neste momento, convencer-me (e creio que a qualquer pessoa neste Portugal) a inscrever-me na sua lista de militantes, tendo em conta a falta de coerência actual da estrutura dirigente partidária (que consegue avistar vários PSD´s) e principalmente os militantes "contra-natura" que infelizmente possuem estatutos de comentadores políticos em canais de TV e revistas semanais, por exemplo. Creio que deveriam seguir o exemplo de Manuel Monteiro e criar partido Nova Democracia nº2... fica a sugestão.
No entanto o que me faz escrever este comentário é, infelizmente, uma nova bomba relógio que não demorará muito a explodir, no âmbito do SPS (Simplex Pinto de Sousa), que dá pelo nome de Lei 60/2007 e suas portarias (nº164 A-F)...as quais entraram em vigor no dia de ontem.
Pelo que sei, não existe nenhuma Câmara Municipal deste país que não esteja em PÂNICO face à "revolução" provocada por estes novos diplomas, e face às mudanças administrativas e logísticas que estes impõem. Ora, para quem não sabe sobre o me refiro, trata-se do novo Regime Jurídico da Edificação, que vem dar uma nova e "revolucionária" redacção ao antigo DL nº555/99.
Entre outras revoluções, ficamos a saber que agora não há regras, é uma espécie de Via Verde das alterações às construções. Tudo isto com o grande dom de fomentar o mercado de trabalho aos "patos-bravos", "empreiteiros urbanos de lápis na orelha" que ainda por cima operam sem Alvará de Construção... podendo laborar à margem da tutela do IMOPPI, AECOPS, etc... tudo isso, CLARO, sem qualquer projecto de arquitectura. Ao menos na Covilhã faziam-se projectos "sem" Arquitectura, mas eram documentados na Autarquia, independentemente da sua autoria ou responsabilidade...
Na minha opinião, isto até é uma medida com uma certa coerência quando estamos num país governado por "Socialistas" onde um arquitecto não tem direito exclusivo sobre a Arquitectura, tendo que o partilhar a sua actividade com Engenheiros de Minas, Engenheiros Electrotécnicos, citando só alguns exemplos do que é autorizado pelo DL nº73/73, que teima ainda em ser revogado... contra os interesses Lobistas dos engenheiros e "engenheiros". Isto ainda é mais gritante quando neste momento temos mais de 15.000 arquitectos em Portugal, que levaram a efeito uma iniciativa pública legislativa perante a Assembleia da República, tendo sido criado o Projecto de Decreto-Lei 183/X, o qual foi redigido pelo Doutor Diogo Freitas do Amaral (que infelizmente saiu do actual Governo "antes" da respectiva votação deste potencial diploma).
Tudo isto me parece ser apenas mais uma situação vergonhosa para o nosso país, mas onde está a dita CAPACIDADE DE DECISÂO???

Achei por bem expor-lhe esta situação, por saber que o Dr. Pedro Santana Lopes é atento e fã de mais uma Arte da qual TODOS NÓS dependemos (para o nosso bem-estar) como é a Arquitectura... a qual existe desde a primeira Caverna. Pelo menos é o que se diz...

Qual a sua opinião sobre o comportamento violento do Governo sobre a classe dos arquitectos? e, indirectamente, sobre a qualidade de vida dos portugueses? da paisagem construída do nosso país? Mesmo sabendo que esta situação não é de agora...admira-me como Bruxelas não sabe disto, mesmo com um português na liderança, que por sinal já foi primeiro-ministro.

Cordiais cumprimentos,

Pedro Antunes Ferreira

filomeno2006 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Peço desculpa por deixar aqui o comentário que se segue, talvez a despropósito:

-----
O divórcio entre o Estado Social que todos desejamos e o governo liberal que o comanda está a reduzir-se a uma perigosa luta com apenas duas partes: professores e governo. Esta batalha professores-governo tem um efeito autofágico sobre a sociedade portuguesa porque abafa a luta das restantes classes profissionais e dos próprios professores.

