quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Boas Notícias

Muito importante esta colocação de dívida, a procura verificada, a redução da taxa de juro. Foi feito, de fato, no momento certo, como disse hoje Paulo Portas. E também, como disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros, estes resultados devem - se aos sacrifícios que os Portugueses têm suportado.
De qualquer modo, o Governo está de parabéns e principalmente  Pedro Passos Coelho, Vitor Gaspar e o já mencionado Paulo Portas.
Já agora: que figura tão triste fez um Ministro do anterior Governo, há pouco, na Televisão. Que mal lhe ficou a irritação que não conseguiu esconder.

15 comentários:

Anónimo disse...

Muito bem , Pedro!! Apoiado!

Atenção amanhã com a "coiso" e os outros...

Vêm cheios de armadilhas mas, tu podes bem com eles!

Força! Estamos muitos contigo!

Grande abraço,

José Luis Salema

Ricardo Horta disse...

"Fato"?? Do governante que negociou o acordo ortográfico? Já o leu?

maria lisboa....... disse...

Entendendo o sublinhar da notícia, infelizmente, aos 40% da população portuguesa não lhe diz nada.
Mais. Não lhe interessa mas mesmo nada.
E eu pergunto.
Gostamos de viver num País em que existem 7 milhões de amargados, pobres, desempregados, explorados,roubados, espezinhados, humilhados para a alegria de 20 pessoas e 2 milhões de cegos egoístas?
Foi para isto, para esta coisa má que se fez o 25A?
Foi para esta porcaria de estado da
Nação que este povo trabalhou toda uma vida e depois é acusado, pelo PM actual, de estar a viver à custa do Estado por receber 1000 euros, miseráveis, de reforma como se fosse uma fortuna?
Onde está a boa notícia?
Nos juros que temos que pagar por mais uma dívida feita e agregada aos 250 mil milhões já pedidos?
Não me parece que seja boa notícia mas sim uma ilusão óptica, gravíssima, que iremos pagar,proximamente, muito caro.

o cusco....... disse...

É assim:
"Portugal de" na RTP,este com Patricia Reis.
Pergunta:"Vais morrer.É NISTO que queres desperdiçar a tua vida?"
Penso que todos os portugueses deviam fazer-se este pergunta e dar a resposta ao Estado.
Alto, bem na rua e em bom som!!!
Assim seja!

miguel vaz serra....... disse...

Dr. Santana Lopes
Isto em vez de ser um sinal de bons resultados governamentais é pelo contrário revelador de que estamos a precisar de mais dinheiro e mais ajuda ....
Portugal ,Grécia, Espanha e Itália conseguem este maravilhoso sincronismo de juros....?
Temos que entender porque é que "vamos ao mercados " e porque é que esta ida é concertada com os Bancos.
Os gráficos estão aí para quem os quiser ver.
"....comparam a evolução dos juros da dívida a dez anos em Portugal, na Espanha, na Itália e na Grécia - clicar na imagem para ampliar). Mas não deixem de ler o notável post no Aspirina B, que os colige."
Deixou o link:

http://ladroesdebicicletas.blogspot.co.uk/2013/01/o-milagre-da-descida-dos-juros.html?spref=fb

Ninguêm dará os Parabêns a este Governo e menos a Passos Coelho ou Gaspar depois de ver bem os gráficos.
É que eles não fizeram nada, nem farão.
Aliás nem podem, "pobrecitos"....

miguel vaz serra....... disse...

Dr. Santana Lopes
Já agora deixo "A" notícia.
"A dívida pública portuguesa foi a quarta que mais aumentou na União Europeia..........120,3% do Produto Interno Bruto nacional....."
http://www.jornaldenegocios.pt/economia/conjuntura/detalhe/divida_de_portugal_foi_a_quarta_que_mais_cresceu_no_terceiro_trimestre_de_2012.html

silva disse...

