quinta-feira, 17 de setembro de 2009

J.M.D.B.

Assinalar a eleição de Durão Barroso para um segundo mandato como Presidente da Comissão Europeia. É uma proeza extraordinária. Faz - me impressão nem todos os Telejornais, ontem, terem aberto com esta notícia.
Trata - se, sem dúvida, de um motivo de grande orgulho para Portugal.

15 comentários:

Anónimo disse...

Sem dúvida que deve ser um grande orgulho vermos um português ser reeleito para um cargo destes.Não se percebe como alguns deputados portugueses encontram razões para não votar nele.Parece que só por cedeira partidária, que afinal ainda é o que mais há na política portuguesa...
Há um grande défice sobre cada um poder pensar pela própria cabeça.Alinhamento e mais alinhamento partidário é o que se vê mais.

Manuel Carmo Meirelles disse...

De facto, causa alguma indignação o comportamento de uma certa imprensa que ignora factos importantíssimos de interesse nacional que acontecem muito poucas vezes na vida de uma Nação e dá guarida e destaque a pequenas notícias sem qualquer interesse. Esta imprensa obedece a desígnios que não se compreendem mas que são concerteza intencionais e tendenciosos.
A este propósito, deixo também aqui registado o que escrevi no meu blogue acerca do comportamento dos euro-deputados portugueses que votaram contra a eleição de Durão Barroso.

OS ANTI-PATRIOTAS RESSABIADOS

Ontem, dia 16.09.2009, foi um dia importante para Portugal e também para uma parte substancial dos portugueses que ficaram satisfeitos com a reeleição de José Manuel Durão Barroso no prestigiadíssimo cargo de Presidente da Comissão Europeia.

Nas últimas eleições europeias, foram eleitos 22 deputados para defenderem os interesses de Portugal e dos portugueses no Euro-Parlamento, 8 do PSD, 7 do PS, 3 do BE, 2 do PC e 2 do CDS.

Na votação para um novo mandato do Presidente da Comissão Europeia que por acaso é um ilustre português, os deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista votaram contra e Ana Gomes do Partido Socialista, absteve-se.

Como português patriota que vibra com o sucesso dos seus compatriotas além-fronteiras, não gostei do comportamento destes deputados europeus que desprestigiaram e não defenderam os interesses de Portugal.

Mas face a esta atitude, é legítimo perguntar a estes representantes portugueses no Parlamento Europeu: se não foram capazes de apoiar a eleição de um português para a presidência da Comissão Europeia, não acham que deviam ter um pouco de decoro e permitir que outros, mais democratas e mais patriotas, fossem ocupar esses lugares? O que é que estão lá a fazer?

Quem utiliza o combate político, o ressabiamento e a frustração para atacar e desprestigiar os interesses de Portugal, não é digno de ocupar um cargo em sua representação. Devia haver forma de demitir estes euro-deputados para que nunca mais voltassem a ter o desplante de colocar os seus ódios pessoais e as invejas políticas acima dos interesses de Portugal.

Este episódio enche-me de vergonha, pela votação e pelas declarações pouco abonatórias que esses deputados fizeram acerca da idoneidade e competência de Durão Barroso, qualidades que são reconhecidas e apreciadas por uma parte significativa dos 736 euro-deputados que o reelegeram com uma confortável maioria absoluta, atribuindo-lhe mais de 50% dos votos, não sendo por isso necessários os seis votos daqueles degenerados compatriotas que teriam ficado muito mais felizes se para o lugar de um português, tivesse sido eleito um qualquer outro deputado estrangeiro.

Há pessoas que não têm suficiente estatura política para desempenhar cargos de relevo ao serviço do País e estes deputados estão precisamente nessas circunstâncias e deviam ser impedidos de continuar a representar Portugal.

Miguel Portas, Marisa Matias, Rui Tavares, Ilda Figueiredo, João Ferreira e Ana Gomes, não estão no Parlamento Europeu a defender os interesses de Portugal e dos portugueses mas apenas a fazer figuras tristes, praticando uma política odienta e revanchista, ditada pelas suas ideologias e em consonância com a actuação dos Partidos a que pertencem.

