sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

É DEMAIS!

O Senhor Primeiro - Ministro considera admissível a reacção, hoje, do Ministro da Saúde que quando confrontado com a perda da vida de uma criança entendeu sorrir, e dizer com uma expressão inqualificável, "eu já sei de muita coisa, não posso saber de tudo. perguntem ao director da ARS do Centro"? Passa as marcas todas.
Devo dizer que não simpatizo com o personagem e tenho um processo, por calúnias, contra a sua pessoa, por difamação. Mas hoje ele passou os limites. Por causa de uma anedota de mau gosto, um Ministro de Cavaco Silva, há anos, foi demitido no mesmo dia. E este inaceitável Ministro? Ainda ninguém contou ao senhor Primeiro - Ministro?
Não estou a falar em nome de ninguém. Aliás, o Partido a que pertenço tem por hábito não pedir a demissão de Ministros. Essa é responsabilidade do Primeiro - Ministro.
Não estou a pedir, repito, para ser demitido. Estou a dizer que não podemos ter um Ministro da Saúde que, numa situação tão triste assim, tem uma tal risonha reacção.

16 comentários:

J P G disse...

Decoro!

Era o mínimo que se pediria a qualquer pessoa quando confrontada com a tragédia daquele bebé.

Mas, a um responsável político, titular da pasta da Saúde, exige-se MUITO mais.

Exige-se sensibilidade, humanismo, seriedade, enfi, RESPEITO!

Rui Passos Rocha disse...

É muito bom que elementos do Governo ou aspirantes a sê-lo criem espaços de debate político públicos - como este caso. No entanto, no seu caso a iniciativa é lastimável, porque não só é limitado em termos ortográficos (e isso, quer queira ou não, contribui muito negativamente para a sua imagem) como se insere numa perspectiva de achincalhamento, de crítica fácil, destrutiva.
Queira repensar a orientação que dá ao blogue. Nós, portugueses, agradeceríamos.

Cláudio Montello disse...

Claro,claro que sim!
Teríamos então a blogosfera toda a imitar os jornais e televisões.Seria talvez interessante também,acender uma lamparina por debaixo da imagem do ministro Sócrates e tocar o campanário cantando loas...
O amigo Rocha terá decerto escrito uma carta ao seu Partido protestando pela forma miserável como tratou o Prof.Cavaco Silva,Dr.Durão Barroso,Dr.Santana Lopes,bem como os ministros dos Governos PSD.Estou certo que sim.
Terá feito chegar ao Eng.(?) Guterres a sua indignação pelo facto deste não saber fazer contas,etc.
Está-se mesmo a ver!!!
No restante,meu caro,primeiro o conteúdo e só depois a forma.
Permita-me que lhe indique a leitura do "Discurso do Método" de Descartes,para pessoas que vivem sob hipnose barata é muito útil.

Sofia disse...

Exmo Dr Pedro Santana Lopes
Situações como esta infelizmente com este governo são banais. Como é possivel. Se por ventura a criança que morreu vivesse em lisboa ou fosse filha ou neta de algum ministro as consequências seriam outras. O pais está de tanga como o outro dizia. Sou de Aveiro e aqui infelizmente também já morreu uma pessoa nas urgências e só depois alteraram o sistema de triagem, não pode ser! Quanto ao Sr. Rui Passos concerteza que é um BOY.

... disse...

Sejamos rigorosos. Quem tem telhados de vidro... ... Não atira pedras ao telhado do vizinho!

“ É muito bom que elementos do Governo ou aspirantes a serem-no criem espaços públicos de debate político. Este blogue é um exemplo. No entanto, no seu caso, a iniciativa é lastimável porque, não só, é limitada em termos ortográficos e isso, queira ou não queira, contribui muito negativamente para a sua imagem, como, também, se insere numa perspectiva de achincalhamento, de crítica fácil e destrutiva.
Queira repensar a orientação que dá ao blogue. Nós, portugueses, agradeceríamos.

Tentei corrigir ortograficamente a frívola manifestação. Reli o post. Reencontrei a expressão “Nós, portugueses,” que é, sem dúvidas, o cúmulo do pretensiosismo. Conclui então que a sugestão nacional, ou assumida como tal, é:

1. Os termos ortográficos são limitados. Nada mais é preocupante e lastimável que uma “ortografia” aprendida à pressa numa das Novas Universidades (algumas já fechadas), não é? Neste país, tão serenamente à espera das Novas Oportunidades, não devemos menosprezar os que, empenhadamente, pretendem o enriquecimento curricular de forma séria e honesta, sublinho, de forma séria e honesta. Não é?Escrever direito por linhas tortas não é são e não é popular… ou mais, não dá saúde e não faz crescer as estatísticas e as sondagens…

2. Há temas que são, exclusivamente, para os doutores de independentes visões discutirem, delapidarem, cigarrarem, etc. São os evocados temas exclusivos da portugalidade, quais sigilos da justiça e da banca ao serviço da fraude, da incompetência e da ignorância dos demais.