São resultados positivos, o governo surpreendeu todos com esta operação. A oposição ficou desarmada, se por um lado deveriam se regozijar pois é positivo para o país, e isto significa avalizar as políticas deste governo, por outro lado e de forma a se manterem a tona da água, como oposição, para não contrarearem as criticas ao assalto fiscal e à austeridade.
Este é um sucesso nacional, somos e fomos todos soldados, tal como no passado quando alguns defenderam o país. Hoje, foram os portugueses que venceram a batalha, falta vencer a guerra.
Só falta convencer que vai valer a pena.

Anónimo disse...

De "fato"?
Olhe que não, olhe que não...

murphy V. disse...

Para aqueles que viram como negativa esta ida aos mercados, só me ocorre uma questão: Por onde andava esta gente (aparentemente) tão adversa ao endividamento público, entre 2005 e 2010!?...

http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/01/dos-festejos-ao-ressabiamento-agridoce.html

Anónimo disse...

Foi "de fato"? Se fosse de calça de ganga era igual. O que interessa é o resultado. :)

maria lisboa....... disse...

Palavras do futuro PM deste País na Q do C sic:

(...) A situação a que chegámos não foi uma situação do acaso. A União Europeia financiou durante muitos anos Portugal para Portugal deixar de produzir; não foi só nas pescas, não foi só na agricultura, foi também na indústria, por ex. no têxtil. Nós fomos financiados para desmantelar o têxtil porque a Alemanha queria (a Alemanha e os outros países como a Alemanha) queriam que abríssemos os nossos mercados ao têxtil chinês basicamente porque ao abrir os mercados ao têxtil chinês eles exportavam os teares que produziam, para os chineses produzirem o têxtil que nós deixávamos de produzir.

E portanto, esta ideia de que em Portugal houve aqui um conjunto de pessoas que resolveram viver dos subsídios e de não trabalhar e que viveram acima das suas possibilidades é uma mentira inaceitável.

Nós orientámos os nossos investimentos públicos e privados em função das opções da União Europeia: em função dos fundos comunitários, em função dos subsídios que foram dados e em função do crédito que foi proporcionado. E portanto, houve um comportamento racional dos agentes económicos em função de uma política induzida pela União Europeia. Portanto não é aceitável agora dizer? podemos todos concluir e acho que devemos concluir que errámos, agora eu não aceito que esse erro seja um erro unilateral dos portugueses. Não, esse foi um erro do conjunto da União Europeia e a União Europeia fez essa opção porque a União Europeia entendeu que era altura de acabar com a sua própria indústria e ser simplesmente uma praça financeira. E é isso que estamos a pagar!

A ideia de que os portugueses são responsáveis pela crise, porque andaram a viver acima das suas possibilidades, é um enorme embuste. Esta mentira só é ultrapassada por uma outra. A de que não há alternativa à austeridade, apresentada como um castigo justo, face a hábitos de consumo exagerados. Colossais fraudes. Nem os portugueses merecem castigo, nem a austeridade é inevitável.

Quem viveu muito acima das suas possibilidades nas últimas décadas foi a classe política e os muitos que se alimentaram da enorme manjedoura que é o orçamento do estado. A administração central e local enxameou-se de milhares de "boys", criaram-se institutos inúteis, fundações fraudulentas e empresas municipais fantasma. A este regabofe juntou-se uma epidemia fatal que é a corrupção. Os exemplos sucederam-se. A Expo 98 transformou uma zona degradada numa nova cidade, gerou mais-valias urbanísticas milionárias, mas no final deu prejuízo. Foi ainda o Euro 2004, e a compra dos submarinos, com pagamento de luvas e corrupção provada, mas só na Alemanha. E foram as vigarices de Isaltino Morais, que nunca mais é preso. A que se juntam os casos de Duarte Lima, do BPN e do BPP, as parcerias público-privadas 16 e mais um rol interminável de crimes que depauperaram o erário público. Todos estes negócios e privilégios concedidos a um polvo que, com os seus tentáculos, se alimenta do dinheiro do povo têm responsáveis conhecidos. E têm como consequência os sacrifícios por que hoje passamos."
António Costa

