domingo, 18 de janeiro de 2009

O Tempo e a Razão

Tanta razão que está a vir ao de cima, nas questões políticas levantadas em 2005. Hoje, foi mais uma: o casamento entre homossexuais posto na agenda política, ainda durante esta Legislatura.
Bem sei que propõem para aprovação na próxima...É mais um ano, menos um. Formalmente, José Sócrates até pode ter alguma razão: não é aprovado agora. Mas, politicamente, aí está a questão, "em cima da mesa", antes de acabar este mandato do Parlamento e do Governo (tal como avisei no debate, a dois, durante a campanha eleitoral) . Já foi o referendo do aborto, a nova Lei do divórcio, agora esta proposta. E a "Esquerda" ainda se queixa deste Primeiro-Ministro?
"Estava na cara", como tive ocasião de sustentar, há quatro anos: com a proximidade política que têm, se Zapatero aprovou essa medida, em Espanha, Sócrates iria tentar concretizá-la entre nós.
Para compensar as suas decisões, pouco ou nada socialistas, na política económica e, por vezes, nos apoios sociais, o actual Primeiro-Ministro vai aprovando mudanças legislativas no plano das opções éticas e das regras fundamentais da organização social.

34 comentários:

Diana disse...

E a civilização lá vai chegando, a conta-gotas e a contragosto de muita gente, a Portugal...

Anónimo disse...

Demonstrou uma grande coragem e honestidade, o Senhor Primeiro-ministro, ao apresentar, nesta altura, uma proposta tão fracturante para a sociedade Portuguesa.

Se por um lado vier a perder votos com esta estória, poderá ganha-los por outro.
Dependerá de como as pessoas interpretarem a sua sinceridade.

Em boa verdade, ele poderia simplesmente fazer aprovar a lei dos casamentos civis homossexuais, quando ganhasse a maioria absoluta, nas próximas eleições.

007

carlos disse...

Dr.Pedro Santana Lopes,bom dia.
2005 é um ano que deverá ser recordado por todos os que assistiram ao crime de lesa democracia,que foi a eleição do sr Sócrates.Já disse e já escrevi que o que se passou teve origem no actual PR que,conscientemente,descredibilizou o PSD abrindo,ou melhor,escancarando as portas do Poder ao que pior havia nessa altura.Para mim,sempre foi claro,que Jorge Sampaio nunca se atreveria a praticar o golpe se não soubesse que estava protegido e que o PSD ainda se rejubilaria com a derrota dos seus.Assim foi! Agora,começou a chegar a factura aos imbecis.Na altura que o senhor denunciou o que o PS preparava,já o País estava em recessão e Sócrates dizia que Portugal (devido às medidas que ele tinha tomado,é claro) tinha escapado ao que estava acontecendo no mundo.Como não resultou,ele foi obrigado a vir dizer uma meia verdade,pois a verdade está reservada para quem ganhar as eleições de 2009.Aníbal Cavaco Silva fica na História como o Presidente do País mais pobre e mais analfabeto de toda a União Europeia.Os portugueses têm de ser informados,com muita clareza,para as desgraças que estão para vir por via das erradas opções tomadas pelo Governo PS para humilhar,repito,humilhar os socialistas nas eleições previstas para este ano.Chegava o que aconteceu na Madeira.Outro assunto é o que li no Sol que o senhor estava a ponderar uma coligação com o CDS para Lisboa.Não tenho dados que me permita uma opinião fundada sobre este assunto,no entanto,de fora,penso que essa atitude poderá ser encarada como "deitar a mão" a Paulo Portas
que,se estiverem certas algumas opiniões,caminha,em bom passo,para a solidão política.
Confesso-lhe que gostava de o ver ganhar Lisboa,como já o fez,contra todos eles.É difícil,mas já o fez e por outro lado,pelo que Sócrates fez ao País...
Um abraço do
Carlos Monteiro de Sousa

Pêndulo Pensador disse...