Os portugueses nunca gostaram de Miguéis de Vasconcelos.

Artur Lopes disse...

A sua Classe politica perdeu toda da pouca credibilidade que tinha, ao longo destes anos de péssima governação do seu partido e o do outro senhor...

Deixe-se de falsas surpresas,pois o os niveis de abstenção falam aquilo que senhores como o sr Lopes nao querem que se saiba!

As pessoas de bem deste pais estao fartas da classe politica parasita que existe em Portugal!

miguel vaz serra....... disse...

Dr. Santana Lopes

http://www.sapo.pt/
"É hoje inaugurada em Cascais a Casa das Histórias Paula Rego. Gosta da pintura de Paula Rego?
Sim: 1204(29%)
Nem por isso: 1132(27%)
Não conheço: 1837(44%)"

É esta a cultura geral que Sócrates deixa ao País com a sua "genial" Ministra da Educação.
44% não sabe quem é a Pintora viva portuguesa mais famosa em todo o mundo....

Ricardo Araújo disse...

Boa tarde Dr. Pedro Santana Lopes é sem sombra de dúvidas um orgulho para Portugal voltar a ter como Presidente do Parlamento Europeu, J.M.D.B.
Só que muita da comunicação social e muito dos socialistas não lhes agradaram a ideia, preferiam ter um estrangeiro a frente do P.E.
Como o nosso País é pequeno em certo tipo de mentalidades.
É certo que se Durão Barroso não tivesse ido para a Europa, hoje Portugal devia estar bem melhor, pois foi com a sua saída e com todo aquele episódio que Sócrates chegou a P.M., para mal dos nossos pecados.
Um grande abraço, cordialmente.
Ricardo Araújo

didi disse...

coitadinho do mário soares... campanha em q se meta é campanha perdida...as coisas q ele disse do durão barroso...

Dylan disse...

Numa época de descrença, de desânimo, há que acreditar na capacidade de superação dos portugueses.

Atente-se no exemplo de personagens empreendedoras como Horta Osório, membro do conselho de administração do Banco de Inglaterra, Durão Barroso, a caminho do segundo mandato de presidente da Comissão Europeia, José Saramago, o primeiro escritor de língua portuguesa a ser galardoado com o Nobel da Literatura, e Siza Vieira, arquitecto de grande prestígio internacional.

Não é possível também esquecer todos os anónimos que lutam diariamente para ultrapassar os tormentos da vida: os desfavorecidos, os desempregados, o pequeno tecido empresarial, os estudantes, as mães solteiras e os reformados de baixas pensões. Como no passado, rasgando mares revoltosos e vencendo cabos que atemorizavam, levantemos o nosso orgulho português contra a adversidade e com a audácia que sempre nos distinguirá.

http://dylans.blogs.sapo.pt/

Anaquariana disse...

Durão Barroso lá vai a caminho de um segundo mandato como Presidente da Comissão Europeia, ou seja, fica tudo na mesma. Bem pode dizer que vai fazer isto e aquilo que todos sabemos bem que lá está, só para servir os interesses dos grandes da Europa e lacaio dos Senhores do Clube de Bilderberg. Pode ser português mas isso em nada altera o que penso. Ele só está lá porque é um pau mandado, não possui vontade própria, e porque gosta, MUITO!!! das mordomias e honrarias subjacentes ao cargo. É este o Presidente de uma Europa que teme o voto dos seus cidadãos em referendos e que nos impõe uma politica capitalista e neo-liberal.

miguel vaz serra....... disse...

