sexta-feira, 18 de junho de 2010

De bradar aos Céus

http://dossiers.publico.clix.pt/noticia.aspx?idCanal=1351&id=1205906
http://dossiers.publico.clix.pt/noticia.aspx?idCanal=1351&id=1205869
http://www.portugal.gov.pt/pt/GC16/Governo/Ministerios/MOPTC/Documentos/Pages/20041105_MOPTC_Doc_Scut.aspx



O que acabei de ouvir na Quadratura do Círculo passa todas as marcas! Não estão em causa as qualidades das pessoas. Mas, é preciso muito descaramento ou muita falta de memória: houve um Primeiro - Ministro que, só há 5anos, disse tudo o que hoje disseram aquelas pessoas: fui eu.
Por causa disso, fui fustigado, atacado no meu próprio Partido, muito prejudicado eleitoralmente. As SCUTs não tiveram só como consequência o prejuízo do erário público: deram uma maioria absoluta a um Partido e ao seu líder.
Dia 30 de Setembro de 2004, no final de um Conselho de Ministros em Coimbra, fui eu próprio, como Primeiro - Ministro, fazer a Conferência de Imprensa, para anunciar essa grande decisão de introduzir portagens nas SCUTS. E quero tornar claro que fui eu o responsável por essa decisão. O único que fez questão de seguir essa linha. Quando tomámos posse, constatámos que o Governo de Durão Barroso tinha um estudo para prorrogar o deferimento pra a metade da década de 30 deste século XXI. O meu Ministro, um gestor reputado, à partida, trouxe - me essa proposta. Fui eu que disse que não, que disse que era essencial impor o princípio do utilizador - pagador. O Ministro foi convencido e, depois, defendeu esse caminho com inteligência e coragem.
Mas, hoje, que oiço tantos a dizerem o que eu dizia, quero sublinhar que fui o único a dizer, mal cheguei ao Governo, que tínhamos de seguir esse caminho. Quem apareceu a defender - me?
Agora, todos consideram evidente. Pois! Parecem os que só viram que o regime soviético, e seus satélites, era mau depois de ter caído o Muro de Berlim.
Para culminar, o programa terminou com a defesa do escalonamento das Taxas moderadoras em função dos rendimentos. Até o Presidente da República me criticou, publicamente, quando eu estava a representar Portugal, na Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque, exactamente por ter anunciado essa minha orientação.
Amanhã, em artigo no Sol, falo exactamente disto: das receitas erradas e dos que foram responsáveis por elas. Não podem ser eles a conseguir que os Povos saiam da crise. Isto está tudo errado, está tudo ao contrário, e as verdades têm de ser ditas. Os autores destas asneiras, os cúmplices, os corifeus, os arautos, os serventuários, incomodam -se. Mas há tempos em que ainda é mais vergonhoso ser covarde do que já o é em qualquer altura normal.

25 comentários:

Ricardo Silvestre disse...

Dr Pedro Santano Lopes, a amnésia é a maior dificuldade dos políticos. Dos comentadores e comentaristas é a amnésia selectiva! Mas estes têm uma grande vantagem perante os outros: não vão a votos! ah, e raramente são responsabilizados pelo que dizem!!

Lamento verificar que o Dr Pedro Santana Lopes tenha visto a sua imagem, na minha opinião, quase irremediavelmente, diminuída do ponto de vista eleitoral entenda-se, do ponto de vista do "povo". Tenho a plena convição que o Sr Dr juntamente com o Dr Meneses fariam do PSD um partido com ACÇÃO e é de ACÇÃO que o país precisa.

Se tomarmos como referência a Figueira e Lisboa ninguém pode dizer que enquanto lá esteve não houve ACÇÃO.