É mais um momento "socrático" em que, José Sócrates arranja uma forma de enfeitar o embrulho com um laço de cores esquerdizantes à sua política. Um rebuçado à JS e para o BloKo! E, de certa maneira, um piropo a Manuel Alegre, também! Enfim, mais um dos momentos que estamos habituados a assistir. Mais uma das formas de desviar o verdadeiro debate político dos temas mais importantes do momento. A Crise Finaceira.

Silva disse...

Esta crise deveria nos ensinar alguma coisa, algo estará errado.
Na realidade temos vindo a afastarmo-nos dos valores universais e de uma sociedade mais justa e humanista. Não apreendemos nada com os "holocaustos" humanos e ambientais do século XX, e com a bandeira da globalização a sociedade erradamente tem vindo a permitir a divulgação de uma mensagem errónea sendo os políticos e os media o veículo de propagação deste vírus devido ao desespero e há falta de esperança.
Ao longo do século XX, as sociedades, têm vindo a confundir o sucesso com ganância, e a realização pessoal e exito profissional de uma forma egocentrica e unipessoal. Permita-me citar estas suas palavras, "Mas é fundamental ter a consciência de ue se trata sobretudo de tarefas colectivas. Que se repartem pelas empresas, pelos partidos, pelas famílias, pelas cidades. Todas consituem a nossa tarefa enquanto comunidade.", este pequeno paragrafo, destaca-se de tudo o que se viu e se leu neste fim de semana de Janeiro.
O desencantamento dos portugueses, não é diferente dos outros, o desencantamento geral deve ao facto da incompreensão e falta de sensibilidade no planeamento das prioridades da sociedade e ou da comunidade.

Luis Melo disse...

E assim vai Sócrates "enganando" os seus comparsas chegados á esquerda... e eles, tal como Alegre, anjinhos, caem na esparrela.

Lynce disse...

O que é que nós podemos fazer? temos que ter paciência para aturar só mais um pouquinho o "inginheiro"...Quem tem razão é o grande Alberto João, "este país é de loucos!"
Se o homem se preocupa-se tanto como a insegurança que por aí há, e da qual ele nem quer ouvir falar, como se preocupa com os casamentos gay`s, cá a rapaziada agradecia. Isso sim, seria a civilização a chegar.

Bruno Ferreira Costa disse...

Num ano marcado pela crise, José Sócrates demonstra nesta moção quais são as suas prioridades. O actual Primeiro-ministro não está preocupado com a crise, com o aumento do desemprego e a generalização da pobreza em Portugal. Muito menos se preocupa em garantir um desenvolvimento sustentável, sem onerar de forma quase criminosa as gerações vindouras.
Sócrates está preocupado em garantir nova maioria absoluta. Este piscar de olho para serenar as hostes de esquerda é um acto de desespero de Sócrates perante a evidente perda da maioria absoluta nas próximas eleições.

Em relação à sua candidatura à CM Lisboa é inegável a sua coragem e a sua força para abraçar este desafio. No devido tempo os lisboetas irão dar-lhe um voto de confiança para liderar a autarquia nos próximos 4 anos. Este voto de confiança advém não da apatia do actual Presidente, mas do reconhecimento do seu trabalho aquando da passagem pela Câmara.

Nuno disse...

"Hoje, mais que nunca, precisa-se do testemunho e do compromisso público de todos, para reafirmar a dignidade e o valor único e insubstituível da família fundada no casamento de um homem com uma mulher e aberto à vida.

"A família é a célula vital da sociedade, o primeiro e decisivo recurso para seu desenvolvimento, e tantas vezes o último amparo das pessoas às quais as estruturas estabelecidas não chegam a cobrir satisfatoriamente as suas necessidades.

"Por sua função essencial, a família tem direito a ser reconhecida em sua própria identidade e a não ser confundida com outras formas de convivência, assim como a poder contar com a devida proteção cultural, jurídica, económica, social, de saúde e, muito particularmente, com um apoio que, tendo em conta o número dos filhos e os recursos económicos disponíveis, seja suficiente para permitir a liberdade de educação."

Bento XVI

joyce disse...