Os meios de comunicação social parecem esquecer-se que a luta de várias classes profissionais portuguesas com o governo não se extingue nessa luta. Que é, afinal, a menos nobre de todas: centenas de milhares de outros trabalhadores, da administração central à administração local, muito mais mal-pagos, muito mais mal-amados, estão a sofrer na pele as políticas reformistas do governo (sei que o Sr. a defende, embora eu não consiga entender porquê...). Dos disponíveis ninguém fala. Dos ordenados de miséria (cerca de 200.000 funcionários públicos ganham o ordenado mínimo - o Estado mantém a soro 200.000 pobres e ninguém se apercebe disso, nem os que publicam relatórios de pobreza..) também não...

Se um dia todos os funcionários públicos deste país que ganham menos de 500 euros viessem para a rua, ou fizessem greve, o país parava. Mas isso não seria notícia, claro. Mesmo que se amontoasse lixo, mesmo que se amontoassem cadáveres.

Já dos professores, todos falam.

E quem ganha com isto? O governo, claro.

Para ser solidário com os professores, teriam aqueles de ser solidários com os demais colegas da Administração Pública. Mas a luta deles é só mesmo para o bem deles e não para o bem comum. SE amanhã ganharem algo, serão os primeiros a sair da rua e a defender o status quo reinante.

pq.no.te.callas.tu@gmail.com

Ricardo Araújo disse...

Boa tarde Dr. Pedro Santana Lopes, também assisti ao debate entre os dois candidatos Espanhóis e no meu entender, pode não ser como a imprensa escreve ou vaticina, mas que a vitória no debate sorriu a Zapatero, isso foi uma verdade.

Tem tudo para continuar a ser chefe de Governo, pois a economia Espanhola apesar do abrandamento, o ritmo de crescimento dos últimos anos desde Aznar até Zapatero foi impressionante, a contrastar com o nosso crescimento, desde Guterres até Sócrates inclusive ou seja 1995 até 2008, que foi um fracasso total, ou seja desperdiçamos 13 anos de Governação e pelo caminho que vamos iremos desperdiçar mais alguns bons anos, pois os portugueses em maioria não se revêem nem no partido do Governo nem na Oposição que tem demonstrado uma fraqueza evidente.

Quanto ao facto de um Primeiro-Ministro ser líder parlamentar, não têm problema nenhum, bem pelo contrário, acho que essas pessoas têm de ser valorizadas uma vez que saíram de um bom lugar e não procuraram protagonismo ao ponto de irem para gestores das melhores empresas nacionais, isso sim é uma vergonha.

Um grande abraço, cordialmente.
Ricardo Araújo.

Capitão-Mor disse...

Apesar do que gostam de dizer sobre si, você é um dos poucos políticos que se escapam do marasmo em que vive Portugal. Este espaço só vem reforçar essa minha ideia...
Abraço

sabedoriadopovo disse...

queria deixar aqui um comentário pois publiquei no meu blogue um comentário ao seu post Uma especie de democracia......
aproveitava para lhe pedir um favor pois o Sr. como lider da bancada do PSD poderia em nome de muitos lutar contra a corrupção na politica, e nós sabemos que há e muita.....

sabedoriadopovo.blogspot.com

all disse...

Ao estar de acordo com seu comentário, acrescentaria que Portugal vive uma época bolorenta!
Já agora existem milhares de pessoas que desejam um projecto de futuro com pernas para andar.
Nos por cá ainda não descobrimos o que é desenvolvimento sustentado porque os projectos políticos são débeis. Há que devolver a esperança e a confiança aos cidadãos.
O Meneses, a quem cheguei a dar o beneficio, não consegue transmitir confiança em um projecto real, viável, há que dizer-lhe que assim não chegará a lugar algum. Ou muda da água para o azeite ou...
Aflige-me pessoalmente em quem votarei... nunca no Sócrates! Mas... em quem...

paf disse...