No entanto tenho um reparo a fazer-lhe (quem sou eu para isso, apenas um farmaceutico numa noite de serviço algures no norte) sobre o momento em que decidiu aceitar o convite para ser PM. Tenho plena convicção de que foi a ambição e a precipitação de ser rapidamente PM que o levou à queda. (Isto se não houver um outro motivo que eu desconheca de ordem partidária ou mesmo de direito). Porque se tivessem convocado eleições o Dr Pedro Santana Lopes dava 10 a 0 ao Dr Ferro Rodrigues não acha?

Jorge Diniz disse...

Até que enfim ouço "dar o murro" para dizer umas verdades.
É verdade isso das SCUTs. É verdade que foi a "grande bandeira" empunhada pelo PS e que, dentre outras promessas quebradas, lhe deu uma maioria. Eu próprio fui enganado (votei nessa maioria).
Quem não se lembra do Dr. Fernando Gomes defender a manutenção das SCUTs (sem pagamento) porquanto os impostos ligados ao sector automóvel eram mais que suficientes para pagar toda a manutenção da rede viária. Talvez por isso tenha sido "premiado" com o lugar de gestor nas "gasolinas" (de que nada sabia - palavras suas).

Parabéns. Assim gosto de o ouvir.

Arrebenta disse...

Amiguinho, as Presidenciais estão aí: é dar-lhes em cima :-)

Manuel Silva disse...

MAS NÃO ERA ESSA A MÁ MOEDA?

Há muita gente que não sabe, não estão informados, apenas repetem os "opinion makers" e assim é o caso da maioria do povo. Cansado de trabalhos, preocupado com as suas contas...sobre informação "sabem", julgam saber, o que os jornais e sobretudo as TVs dizem e repetem.

Mas aquela minoria pensante, atenta, critica, sabe bem, estão informados, não podem ignorar, que o Dr. Santana Lopes tinha razão. É factual. Está definitivamente provado que a má moeda, afinal era outra.

Porquê que esta minoria pensante continua a não querer admitir o óbvio? a não querer ver? Isto é um caso clínico!!!

Hugo Correia disse...

Links bem elucidativos.

Se me permite vou repetir o comentário de 17 de Abril onde transcrevo do seu livro "Percepções e Realidade" o caminho que foi trilhado para a implementação do princípio utilizador-pagador, ou seja, o fim das Scut's. Só interrompido pelos motivos por todos conhecidos. Os arquivos e os livros servem para isto, reavivar algumas memórias.

«[...]Excluídas medidas temporárias, o défice estrutural era, disse, de 4,7%. O início de pagamento das Scut's devia representar cerca de 500 milhões de euros (100 milhões de contos logo no primeiro ano)
[...]Entre os assuntos prioritários do Governo, estavam também alguns dossiers das Obras Públicas e das Cidades. Recebi o ministro Mexia às 15h15 de 26 de Julho, tendo começado a tratar imediatamente da questão das SCUT's.
[...]Contrariamente à Lei das Rendas, que tinha um trabalho de preparação legislativa do tempo de Durão Barroso, as SCUT's eram uma matéria nova na agenda política. E mais inédito era o sentido da minha posição sobre a matéria. Uma matéria em relação à qual estava informado do respectivo quadro financeiro por conversas com Carmona Rodrigues enquanto ministro das Obras Públicas. Falara-me num estudo sobre o esquema de financiamento para suportar os encargos com a consignação das receitas das construções das auto-estradas em regime de SCUT durante os próximos vinte anos ou mais.
Esse esquema merecia a minha total reprovação, porque se baseava em receitas futuras para suportar o custo do passado. O País estava a sobrecarregar as gerações futuras, concretizando exactamente o contrário do que penso que deve ser a governação. Era como governar no mesmo sentido que alguns socialistas. Não gostaria de ver um Governo liderado pelo PPD/PSD tomar uma opção como esta.
António Mexia trouxe-me o esquema logo na primeira audiência. O ministro achava-o razoável e admitia a sua conciliação com o regime de portagens ligeiro, a prazo, enquanto não se obtinham os níveis de desenvolvimento nas regiões do interior. Considerei essa tese inaceitável.»