Dr. Pedro Santana Lopes

Fora do contexto e aproveitando o título do seu post "O Tempo e a Razão", vou postar um vídeo e um texto bem significativo.
É que fiquei chocada, quando li que Portugal fechou o espaço aéreo aos EUA, caso enviassem armamento para Israel.
Mas aonde é que chegámos?
Qual outro país da União Europeia que também tomou tal decisão?
Portugal quer ser mais papista que o Papa?
Portugal não pertence á NATO?

Só vejo mesmo, uma justificação: é ser notícia internacionalmente, pois de outra forma é um país insignificante - NINGUÉM fala nele!
É mesmo um zero à esquerda!

Portugal ou está com Israel ou está com o Hamas, não dá para lavar as mãos.

E já agora, veja o vídeo que se divide em duas partes. A primeira, o massacre dos membros da Fatah que não conseguiram sair de Gaza e a segunda metade, a "iniciação" dos "guerreiros" do Hamas apenas com 12 anos, que são obrigados a decapitar pessoas amarradas.

Mas veja o vídeo e leia o texto:

http://bootlead.blogspot.com/2009/01/israel-uma-sentinela-avanada-da.html

Ricardo Baptista disse...

Sou completamente a favor dos casamentos homossexuais. Trata-se de uma evolução natural da sociedade.

Dá que pensar certas pessoas adoptarem uma postura tão conservadora, quando já recorreram ao divórcio, por exemplo.

Apesar de discordar em quase tudo o que o Sr Dr Pedro Santana Lopes escreve, dou-lhe o meu sincero apreço por manter este espaço de discussão aberta!

Anónimo disse...

«Demonstrou uma grande coragem e honestidade, o Senhor Primeiro-ministro«
E o que é que demonstrou, ao recusar liminarmente a proposta do BE com essa finalidade?
JB

maria-josé disse...

Um 'pacto civil de solidariedade' (como existe em França, chamado PACS)- e não o casamento - seria uma opção ...

Flor do Vale disse...

Caro Pedro, o comentário que fiz a este post tornou-se numa opinião demasiado extensa e por isso sugiro que a conheça no meu blog "Alerta Laranja". Convido-o também a passar pelo "Flor do Vale". Ambos os links disponíveis no meu perfil.

Anónimo disse...

Bem... temos aqui de facto duas questões paralelas: por um lado o casamento entre pessoas do mesmo sexo(que é perfeitamente legítimo porque quem somos nós para legislar se duas pessoas que se amam se devem ou não casar?!)e por outro o savoir faire de sócrates que, ao ter perdido os profeesores tenta ganhar os homossexuais...
Salvador Lacerda

Nuno disse...

O Sr. Engenheiro Sócrates apresentou a sua moção aonde vêm trazer propostas que no decorrer desta legislatura foram levadas ao parlamento. Lembro-me que o BE e o PC trouxeram um projecto-lei sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo e perante tal o PS chumbou. O PSD e o CDS-PP têm insistido na necessidade de baixar impostos precisamente para a classe média... e o PS novamente não viabilizou as mesmas. Agora tudo isto consta da moção para as proximas legislativas. Quanto a isso revela uma enorme hipocrísia já que quando os outros propõem o PS chumba e depois passado algum tempo recupera essas mesmas propostas como suas.Este estilo político do PS apenas demonstra o puro oportunismo e no meu ponto de vista apenas descredibiliza o parlamento e a própria democracia. Hoje é claro que o Engenheiro Sócrates é um homem sem ideias... sem um projecto para o país.

Anónimo disse...

Pois agora o PM como não tem mais nada que fazer face ao Pantano 2 que nos arranjou, repesca as propostas da oposição dos últimos anos e faz delas suas bandeiras.

Mais um assunto sem o mínimo interesse face ao que o país vive.
Um país em que os casados até são menos beneficiados fiscalmente que os outros. Esta proposta não tem nada de fracturante sequer, é só demagogia e aleivosia.