Caro, Dr. Santana Lopes, (desculpe-me se o título é inadequado!)
Não equacione a reorientação do blogue.
Haverá alguém, dos que por aqui andam, que queira a pífia verborreia da abrupta sabedoria omnicategórica, enfim , recalcada de frustrados e incongruentes apelos à desgraça?
Haverá alguém, dos que por aqui andam, que queira a arrastada verborreia da piscatória inteligência omniradicalista, enfim, recalcada de formatadas e fumeadas pugnas pelo impossível?
Haverá alguém, dos que por aqui andam, que queira o verbo da visão omnisciente silenciado?
Enfim, pugnámos por uma democracia e agora ela parece-nos quase impossível ao ouvirmos estas vozes…

Nós que, por aqui, andamos, agradecemos a sua dedicação a esta causa.

Pesaran Correia

N.F. Se alguém pretender, reenvio, por e-mail, a carta oficial que a Ministra da Educação enviou, recentemente, aos professores. Brilhante a coesão e a coerência textual! Uma pérola da epistolografia oficial portuguesa.

vicissitude disse...

O Rui Passos tem mais que absoluta razão, porque para além do fel do sô tôr Santana os erros ortográficos abundam neste blog.
Se calhar escreve à pressa?
Sô tôr Santana e sô tôr Menezes por favor, tentem escrever decentemente é um repto do gentio Português!

José M. Barbosa disse...

Exmº Senhor Dr. Pedro Santana Lopes,

O discurso que tenta assacar responsabilidades ao ministro pelo que tristemente aconteceu à criança é abusivo e óbviamente qualificável de demagógico.
Como diz, a atitude do ministro é que nos surpreende. E de que maneira. É mesmo chocante, pela sobranceria, presunção e infelizmente pela falta, no mínimo, de bom senso. Não se compreende como pode continuar a ser apadrinhado pelo PM. A não ser que reduzamos isto tudo à equação canónica : falta de berço.
Convenhamos que é por estas e por outras que não temos (no plural porque não falo só por mim)
confiança nenhuma no PM.

Cumprimentos.
JMB.

andreeof disse...

Sem dúvida que este ministro começa a irritar o português mais desatento, tanto pela sua arrogância e altivez como pela sua incompetêcia.

No entanto, não creio que o problema seja a condensação dos serviços de saúde, mas a forma como esta está a ser feita. Estou a favor desta concentração, como profissional de saúde, mas condeno como está a ser posta em prática. Há todo um trabalho de casa que não tem sido feito, em muitas vertentes, que poderiam preparar o sistema de saúda para esta remodelação: criação de unidades de cuidados paliativos por todo o país para libertar os Hospitais (evitam-se depósitos de idosos nos hospitais e grande quantidade de doentes terminais, com serviços financeiramente diferentes do SNS, e pessoal diferente, o que torna os custos positivamente inferiores também); reestruturação física e humana dos serviços de urgências afectados; reestruturação territorial dos serviços do INEM; criação de bases de dados de potenciais doentes - pessoas com problemas de saúde determinados, de risco, ou idosos e outros, que necessitem de cuidados potencialmente urgentes, gerindo melhor os recursos disponíveis pelo território.

Haverão outras medidas igualmente importantes, que deveriam ser tidas em conta e não o foram! No entanto, a quantidade de vítimas de um sistema de recursos dispersos é superior do que as que têm dificuldades de acesso aos meios de saúde existentes.

Falcão disse...

Caros comentadores, não me foi passada procuração pelo Dr. Santana Lopes para acorrer em defesa do sentido implícito neste post. Tambem não sou pai de uma bebe. Porem, esses factos não me impedem de compreender o alcance daquilo que aqui se denuncia, o total e completo desprezo que o nosso governo demontra possuir pelos direitos de todos os cidadãos.
No caso da bebe falecida, foi noticiado que já estaria morta quando o pai chegou junto dela. Outros casos sucederão, infelizmente, onde, não haveria salvação, mesmo havendo um centro de saúde à mão, não obestando que outras vidas se salvem, se os mesmos existirem.
Independentemente das opções políticas neste sector tão sensível que é a saúde, deveríamos poder esperar dos membros do nosso governo, perante o conhecimento das tragédias que atinjam os seus con-cidadãos, uma postura séria e demonstrativa de perfeita solideriedade e constrangimento.

Falcão disse...