«Tive ocasião de dizer que estava a correr politicamente todos os riscos que fossem necessários para levar por diante a reforma das SCUT's, que considerava justíssima: quem utilizasse as auto-estradas devia pagá-las, excepto aquelas a quem fosse concedido um regime de isenção para os casos em que não havia alternativa. Mas, fora isso, não admitia qualquer desvio no princípio. Não deviam ser todos os contribuintes a pagar o que só alguns usavam. Essa era a maneira de governar à socialista português. Considerava esses esquemas absolutamente contrários ao interesse nacional.»


«Disse a António Mexia que a minha posição era intransigente e pedi-lhe para me apresentar, tão depressa quanto possível, no prazo de duas semanas, uma proposta alternativa, tendo em conta o caso da auto-estrada para Castelo Branco e da Via do Infante, onde havia promessas anteriores dos primeiros-ministros - o que eu considerava um valor a ter em linha de conta, feitas principalmente com o argumento da não existência de alternativas.
Mesmo assim, queria saber o que representavam em termos concretos, ano a ano, as responsabilidades do Estado com a construção dessas SCUT's. Os números que me foram sendo trazidos eram arrepiantes. Entre 500 a 700 milhões de euros por ano, durante quinze anos. António Mexia aderiu logo à minha ideia, assumiu-a, trabalhou-a, com a inteligência e coragem que o caracterizam, nos sítios mais difíceis, em reuniões com populações descontentes com a introdução dessa medida difícil.»


Pedro Santana Lopes, Percepções e Realidade (2006)

silva disse...

Caro Pedro
Há vários anos sou acusado por vários amigos de ser Santanista.
Nunca tal epitáfio me incomudou, registei os momentos e hoje dá-me um certo gozo, relembrar essas conversas.

Se hoje alguém é perseguido pelas "nódoas"? Será Sócrates, os seus mandatos são perseguidos por passado obscuro que o persegue desde os bancos da faculdade, até a utilização de expedientes, tráfico de influência, etc...que hoje o colocavam fora da administração pública ou sujeito a uma sindicância municipal, as trocas de influência e relações revelam comportamentos do tipo mafioso, e enriquecimento ilícito tal como se vê nas páginas dos jornais sensacionalistas. Mais grave ainda, os seus valores morais são infelizmente atropelados por comportamentos derivado a desvios de personalidade.

Existe uma desonestidade intelectual grave, e é de lamentar que Cavaco Silva não seja o primeiro a ter a coragem de se referir que errou na sua apreciação, que está arrependido, que foi ingénuo e os seus comentários provocaram eleições antecipadas, ficava lhe bem assumir essa responsabilidade. Não deixou que a sua cara estivesse num cartaz do seu partido mas o seu nome foi usado pela esquerda para derrubar um governo legítimo.
Esta desonestidade intelectual tolda a coragem aos políticos e ou jornalistas de virem a público dizer:
Santana Lopes tinha razão!
O bom senso fez-me optar bem mais cedo! Bem haja!

JB disse...

Mas essa do Presidente da República o criticar, não era nada de novo, até porque era o chefe da oposição, os outros que pertenciam ao PS eram paus mandados.Ele ao criticar já estava a preparar aquilo que acabou por fazer.Quanto ao resto faz bem em lembrar, para avivar a memória dos esquecidos e verem que criticavam sem fundamento, ainda que eles o saibam.

Margarida disse...

Nem mais. Ontém enquanto via a quadratura do circulo disse várias vezes: "Santana Lopes disse isto"! Mas claro eram trapalhadas. Que lindo é ver agora Lobo Xavier render-se aos encantos do Partido Socialista. Que bom.

Mariana disse...

