sábado, 23 de outubro de 2010

A pergunta

Cavaco Silva, hoje, em entrevista ao Expresso:

«Como é que um PR pode encarar a hipótese de dissolver a AR quando ela mantém a confiança num Governo?»

Cavaco Silva exprime esta posição com um Governo minoritário. Em 2004, o Governo tinha o apoio permanente e expresso de uma maioria absoluta. O que pensar e o que dizer de tudo isto?

11 comentários:

Carlos disse...

Dr Pedro Santana Lopes,bom dia.
Li a entrevista do Prof.Cavaco Silva e senti-me indignado por ter sido chamado de parvo pelo Presidente da Republica do meu País.
Portugal é a vergonha da honradez e seriedade políticas quando um Presidente da Republica diz que um Primeiro Ministro em funções,apoiado por uma maioria absoluta no Parlamento,não foi demitido mas apenas caiu porque o anterior PR dissolveu o Parlamento onde estava essa maioria.
Ao contrário de muito boa gente não culpo Jorge Sampaio pelos sofrimentos que Portugal está passando;ACUSO Cavaco Silva de ser responsável por o Poder ter chegado a Guterres e mais tarde e por interferência directa a Sócrates.
Aliás,a entrevista,no que aos avisos feitos diz respeito faz-me lembrar a anedota dos operários que foram fazer uma obra em casa duma baroneza e que foram mandados de volta em muito pouco tempo por inconveniência.Como a baroneza era uma excelente cliente,o patrão exigiu saber o que se tinha passado.Eles disseram que não se tinha passado nada mas,perante a insistência do patrão o mais velho disse:
-Patrão o que se passou foi o seguinte.
O Zé estava a soldar o candeeiro da sala ao tecto e eu estava a segurar a escada e eu só disse:Zé tem cuidado com o que estás a fazer,pois já me caiu um pingo de solda a ferver no olho.
Creia-me Dr Santana Lopes que temo o dia em que os portugueses olhem bem para o que esta gente tem andado a fazer com os seus filhos.
Melhores cumprimentos
Carlos Monteiro de Sousa

Hugo Correia disse...

Cavaco Silva não pode ter a consciência tranquila.

«Nunca pratiques um acto cujo teor receies vir a ser descoberto pelo teu vizinho».

Epicuro, Sentenças vaticanas


«Tanto a acção como o pensamento devem vir no tempo oportuno. Deve-se querer quando se pode, pois a ocasião não espera por ninguém. [...] Não prescrevas leis formais à tua vontade, posto que amanhã serás forçado a beber a água que hoje desprezas. [...] O sábio conhece que o norte da prudência consiste em conformar-se ao tempo.»

Gracián, Arte da prudência

luis cirilo disse...

Como todos teriamos apreciado essa frase em 2004...

Pedro disse...

Cavaco Silva, na ultima edição da Revista Única, escreve um artigo sobre o mar ser uma prioridade nacional e onde sde pode ler a seguinte frase " A conclusão que se pode extrair é que um país que não sabe aproveitar os seus recursos naturais se arrisca a ver esses recursos explorados por terceiros, hipotecando assim o seu futuro".

Então mas não foi no seu governo que se venderam as pescas aos Espanhois? Não foi no seu governo que se fecharam estaleiros navais?

o cusco....... disse...