Pelos vistos do lado de lá da fronteira, os hábitos (ou melhor, os vícios...) são os mesmos. Embora não na totalidade, também vi este segundo debate e embora a figura de Rajoy não me seja propiamente simpática, só alguém mal-intencionado é que poderá dizer que Zapatero cilindrou o líder do PP. Nas questões da imigração e do terrorismo, Rajoy "cilindrou" o seu adversário. Mas logo a seguir, "sondagens" e comentadores deram a vitória ao actual Presidente do Governo. Lá como cá... "quien no los conozca, que los compre"!

Anónimo disse...

Caro Dr. Santana Lopes,

Hoje a verdade os valores não são importantes. O importante é o que causa mais impacto e o que mais vende, tentar manipular a opinião pública e o pior é que conseguem.

Já parou para se questionar porque é que "o que alguns jornalistas dizem ou escrevem é uma verdade absoluta, e lei" e que muitas vezes o seu ponto de vista, bem como o de outras pessoas em nada coincide com o que foi escrito muito menos com o que se passou na realidade e a impunidade sempre presente, curioso é que é sempre nos nossos Governos.

Creia que a minha admiração pela sua pessoa enquanto político é muita, o País perdeu a oportunidade demonstrar do que era capaz um grande Homem porque muitos jornalistas o rotularam de homem da noite e daí não passa embora as suas virtudes, a sua capacidade fique sempre em 2º plano. Acho que ou eu ouvi mal, ao entender que as grandes empresas bem como a banca iriam pagar mais impostos na sua curta governação e essa foi a grande causa, o motivo de estarem em perigo o regular funcionamento das instituições, único motivo, para dissolver a A.R. como se fosse um incapaz, um mal feitor, não houvesse liberdade de expressão, como agora.

Foi assim que para mim o pior dos presidentes da república depois do 25 de Abril, viu também aquilo que só ele e uns quantos interessados viram, principalmente depois de arrumarem a casa.

Sabe eu também estou a pagar uma factura muito elevada por aquilo que pensam que sabem que pensam que viram, mas apenas olharam e olhar não significa ver, muito menos saber, o que se passou.

Será que se o têm deixado provar o que valia, porque vamos sempre ficar com a dúvida, a situação económica era esta? Será que se os impostos fossem mais justos tal como pretendia estaríamos nesta situação caótica?

Visões distorcidas da realidade podem mudar os destinos de um Povo.

Já agora não sei se relativamente ao meu modo de ver a Democracia, comparando-a com aquelas sábias palavras sobre a mesma do Professor Marcello Caetano feriram muito o seu conceito de Democracia.

Belmira Martins

Tino disse...

Na comunicação social portuguesa, a razão de ser desta realidade é a "longa manu" do Grupo PRISA e do PSOE...

filomeno2006 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

o que tem a dizer sobre a situação da Educação em Portugal, Sr. Dr: Pedro Santana Lopes?

Deixo-lhe um link que acredito irá gostar de ler.

Os melhores cumprimentos
Inês gonçalves

Anónimo disse...

Esqueci-me do link. aqui vai:
http://bp3.blogger.com/_7-g8_vg8LGU/R86jHmbFA2I/AAAAAAAABw4/mcDKXG6hPBQ/s1600-h/SCastilho.jpg

maria disse...

Nao vejo qualquer problema de um ex primeiro-ministro voltar ao parlamento, se bem que não estejemos habituados. Penso ser um acto de humildade que não faz mal a ninguém - só aos enfatuados.

MIGUEL VAZ SERRA disse...