Dr. Santana Lopes
Esta história dos serviços secretos que têm Portugal sobre escuta, parece aquelas histórias das mulheres mal tratadas que não vão á Polícia porque depois o marido é preso e elas ficam sem quem lhe dê uma boas bofetadas, mas passam a vida a queixar-se á família e vizinhas para todos terem muita pena delas. Eu não tenho.
Sócrates deveria ter sido demitido compulsivamente, com ou sem Presidência da UE, quando se descobriu o escandaloso caso do "não" Engenheiro e o Diploma com data de Domingo, ou seja, logo na primeira bofetada...Agora temos que levar com esta telenovela Venezuelana barata, até 27 de Setembro..Açores, Assessores, diz que disse, leis que vão, leis que voltam, agora os Jornais que publicam o que os outros não fizeram…e depois aquilo que não se pode fazer nada por causa das eleições. Antes era a UE. Depois foi a crise e o povo que se lixe.
Ora santa paciência...já chega de tanto disparate político!
Nada pior que não contar com a esperteza dos outros…

Franscisco disse...

Concordo com Artur Lopes. Durão Barroso ganhou? Ahahahah! Ele vendeu-se para ganhar votos, isso sim!
Mas ainda há alguém que, por um segundo, acredite que há políticos credíveis? Pessoas honestas que consiguem votos pelo seu trabalho e não por influências e jogadas políticas? Na Europa? Dentro da esfera dos Chefes de Estado Europeus?!!!
Santa ignorância!

Dina disse...

Caro Dr Pedro !
Sou portuguesa (muito embora começe a interrogar-me sériamente se isso será bom) e, como tal, tenho muito orgulho que um português tenha sido eleito para o exercicio deste cargo.
Por outro lado tenho muita pena , que tenha sido JMDB, que a meu ver não merece tal honra . Tenho até a certeza absoluta que dentro da mesmo berçario politico , outros portugueses haviam muito mais merecedores . Mas como não tiveram a coragem e o engenho de terem conseguido ser indicados pelo ex-presidente Bush, nunca chegariam lá. Desconfio mesmo, que mais nenhum portugues (por muito mérito que tenta) volte a pisar a mesma alcatifa. A ver vamos!!!

Helder Rôla disse...

Nós já estamos habituados a que pessoas ligadas ao PSD sejam desprezadas na praça pública...imagino se fosse um João Soares,um guterres ou um Vitorino...enfim,é a asfixia democratica no seu melhor...em toda a comunicação social...Força PSD

Anónimo disse...

Por todo o orgulho que sinto, decidi deixar aqui uma nota para si e para todos que procuram o melhor. Obrigado JMDB e PSL.

florbela silva disse...

Dr. Pedro Santana

Concordo inteiramente com a sua opinião, sem sombra de dúvida que neste momento os Mídia estão a condicionar a informação sobre a UE. E esta reeleição é um fortalecimento da governação á Direita, fortificando a vontade dos Estados Membros em fazer frente ao Bloco Leste.
É triste que em pleno Séc. XXI um governo não saiba admitir que foi derrotado pela vontade popular, e que use de todos os meios anti-democráticos para fazer prevalecer a sua razão.
Nunca tivemos um Líder lusitano com tanto poder e carisma como o Dr. José Manuel Durão Barroso ... só mesmo em Portugal em que não se consegue viver com isso ... Depois admirem-se dos reflexos à posteriori.

Tenho dito.
Flor

Anita disse...

Se eu fosse deputada europeia não votaria no Dr. Durão Barroso, assim como não votei nele nas legislativas em Portugal, nem votaria se fosse candidato à presidência da junta da minha freguesia. Contrariamente ao que se tem dito aqui, penso que coerência é isso.

"Como português patriota que vibra com o sucesso dos seus compatriotas além-fronteiras, não gostei do comportamento destes deputados europeus que desprestigiaram e não defenderam os interesses de Portugal.", diz o Sr. Manuel Carmo Meirelles.

Não concordo. Os deputados portugueses que lá estão foram eleitos pela população que concorda com a sua maneira de pensar. As pessoas que votaram nesses deputados provavelmente ficariam decepcionadas se estes aprovassem Durão Barroso.

Os deputados portugueses não estão lá para defender os interesses nacionais, mas o interesse geral de uma Europa Social, uma Europa onde as pessoas possam (e queiram) realmente pensar pela própria cabeça.

Ana Mateus