Estes assuntos não valem de nada em sociedades como a nossa em que os velhos são mal tratados e as famílias da classe média que têm filhos, essas sim corajosas são objecto de políticas anti família.
Fracturante é dar tudo aos ricos e deixar os desprotegidos sem nada.
Ontem o PM falou de 1000 milhões de euros que já foram gastos nas ultimas pseudo-medidas que tomou em prol dos mais desfavorecidos. Por acaso é a mesma verba que deu aos "benfeitores" do BPN.
O país é uma anedota e o PM não tarda a ter a sua bye.bye.party quando se perceber a extensão da sua incompetência. Em três anos destruiu a frágil economia portuguesa e reeditou o pantanal guterriano, só que como é teimoso insiste em ficar e julga que vai a algum lado. Foi de facto o "coveiro" da pátria nestes 3 anos. A expressão pode não ser bonita ou impressionar os que julgam que não vão morrer um dia, mas é a verdade.

Ernesto Sousa

Ricardo Araújo disse...

Boa tarde Dr. Pedro Santana Lopes pode ter razão no que diz, mas os Portugueses nas próximas eleições não se vão lembrar do que foi dito em 2005, pois é bom lembrar que somos um povo de curta memória.

Segundo as sondagens o PS, se vencer não vai conseguir a maioria absoluta, então o Eng. Sócrates nestes meses que antecedem as eleições vai prometer tudo o que pode e o que não pode de maneira a conseguir essa maioria, pois já constatamos que ele não sabe governar sem maioria.

Como a maior parte dos eleitores vota sempre no mesmo partido, excepto uma pequena franja que flutua da direita para a esquerda e vice-versa, ele tenta a todo o custo com medidas cirúrgicas, como o casamento entre homossexuais e outras que ele irá legislar até as eleições, conquistar pequenas franjas de eleitores, pois essas pequenas franjas poderão levá-lo a vitória.

É necessário travar esta onda de ofertas que se farão a partir de agora e até as eleições, bem como é necessário e isso eu já venho a dizer a muito, conquistar os jovens, pois são eles o futuro deste País, bem como são eles que se auto excluíram da politica, porque não concordam com os políticos bem como não concordam com as politicas implementadas.

Por isso acho que V. Exa. ainda tem uma palavra a dizer, uma vez que está na corrida para umas eleições e que só as conseguirá vencer se conseguir congregar a juventude ao seu programa eleitoral, pois como se constata a abstenção tem vindo a ganhar terreno e grande parte dessa abstenção é juventude.

Um grande abraço, cordialmente.
Ricardo Araújo.

Jorge Dinis disse...

Diz o Dr. Victor Constâncio: as condições económicas degradaram-se em duas semanas.

Dá para acreditarneste senhor (com letra pequena?). Vale tudo para manter as suas mordomias (mais as da sua mulher) para segurar um governo (também com letra pequena) do PS, que aré o Dr (com letra grande) João Cravinha diz... (que no fundo: ABOMINA).

Aquele senhor ajudou a "marcar" VOSSA EAXCELÊNCIA!!! E agora tem a lata de dizer isto, PARA JUSTIFICAR TODOS (mas todos) OS FALHANÇOS DESTE MISERÁVEL GOVERNO?

Haja paciência!!!!

nós por cá... disse...