Enquanto isto, os portugueses têm vivido muito abaixo do nível médio do europeu, não acima das suas possibilidades. Não devemos pois, enquanto povo, ter remorsos pelo estado das contas públicas. Devemos antes exigir a eliminação dos privilégios que nos arruínam. Há que renegociar as parcerias público--privadas, rever os juros da dívida pública, extinguir organismos... Restaure-se um mínimo de seriedade e poupar-se-ão milhões. Sem penalizar os cidadãos.

Não é, assim, culpando e castigando o povo pelos erros da sua classe política que se resolve a crise. Resolve-se combatendo as suas causas, o regabofe e a corrupção. Esta sim, é a única alternativa séria à austeridade a que nos querem condenar e ao assalto fiscal que se anuncia."

Vítor Alves Pereira disse...

Cara "maria lisboa",

António Costa disse mesmo isso? Desculpe, mas então trata-se de um enorme embuste!
Então o António Costa agora tem alguma legitimidade para ter esse discurso?! Quem ouvir/ler e for distraído, até pensa que ele nada teve a ver com o curso das coisas, ele não pertenceu aos governos de Guterres (1995-2002) e de Sócrates (2005 - 2011)?!

Já agora aqui fica um testemunho do que será a sua gestão:

http://jornalismoassim.blogspot.pt/2012/12/a-refundacao-tambem-tera-de-passar-por.html

maria lisboa....... disse...

Caríssimo Victor Alves Pereira
Tem toda a razão, lógico.
É que se lê os meus comentários, tento usar e abusar da ironia e sou implacável para quem me mente.
Se há coisa que não suporto é A MENTIRA. Seja de quem venha. Nojentos os mentirosos que tanto mal fazem a tudo e a todos!!!!!!!
É o caso dos últimos dois 1ºs Ministros. Sócrates, que foi o maior mentiroso jamais visto como PM neste paupérrimo de espírito País que vota neles e agora este, Passos Coelho que mentiu mais que Sócrates, o que já é dizer bastante.
Todos têm má memória.
Sócrates e Costa que esqueceram que o PS esteve 16 anos quase seguidos no poder, logo a seguir a Cavaco (outro que tal...)e que foram os grandes culpados do saque generalizado em todos os Ministérios com assinaturas altamente lesivas para o Estado e isso só me leva a crer que receberam contrapartidas pessoais.
Nacionalizaram o NÃO nacionalizável, jamais, BPN e roubaram por todos os lados.
Passos levou uma campanha inteira a dizer que não fazia isto e não fazia aquilo ( cortes, 13º e 14º mês, aumento de impostos etc etc etc ) e assim que chegou a São Bento ainda não parou de fazer o que disse jamais fazer.
Disse-o várias vezes e repito em letras garrafais: SE NÃO PODIA FAZER NADA DO QUE DISSE PORQUE NÃO TINHA ALTERNATIVA SÓ TINHA UMA SAIDA: A DEMISSÃO!!!
Qualquer pessoa de bem, com sentido de estado, com ética e honesto faria isso. Depois de explicar tudo o que encontrou e se o povo o votasse mais uma vez, então aí teria poder total para fazer as atrocidades que tem feito com Gaspar, Borges, Relvas e um etc de gente que todos juntos numa sala fechada à chave perdendo a mesma, seria um alívio.
Victor, é lógico que tem razão.
Costa é um sonso e um desonesto mental!!! e eu que o diga!

Isabel Magalhães disse...

Subscrevo a maria lisboa.

Quinta-feira, Janeiro 24, 2013 1:33:00 AM

Anónimo disse...

De "fato"? O autor terá alguma vez lido o acordo que assinou em nome de Portugal. Ou pelo menos a Base IV? E se a leu, terá compreendido o que leu?