Caros comentadores, não me foi passada procuração pelo Dr. Santana Lopes para acorrer em defesa do sentido implícito neste post. Tambem não sou pai de uma bebe. Porem, esses factos não me impedem de compreender o alcance daquilo que aqui se denuncia, o total e completo desprezo que o nosso governo demontra possuir pelos direitos de todos os cidadãos.
No caso da bebe falecida, foi noticiado que já estaria morta quando o pai chegou junto dela. Outros casos sucederão, infelizmente, onde, não haveria salvação, mesmo havendo um centro de saúde à mão, não obestando que outras vidas se salvem, se os mesmos existirem.
Independentemente das opções políticas neste sector tão sensível que é a saúde, deveríamos poder esperar dos membros do nosso governo, perante o conhecimento das tragédias que atinjam os seus con-cidadãos, uma postura séria e demonstrativa de perfeita solideriedade e constrangimento.

henrique disse...

Os tempos mudam e a ética também. Agora as pessoas são mais materialistas,. Estão muito "ligadas" ao poder. Sim aquele poder que pensam ter...e que lhes dá um ar de importância. Mas se algo lhes der, tal qual desarranjo intestinal ou outro, correm logo aflitos...é o tal "fio da navalha"...que alguns políticos deveriam, desculpe dizê-lo, sentir...e mais não posso dizer porque seria entrar em episódios dantescos.

Rui Passos Rocha disse...

Posso enumerar uma série de blogues e opinion-makers que fazem críticas mais fortes, mais vigorosas e mais mordazes ao Governo sem fazer uso de vocábulos baixos e lugares comuns("vergonhoso" e outros que tais).

Não, não sou nem tenciono vir a ser membro de um qualquer partido político. Sou simplesmente alguém desagradado com a forma como por vezes o PSD exerce o seu direito a fazer oposição. O achincalhamento público, a crítica fácil sem retroceder no tempo... Uma boa forma de "enterrar" José Sócrates seria através da evocação de declarações passadas suas ou dos elementos do seu Governo. Um pouco à imagem do que fazia Paulo Gorjão no seu Bloguítica antes de o encerrar (mas numa versão de quem acerta no que diz...). Ao contrário do que aqui foi dito, este meu apontamento é construtivo.

diogo agostinho disse...

Caro senhor Rui Passos Rocha

De facto a tirada final:
"Queira repensar a orientação que dá ao blogue. Nós, portugueses, agradeceríamos."

É deveras fenomenal!

Mas digo-lhe uma coisa, o senhor se tem problemas com o Blogue não precisa de o visitar! Porém, como vê, neste blogue, o senhor Rui Passos Rocha, aspirante a comentador, é lvre de opinar!

Mas, agora digo-lhe, é um prazer constatar como o Dr. Santana Lopes lhe faz tanta comichão!

É por senhores assim e sobretudo como o nosso Engenheiro Sócrates que o país não vai para a frente!
Ah e permita-me juntar mais um ilustre: Dr. Jorge Sampaio.

Nós, portugueses, agradecemos a liberdade! Sempre! Muito obrigado!

João Costa disse...

Exmº senhor Dr. Santana Lopes

Não concordo com essa história de que a culpa da morte da criança foi do governo nem criticar o facto do ministro ter sorrido. Ele não sorriu certamente da morte da criança. Só falta dizer que ele e o engenheiro Sócrates são uns psicopatas e fecharam as urgências de propósito para as crianças morrerem e que vão para casa ao fim do dia rir alarvemente com um riso maléfico daqueles que se vê nos maus dos desenhos animados. Eu não concordo com algumas coisas que este governo tem feito, mas uma das coisas excelentes que tem feito é combatido alguns Lobbies como o da Ordem dos médicos que, de alguns anos para cá, tem aconselhado os governos a não aumentarem as vagas para medicina e agora existe uma falta dramática de médicos. Eles são uma corporação e ajem no sentido de defender os seus próprios interesses e como o ministro mexe nos interesses que eles adquiriram, eles aproveitam todos os pretextos para o atacar. São necessárias mais vagas em medicina urgentemente e toda a gente do meio sabe isso. Com o envelhecimento da população vão ser precisas muitas mais que as 2000 vagas por ano em medicina e toda a gente do meio sabe isso.
Hoje em dia existem listas de espera de anos para as operações no Estado....E isto porque todas as pessoas que podem recorrem ao privado, porque se fossem todos para o público imagine o que seria. Vai-me dizer que se o senhor tiver de ser operado vai para um hospital público? Não vai.....E é isso que eles querem....que o país continue com uma saúde pública inacessível e com uma falta crónica de médicos para manterem os privilégios e o estatuto de que gozam....E todos os que quiserem dar uma saúde digna e a preços justos aos portugueses são um alvo a abater.
Está a existir uma falta de médicos no mundo todo como pode constatar em http://www.abc.net.au/worldtoday/content/2007/s2039708.htm

Cleopatra disse...

E já reparou na forma alegre e sorridente com que as Pivots, lêem as notícias mais dramáticas?
Será por isso que arranjam colocações de luxo depois?

Cleopatra disse...

E já reparou na forma alegre e sorridente com que as Pivots, lêem as notícias mais dramáticas?
Será por isso que arranjam colocações de luxo depois?