Acabo de ler isto no Blog Jugular e coloco nesta caixa de comentários apesar de não vir a propósito do seu post, para pedir ao Dr. Santana Lopes que por favor escreva algo sobre isto. De uma vez por todas não será altura de nos levantarmos contra o radicalismo destrutivo? A aberração da sociedade tem limites e J.Sócrates e a extrema esquerda radical não param.
E cito Vale de Almeida:
"O Bloco de Esquerda submeteu hoje um Projecto de Lei que “Altera o Código do Registo Civil, permitindo a pessoas transexuais a mudança do registo do sexo no assento de nascimento”. É em praticamente tudo semelhante ao projecto que temos vindo a trabalhar no PS e que certamente será apresentado em breve. Ainda bem. Vamos a isso, que este não é um assunto “fracturante”, mas sim de elementar justiça. (E bem mais relevante do que umas tonterias sobre feriados)" Miguel Vale de Almeida in Blog Jugular

paf disse...

Já dizia o outro... "atrás de mim, virá quem de mim bom fará".
Abraço forte,
Zé Paulo Fafe

Anónimo disse...

O Sr. e o seu governo foram vítimas de críticas injustas e mal-intencionadas. Infelizmente teve que subir o Sócrates ao poder para que isto ficasse às claras: pela positiva, como acontece nestas propostas de que fala o seu post, mas também pela negativa com as 'trapalhadas', escândalos e total irresponsabilidade financeira que tem caracterizado o regime socretino.

Se isto não é ainda evidente para muita gente, deve-se à extraordinária máquina de propaganda que o dinheiro dos nossos impostos vai pagando. Mas até aqui o seu Governo foi precursor (duma forma mais benigna porque o Sr. não é o sócrates). Falo da célebre "central de informação" que o Sampaio vetou politicamente. Afinal era possível ter uma coisa mil vezes pior, bastando para tal que a "máquina" seja informal e clandestina.

Já agora: Existe um conjunto de pessoas - os Cavacos, os Josés Manueis Fernandes, as Manuelas Ferreiras Leite, os Pachecos Pereira - que agoram se sentem muito incomodados com o Sócrates e as suas políticas mas que são os principais responsáveis pela ascensão do Sócrates ao poder. Não queriam a má moeda? Aí a têm com muitos zeros atrás. Não queriam o monstro, aí está ele cada vez maior. Ficavam muito incomodados com supostas trapalhadas e escândalos ... enfim nem vale a pena falar disso ... E por cima disso tudo, aí temos o PS e os amigos a destruirem o que resta da democracia, a tomarem conta do país e dos dinheiros do orçamento e a promoverem activamente a sua promoção a "região". Obrigado.

Humberto disse...

Infelizmente Portugal perdeu os últimos 5 anos. Perdidos... desperdiçados, completamente!

Que alegres tolos são aqueles que depois de acreditarem na ilusão uma primeira vez ainda tiveram a agudeza de espírito de voltar a eleger uma segunda vez quem deu todas as provas de não merecer o cargo que ocupa.

E que alegres tolos somos nós todos que, a mercê dos interesses pessoais de uns quantos políticos, nos deixamos arrastar até à beira da bancarrota por mais um ano até que o espectáculo das eleições presidenciais acabe.

João disse...

Olhe eu vou ser muito sincero consigo, eu estive contra si em muitos aspectos, hoje não o teria feito pois seria muito melhor o sr do que o estado do Estado a que se chegou. Mais vale uma má decisão do que uma indecisão, com os erros e que aprendemos.
Os problemas e os casos que surgiram levaram o então presidente da republica a dissolver a AR, hoje e visto o que ja se tem passado, quantas oportunidades é que ja foram perdidas para dissolver a AR, muitas e com situações mais graves.
Não se lamente mais, ainda podia ter dado muito a este país.
Esteja bem consigo próprio pois tenho a certeza que o está.
Gostei da sua pergunta no Congresso "será esta a boa moeda" eu respondo NÃO.
Cmpts

Diogo Agostinho disse...

