domingo, 8 de fevereiro de 2009

Vanity Fair







Cada vez melhor a Vanity Fair. No número deste mês, cada vez mais conseguida a qualidade gráfica, sempre ajudada por deslumbrantes páginas de publicidade. Na capa, a actriz cate Blanchett. Interessante o trabalho sobre George Bush e a sua equipa, apesar de eu não concordar com a perspectiva da análise que fazem. São fáceis as modas de dizer mal. Deixem passar o tempo.
O n

3 comentários:

indy disse...

Quanto às capas, a belíssima Cate é sem dúvida mais fotogénica que o mais recente residente da Casa Branca, mas o conteúdo da edição de Março entusiasmou-me ainda mais.
Esta apresenta dois conjuntos de ensaios fotográficos de Annie Leibovitz: "Enter Obama", para o qual foi necessária uma logística extraordinária para reunir e fotografar variadíssimas personalidades ligadas à eleição; e "Something Just Clicked" onde são apresentadas 10 parelhas fantásticas de realizador/actor (com a peculiaridade de uma ser composta por... uma pessoa!)
É interessante referir que até à página 40 (Março) aparece somente publicidade; mas as imagens são de tal modo cativantes que não nos enfastiamos até que chegue finalmente o texto de Graydon Carter na página 110.
Na Vanity Fair, por vezes, a publicidade confunde-se com o conteúdo editorial como é o caso do anúncio da TCM (Turner Classic Movies) "31 days of Oscar" ou do livro "Vanity Fair The Portraits" (livro composto por 300 fotografias, sendo uma delas de Amelia Earhart, heroína da aviação que me é especialmente querida).
Quanto à publicidade, pode também ser super-ultra provocante como é o caso de Jimmy Choo na pág. 163 - OUCH!!! ou até politicamente incorrecta (cigarros "Davidoff) ou inesperada (aspirador "dyson").
No artigo em que é referido o affair entre Joseph P. Kennedy e Marlene Dietrich, não pude deixar de sorrir ao ler esta frase proferida por Marlene quanto à possibilidade de escolha de parceiros sexuais: "Women are better, but you can't 'live' with a woman".
A Vanity Fair é uma revista que pode ser apreciada em dois actos; no primeiro deliciamo-nos somente com as imagens, e no segundo com os artigos, entrevistas, etc.

Relativamente a Bush e ao que o Pedro escreveu sobre "a perspectiva da análise que fazem", concordo plenamente mas... achei uma delícia o cartoon onde vários sapatos voam na direcção da figura masculina que vai a fugir com botas texanas!!! ;-)

P.S.- adoro pequenos pormenores, como é o caso da citação que aparece ao lado da fotografia de Obama na capa de Março:
"A leader is a dealer in hope."
- Napoléon Bonaparte

joyce disse...

Dr. Pedro Santana Lopes

Não puxe assunto sobre Obama, pois é um "Deus" na Nação mais poderosa do Mundo.
O mundo está de tal maneira anestesiado, que é crime falar sobre Obama: não se pode fazer criticas, nada de charges e muito menos questionar as nomeações infelizes que fez. Já são quatro indicados, tendo problemas com o fisco.
Tudo o que se escreva contra Obama, é logo apelidado de "racista".
Em pleno Sec. XXI, onde chegámos!!!
A fraude queniana, está se revelando...
E mais não digo!

V C disse...

Nao poderia estar mais de acordo com JOYCE.
A Obama-mania ja cheira mal...
Ja ouvi alguem chamar-lhe "the black Jesus"...
It's all "BS"... Time will tell...