Dr.Pedro Miguel
O tempo faz muita coisa....até esquecer todas as promessas do actual PM que agora...faz outra vez e precisamente as mesmas,mesmíssimas que nunca cumpriu..Baixar impostos,diz...Ajudar a classe média...Lata há realmente muita nas fábricas de conservas que têm fechado por este País fora nos últimos 3 anos e pico...
Tristemente chegamos a uma conclusão...é que enquanto nos USA,hoje dia 20 de Janeiro de 2009,ficou provado que o povo Americano afinal não é assim tão estúpido, e mais importante ainda e para sempre..ficou provado que não é por ser-se negro que não se chega a Presidente do País.Isso NUNCA mais vão poder dizer/acusar os americanos,mais sabendo que o voto negro não passa dos 11% de eleitorado,em Portugal pode-se ser tudo,mas tudo mesmo..Dizer tudo,fazer tudo o que nos lembremos ou nos saia da real gana que NINGUÊM DEMITE,NINGUÊM É ACUSADO,NIGUÊM É MINIMAMENTE POSTO EM CAUSA PELOS MÉDIA,NINGUÊM MUITO MENOS VAI A TRIBUNAL POR MENTIRA POLÍTICA E DESCARADA,NINGUÊM VÊ A JUSTIÇA PAIRAR SOBRE AS CABEÇAS MESMO ROUBANDO O ESTADO EM BILIÕES DE EUROS EM FRAUDE E CORRUPÇÃO..Nós por cá..somos os intocáveis da Política Mundial...não são os Americanos afinal...somos nós..os Portugas...somos os "maiores"...."ele" há mãos tão sujas como as águas dos canais de Veneza............

Silva disse...

"O Tempo e a Razão", nestes tempos atribulados em que procuramos a razão, vale a pena reler as palavras da investidura do 44º Presidente dos E.U.A. Barack Obama.

"...What is demanded then is a return to these truths. What is required of us now is a new era of responsibility -- a recognition, on the part of every American, that we have duties to ourselves, our nation and the world, duties that we do not grudgingly accept but rather seize gladly, firm in the knowledge that there is nothing so satisfying to the spirit, so defining of our character than giving our all to a difficult task.
This is the price and the promise of citizenship..."*

Estou convencido que este "dever" (we have duties to ourselves, our nation) de que Obama menciona, estes principios de dever, foi mencionado num seu discurso no passado, infelizmente esta chamada de responsabilidade a cada um e a todos é demonstrativa da necessidade de se restabelecer os valores e esperança, uma tarefa que não compete a um político mas sim a todos nós.
Não deixa de ser curioso a semelhança das suas palavras no semanário Sol do passado fim de semana, "Mas é fundamental ter a consciência de que se trata sobretudo de tarefas colectivas. Que se repartem pelas empresas, pelos partidos, pelas famílias, pelas cidades. Todas constituem a nossa tarefa enquanto comunidade."

Bem Haja!

*Tradução: O que nos é exigido agora é uma nova era de responsabilidade - um reconhecimento, da parte de cada americano, de que temos deveres para connosco, com a nossa nação, e com o mundo, deveres que aceitamos com satisfação e que abraçamos com vontade, firmes no conhecimento de que nada satisfaz mais o espírito, nem define o nosso carácter, do que entregarmo-nos todos a uma tarefa difícil.
Este é o preço e a promessa da cidadania.

António disse...

As eleições legislativas aproximam-se e sente-se no ar a impossíbilidade do PSD derrotar o PS. E o pior é que a descrença não pode ser razoável e racionalmente ultrapassada enquanto esta medíocre direcção do partido se mantiver em funções. O governo PS é medíocre, mas infelizmente a direcção do actual PSD não é melhor.

Mia Couto escreveu o já famoso artigo onde tenta demonstrar que Obama não teria a mínima hipótese de aceder ao poder se estivesse no contexto africano. Duvido que o conseguisse de igual modo em Portugal, dados os antecedentes que passo a expôr.

Durante anos vi o «enfant terrible» do PSD, Santana Lopes, ser apontado por muitos como a lídima esperança de um PSD moderno, de um Portugal renovado. O seu brilhantismo era reconhecido dentro e fora do partido. Apontavam-se-lhe trunfos significativos e repetidamente sublinhados: a intuição fulminante, a inteligência acutilante, o lapidar da formação ideológico-política adquirida ao lado de Sá Carneiro; e tudo isto imbricado numa personalidade tónica, original, assistémica. Santana Lopes era indissociável da apoteose dos congressos do PSD, daquela mais-valia que fazia a diferença entre tanta postura submissa, de «yes-men» que não hesitaram em usar o partido e as portas abertas por este como trampolins dos seus muito pessoais interesses. Trampolineiros, pois.