Enfim: http://psicolaranja.blogs.sapo.pt/659907.html

Anónimo disse...

Desculpe, mas esse seu tom zangado agrada-me.
Pois é, está tudo ao contrário, não é?; está tudo errado, não é?

Pois está.
1- Este mês lá me foram ao bolso: já comecei a pagar a dívida dos luxos do "Pinóquio e sus muchachos" e percebemos quanto a nossa dedicação e o nosso esforço profissional não é reconhecido e só o brio profissional e a honestidade nos impede de deixar de trabalhar e viver à conta de um rendimento social qualquer que nos livre de impostos, ou então termos uma profissão que nos permita receber milhões e declarar só centenas ou até um conveniente prejuízo - com sorte lá vem mais um subsídio para ajudar a pagar a mensalidade do colégio!! (há casos assim, não é?); 2- e assim a mentira passa a verdade e o procurar a verdade é "querer a humilhação de alguém" - assim falou o "Pinóquio" após o relatório da conclusão da Comissão de Inquérito ao caso PT/TVI.

Neste seu post, o senhor usa os termos "corifeus", "serventuários"; eu prefiro os menos eruditos, os mais grosseiros, para vincar a minha indignação e, desculpe o termo, "chamar aos bois pelo nome", e digo sabujos, hipócritas e oportunistas, alpinistas político-sociais.

Cuidado! Não tarda seremos todos obrigados a filiar-nos no mesmo partido...


Já agora, cuidado com o novo
"Pinóquio" que ameaçou com Moção de Censura" e agora dá o dito por não dito - não está escrita a palvra "mentiu" por isso não há razão para a dita Moção. Claro, não é uma mentira é uma ... "inverdade" - completamente diferente?!

Apesar de tudo é melhor deixar cair o PM de ("figo")maduro.

Está tudo errado não é?

Então, Dr. Pedro Santana Lopes, por Portugal faça alguma coisa...

Eu Patriota Me Confesso e
NÃO QUERO PAGAR!

MG

vitor disse...

Dr. Santana Lopes, ainda hoje à tarde em conversa com amigos lembrei esta sua decisão das SCTS, para dizer que o melhor governo desde 1974 foi embora porque tinha qualidade e pessoas com grande capacidade e qualidades, ao olhar para Portugal hoje sinto uma revolta enorme e vontade de sair para fora, porque nos ultimos 15 anos hipotecaram os proximos 30 e não fiz mal nenhum para merecer isto.

ideias para portugal disse...

é triste em pleno século XXI depois de tantos anos e termos esta crise enorme, ainda estamos à espera o Prof. Cavaco para quê, não está a pensar em Portugal porque se fosse consequente e responsável já tinha convocado eleições, para mim não é estranho desde que este Prof. decidiu apoiar Mário Soares à Presidência da Republica destruiu parte do PSD e não pode pensar no país mas somente nele, gostaria de acreditar no futuro mas com novas caras, com dinâmica , HONESTIDADE, e uma cultura de qualidade, mérito e Orgulho por este Grande Portugal, que saudades da JSD dos anos 90.

Anónimo disse...

«Agora, todos consideram evidente. Pois! Parecem os que só viram que o regime soviético, e seus satélites, era mau depois de ter caído o Muro de Berlim.»

É verdade, dr., só se vê que os governos não prestam depois de cairem. Foi um pouco o que aconteceu com o seu. Antes de cair, havia algumas pessoas que achavam bom.

Camilo disse...