Dr.Santana Lopes
Hoje recebi um mail de um amigo que vive em Lisboa e que me dizia:".....e isto neste País está cada vez pior e sabes?Acho que nós merecemos....."
De repente fiquei chocado e a pequena "raiva" que tanto disparate seguido e derrapagens já completamente descontroladas do nosso PM,Senhor Sousa,me provocam,transformou-se em desânimo completo....É incrível como realmente um povo poder ser apagado com a negatividade política dos governantes...é como a maçã PODRE no meio das sãs...Todas elas ficam podres em pouco tempo.É como o síndrome de Estocolmo que acabam por gostar dos raptores e sentem-se eles culpados do rapto!?...e eu Dr.,NÃO QUERO FICAR PODRE...Prefiro o "síndrome da pulga" que é aquele que depois de tanta picada,levantamo-nos e vamos embora.Volta-se quando elas estão mortas,verdade?Voltarei quando o senhor Sousa estiver nas capas das revistas e jornais mas não por ser PM,mas por estar a ser julgado de tudo o que fez que se sabe e do que NÃO se sabe e irá saber-se...."ichalá".
Miguel Vaz Serra

Daniel Sampaio disse...

Uma certa articulista e um certa prepotência que todos nós conhecemos, mas talvez seja ele o próximo do outro lado... talvez para confrontar esta ignorância exista um tal filme chamado de NOVAS OPORTUNIDADES que ainda estou para perceber o verdadeiro valor destas oportunidades ou destas estatísticas.

Cumprimentos.

Valdemar Cunha disse...

Pedro,

Nas verdadeiras democracias "nao ha problema" quando um ex-primeiro ministro volta ao parlamento como lider do seu partido.
Nas pseudo-democracias aos ex-primeiro ministros da-se tachos (i.e. sr. Guterres).

Miguel Vaz Serra disse...

Dr.Santana Lopes
Peço desculpa de lhe pedir isto mas lá vai...Posso mandar um recado ao PM?
Domingo, 9 de Março de 2008
Os macacos do naríz do PM
O Senhor Sousa,mais conhecido por 2 coisas que não é : Engenheiro e Sócrates, tem a "mania" de chamar ás manifestações fracas maneiras de 4 macacos irem para a rua..."geralmente são do PCP e do Bloco",diz ele com paternalismo......Bom Senhor Sousa..hoje os macacos eram 100.000.
Nunca na história da Democracia da 2ª República se viu tanto docente na rua...Aliás os números dizem que há 150.000 docentes "públicos" em Portugal,100.000 estavam a fazer "macacadas" hoje em Lisboa.
Faça-nos um favor:demita-se.Tenha vergonha na cara.Já chega de tanta arrogância e mentira.Vocé sim é um macaco e de imitação,só que não tem pinta para lá chegar...faltam-lhe anos luz de inteligência e de honestidade pessoal e política."Pire-se" e volte para o seu lugar,de onde nunca devia ter saido.O de "assinador" de contractos que nunca fez!!!
Miguel Vaz Serra

Publicada por MIGUEL VAZ SERRA em 0:54

Karocha disse...

Como está Dr?
Deve lembrar-se de mim! Vá às suas memórias.
Quem escreve as notícias?
Os mesmos que não escrevem o que sabem, os mesmos que arquivam, os mesmos que não querem perder as benesses!!
Acha que o País caía mesmo?...
Cumprimentos
MDB

ASL disse...

O oportunismo e a ignorância tendem a andar de braço dado...

Ricardo Lemos disse...

1- Quem faz essas noticias serão "jornalistas" da mesma estirpe e escola dos que fizeram a cobertura da sua ultima campanha eleitoral. Estive presente em 6 (seis) comícios, e não vi nenhum deles retratado conforme aconteceu. Vi aliás, em Leiria a jornalista da SIC a tentar desesperadamente filmar "clareiras" numa praça cheia.

2- Mesmo que não tivesse paralelo, ser lider parlamentar de um partido como o PPD/PSD é sempre uma honra, e no seu caso particular, a prova de que os "opinion makers" deste País têm muito que aprender, e têm muitos degraus para descer. Não se podem colocar num pedestal, e usurpar a opinião publica e transformar em verdades universais as opiniões que são regiamente pagos para debitar.
A voz do povo é a voz do povo.

Fecho com um pedido, avance! Conte com o meu voto e com o meu humilde apoio. E já agora, obrigado...