A verdade de Cavaco…
É que realmente a AR apoia o Governo, por mais nojento que assim seja.
Um Governo, e isso foi repetido insistentemente por mim mesmo no perfil de Paulo portas no FB, que não tem o apoio da AR está fora e ponto final.
Se não tem maioria, cai na 1ª moção de censura. Não cai? Este não caiu.
Tem apoio incondicional da AR, que neste caso é dada pelos ditadores que não deviam comungar da real democracia e sentar-se ao lado de verdadeiros democratas, os Comunistas ( partido que devia estar ilegalizado como foi o Erribatazuna na vizinha Espanha por apoio ao terrorismo ( estes apoiam Cuba, Correia, China, e estiveram sempre metidos em todas as intentonas de nos privar da liberdade depois da revolução dos cravos ao lado de Otelo, Cunhal e companhia, o que já é dizer bastante ), do moralista venenoso e envenenado discurso do Bloco, do CDS-PP do Dr. Portas, que é duma critica vertiginosa mas nunca apresentou moção de censura, e claro, do PPD-PSD do agora “quase-mentiroso” Dr. Pedro P Coelho.
Portanto, como diz C.Silva, o Governo realmente está apoiado pela AR.
É uma verdade terrível, vergonhosa, infame, inaceitável aos olhos de qualquer normal humano, incompreensível, roçando o corrupto, no sentido em que todos comungam da carnificina lusa, e “moralmente” ilegal pois é fruto dum Golpe de Estado arquitectado em 2004 e em democracia isso é impossível.
Como vivemos em território de milagres, perto de Fátima, tudo é possível nesta terra dilacerada pelo poder económico e dum par de “prostitutas” que se vendem a bom preço e que se auto-denominam de políticos.
Tudo é verdade, Dr. Santana Lopes.
Sei que lhe é difícil de acreditar, como sei que lhe era difícil acreditar que Ministros se vendessem como se fossem “pegas” de bordel sem penicilina, mas é verdade.
Infelizmente…”pobriños” de nós, como dizem os primos Galegos.
Esta classe, que não tem nenhuma, política, está já de revenda.
É por isso que P Coelho estava na mira dos iluminados que acreditaram nele, e ele, nem teve a noção do que poderia ter significado na história de Portugal.
Perdeu a oportunidade e nem sequer teve noção…. Passou ao lado, quão naife. Nem a viu.
Incrível, para assim classificar.

maria lisboa....... disse...

NÃO NECESSITAMOS ESTE ORÇAMENTO PARA NADA!!!
A GRÉCIA PAGA SÓ 5% DE JUROS E ESTÁ MUITO PIOR QUE NÓS!!! PORQUÊ?
PORQUE TÊM LÁ O FMI!!!!!
NÓS PORQUE É QUE NÃO TEMOS?
PORQUE O FMI NÃO DEIXA ROUBAR!!!!
BASTA DE ROUBALHEIRA!
Pronto, já estou mais aliviada.
Gostei muito da entrevista na SIC Notícias.
Afinal ainda há políticos em Portugal!

A Mim Me Parece disse...

"Acuso Cavaco Silva de ser responsável por o Poder ter chegado a Guterres e mais tarde, por sua interferência directa, a Sócrates."

É o que a mim sempre me pareceu.
Por estúpida obsecação em pendurar em Belém um quadro de meio corpo do fiho do gasolineiro, marido da Maria. E continua...

Anónimo disse...

explica-se ao Pedro Santana Lopes da seguinte forma: aquele senhor que dá pelo nome de Intervalo Entre as Presidências de Soares e Cavaco faz parte do nojo que nos afoga em vómitos sucessivos há muito tempo.

Mas, enfim, olhe que o seu governo não deixou de ser igualmente... esverdeado.

Rita

Ricardo disse...

O que pensar e dizer? Que Jorge Sampaio foi um Presidente da República com um défice de respeito pelas instituições; partidarizou o cargo; não honrou a sua promessa de defender a CRP. Mas Santana Lopes também não demonstrou respeito institucional à altura: a chefia do Governo não é a mesma coisa que a Câmara da Figueira da Foz ou o Sporting. Santana Lopes não soube impedir os "casos" e os "pequenos escândalos". Quantos dias mesmo é que aquele sujeito de que nunca ninguém se virá a lembrar "esteve" como ministro? Quatro? Dois?

Ricardo disse...

O que pensar e dizer? Que Jorge Sampaio foi um Presidente da República com um défice de respeito pelas instituições; partidarizou o cargo; não honrou a sua promessa de defender a CRP. Mas Santana Lopes também não demonstrou respeito institucional à altura: a chefia do Governo não é a mesma coisa que a Câmara da Figueira da Foz ou o Sporting. Santana Lopes não soube impedir os "casos" e os "pequenos escândalos". Quantos dias mesmo é que aquele sujeito de que nunca ninguém se virá a lembrar "esteve" como ministro? Quatro? Dois?

Jorge disse...

Temos que perguntar ao Jorge Sampaio. Ele é co-responsável pela crise que vivemos.