E Santana Lopes? Apesar de continuadamente ser substantivado como prodígio político e reserva de excelência política do partido, muitos desses mesmos que assim o apodavam na comunicação social, não hesitaram um único segundo em aproveitar a onda que sobre ele se abateu após O Primeiro-Ministro Santana Lopes ter ousado mostrar vontade de modificar o «status quo» de «intocáveis» relações, personalidades, vícios e outros atropelos da nossa medíocre sociedade dirigida emanipulada por uma certa élite «bem pensante». Na vez de serem a muralha protectora daquele que os representava no poder, foram estes antigos vendedores de palmas e elogios os abutres e bufões do escárnio em praça pública, juntando-se à matilha que não perdoaram a Santana Lopes a ousadia de querer um Portugal diferente, mais arejado, mais transparente, mais justo, respirável. Apesar desse momento, o declínio que vinha já desde o «árido eucaliptal cavaquiano» acentuou-se. O ambiente de guerrilha instalou-se no partido. Os grupúsculos, cliques e claques impoem-se ao interesse maior do colectivo. A tecnocracia tomou o lugar da política, e vários técnicos de contas e similares fingem-se agora políticos no PSD. O PSD não morreu, mas hiberna, e limita-se a sobreviver na vez de suceder motor de vida. Na actual «vanguarda» do partido, tais técnicos de contas, juristas-pagens, arrivistas de sempre, simulacros de filósofos e analistas da causa própria, brincam aos políticos desde Alter do Chão, da sede do PSD, dos Passos Perdidos, dos estúdios da TV.

Santana, o eterno Obama do PSD, é cuidadosamente colocado numa prateleira em que não incomode, já que dado o seu inequívovo peso político que as últimas eleições internas evidenciaram, não pode ser descartado como o cadáver político que antecipavam. Foi trucidado mas resistiu e tratou dos ferimentos para regressar visivelmente mais forte, mas modificado. É notório que a canalhice que lhe foi feita deixou marcas. Santana Lopes aparece agora mais defensivo (pudera...), mais retraído, mais atento às suas costas. Terá assimilado a pesadas custas próprias que é pelas costas que surgem os inimigos mais perigosos, internos, simulados de apoiantes, de camaradas de combate, de amigos...

Santana tornou-se, dentro do pior PSD, o tabú. Aquele a quem os medíocres despojados da centelha de génio político, não podem permitir espaço suficiente por saberem que naturalmente serão submergidos pelo talento natural daquele que invejam e não podem sequer imitar. Santana é (ainda que disso possa duvidar...) o Obama aprisionado e manietado num horizonte de poder partidário formatado pela mesquinhez de quem não suporta o talento natural, a aptidão inata, o outro como evolução, como melhor.

carlos disse...

Dr.Pedro Santana Lopes,boa noite.
Espero que me perdoe,não estar dirigindo-me a si (neste blog é meu anfitrião) mas ao Ricardo Baptista.Isto porque,o cavalheiro confunde casamento com divórcio e confunde sabedoria com honradez.Diz esta criatura que o casamento entre seres do mesmo sexo é uma "evolução natural" o que permite,desde já,considerar que este ser não sabe o que significa O casamento,as suas obrigações e os seus compromissos mais sagrados:os filhos nascidos desse Amor que levou ao desejo de ser abençoado por Deus e pelos Homens.Entre seres do mesmo sexo,Deus não poderá abençoar o que é contrário à doutrina que ofereceu a TODOS OS SERES VIVOS:crescei e multiplicai-vos!E os Homens,também,não podem abençoar a negação da sua própria existência.Portanto "evolução natural" da espécie vivente é combater com todos os recursos disponíveis todos aqueles que não querem a evolução natural.É evidente que não tenho conhecimentos nem aptidão para julgar os desvios dos seres humanos sejam eles do foro sexual,sejam do foro mental,apenas sei e sei muito bem que estou de acordo com o Cardeal de Lisboa:ponham-lhe outro nome,casamento NÃO.Se mais não fosse porque sou casado e desse casamento resultaram filhos e desses filhos resultaram netos.Com respeito ao divórcio só é possível quando um casamento (e não uma união qualquer) se desfaz e atente,meu caro,é a sociedade que julga da justeza do rompimento.
Quanto a discordar do que o Dr.Santana Lopes escreve,não me custa a acreditar que é verdade!Para compreender o Dr.Santana Lopes é importante e preciso ter-se uma ideia de justiça,de imparcialidade,ter-se uma convicção muito forte e muito firme do que é bem-estar,do que é amor verdadeiro e de qual o futuro que deve ser esperado por quem trabalha e por quem quer bem ao seu País que,penso,no seu caso,deve ser Portugal.
Dr.Santana Lopes apresento-lhe as minhas desculpas e envio-lhe um grande abraço.
Carlos Monteiro de Sousa