O grande problema, Dr. é que, entretanto, estamos a perder os nossos melhores anos (de vida) sem nada fazer!!!
Esta inércia, este deixa-andar faz-me pensar...!
O seu Governo "caíu" da forma mais ignóbil, devido a uma orquestração verdadeiramente hitchcockeana... com "relatórios" emanados "à Constâncio", sem contar com as "bocas" de outras "individualidades"...(!)
As mesmas que hoje, perante os factos diários apresentados sobre o actual "governo", se calam.
Até parece que não há nada.
E, para culminar, o verdadeiro escândalo "anunciado" pela Comissão de Inquérito ao "chuto" do Moniz/Manuela, etc."
Imagine, Dr. se isto fosse no seu consulado.
Aposto que já tinham exigido o seu julgamento (com grandiosas manifestações) no campo pequeno.

Fartinho do Silva disse...

Dr Santana Lopes

A saga dos "cavaquistas" continua! Até Freitas do Amaral, no Expresso de hoje: "Impedir que Cavaco ganhe à primeira volta é perigoso para quem não quer o PCP e o BE no próximo Governo"!
Esquece-se este senhor de que está a fazer parte do coro dos que entendem que Cavaco só ganha à 1ª volta!
Isto é que são uns amigos!
Ainda há pouco tempo dizia que Cavaco estava a ser mal aconselhado pelos assessores da Casa Civil!
Freitas revela que em 2006 não votou em Cavaco por fazer parte do governo de Sócrates. Agora, está solto!
Percebe-se, não se percebe, Dr Santana Lopes?

Jose Carvalho disse...

Meu caro,

Dr. PSLopes,

precisa de perceber uma coisa:

«A gratidão não pertence à política, mas sim à História»...

Creia-me como um amigo e admirador dedicado,

J. C.

N.B.- Mas não me peça para me filiar num Partido como o seu(?) que está a ser empurrado para o abismo. Que saudades dos bons tempos do PPD-PSD...

Está na hora de criar um movimento de homens livres das peias da partidocracia que asfixia esta Nação...

Anónimo disse...

7 a 0

Os ceus falaram...

Miguel (21) disse...

Eu gosto do Dr. Pedro Santana Lopes.

Demonstra clareza no pensamento e integridade no espírito - uma simplicidade que é impossível para muita gente.

Quando se vê um génio da sensatez, deve-se elogiar.
Sabendo que para a sociedade, o "estilo Dr. House" é bem mais apelativo...

assim, sim! disse...

Blogueiro,

Assim vale a pena passar por aqui.
Não concordo em tudo o que diz nem concordei com tudo o que fez. Mas acho que tem frontalidade e a coragem de falar do que é incómodo. Isso, hoje mais do que nunca, é necessário.

Não sou Santanista, não sou PSD, não sou PS, não sou de coisa nenhuma. Tenho a isenção dos espiritos livres.

Admiro as pessoas que são capazes de obedecer a regimes partidários, porque eu não seria.

Começo a ver neste blogue, muita gente como eu: partidarices à parte, esperam essencialmente que o Dr. PSL dê uns murros na mesa. Que alguém dê uns murros na mesa!

Joaquim Alves disse...

Dr. Pedro Santana Lopes, tem toda a razão quando escreve as verdades com que enfrentou as eleições, e, perdeu a dizer a verdade, mas o povo assim o quis, queria um PM fala barato, mentiroso, aqui o temos. O Dr. Santana Lopes, eu sei que o Senhor preferia ter ido a eleições e ganhava-as, mas a conjuntura daquele momento era imprópria para consumo, ou seja, o PS estava deserto para afastar o Ferro Rodrigues visto andar nas bocas da Casa Pia, e, bem cozinhado com o Dr. Barroso, foi a melhor opção para o afastar (resultou, nunca mais se viu. Devia estar mesmo entalado...). O Dr. Santana Lopes mais uma vez foi sério e honrou o PSD, visto que os estatutos assim obrigam, assumiu o cargo. Desempenhou muito bem a sua função. O Sócrates lá continua... sabe-se lá porquê... Porque será que um Presidente da República nunca demite um governo no seu 1º mandato, porque será? Será que é para ser eleito para um segundo? Já vi isto em qualquer lado....