Adão Mascarenhas disse...

Boa tarde.

Uma vez mais o tempo deu-vos razão.

E que triste figura fazem os oráculos oficiais (alguns afectos ao PPD/PSD), ao tentarem ignorar, dsviando-se a todo o vapor, a verificação e constatção da vossa previsão política. Do contorcionismo ao desdém parece valer de tudo. E os supostos responsáveis da Comunicação Social a fechar os olhos e a colaborarem pelos menos passivamente, com tamanha imposturice.

E assim, lá ides vós amealhando razão, sem que, surrealisticamente (!), numa época dita de racionalidade se tirem consequências disso mesmo.

Fazem-vos em vida como aos filósofos, pensadores e poetas pretéritos: permitem-vos a razão e pouco mais, como se esta fosse coisa de somenos importância.

Nesta política rasteira parece, agora mais que nunca, vigorar o anti-valor. O anti-valor da vida, da verdade, da «boa ordem» que até na Matemática é requerida como pilar fundamental.

Mariluz Maia disse...

Viva, Dr. Santana Lopes.

Entendamo-nos:

O tempo deu-lhe razão a si mas não ao PSD, onde ultimamente ouço de tudo: a coisa, o seu contrário, e até os meios-caminhos entre tais extremos.

Um partido que outrora foi uma voz credível, no poder ou na oposição, comporta-se agora como um atirador furtivo. E atirando a tudo o que mexe, sem verdadeiramente acertar no que importa. Assim não.

Deploro este governo, mas não posso votar em semelhantes alternativas.

Votarei em si, por Lisboa, e não no PSD. E espero que, por Portugal, possa novamente votar em si, mas não no PSD que se tornou apenas em mais um partido que actualmente envergonharia qualquer um dos seus fundadores, sobretudo os mais lúcidos e desligados dos interesses que tanto corrompem o carácter.

Sebastião Lamares disse...

Boa tarde, dr. Santana Lopes.

Veja lá no que se mete ao entitular dessa forma a sua mensagem. Sabe bem que só ao figurão da Marmeleira é permitido ter razão antes, durante e depois do tempo em causa. Felizmente que o senhor não confunde o TER razão com o PARECER ter razão, como sucede tão flagrantemente com o bilbiotecário da Marmeleira.

O que me surpreende é o PSD andar a dormir e não marcar minimamente Sócrates, que se mexe como atacante liberto da lei de fora de jogo. E quando o PSD reclama algo é quase sempre a despropósito ou de modo ineficaz. O que é que se passa verdadeiramente com este PSD?! Isto é para continuar? como é possível, na actual conjuntura política, o principal partido da oposição registar uma sondagem de intenção de voto de 23%?! Se foram severamente criticados os 28%alcançados por vós nas condições muito adversas e por mais conhecidas, o que dizer agora? Será que o PSD já não se importa com a razão, prefigurando-se para desejar ser imitação do PS? E continuar-se-á em queda até o PCP e BE somarem mais votos que o PSD?! Esta comissão política é só mesmo incompetente ou está a soldo do quê e de quem?!

Será que os anteriores dirigentes do PSD nada têm a dizer do actual descalabro do partido?

António disse...

Boa tarde.

Caro Carlos Monteiro de Sousa, não meta Deus nisto.

Deus é optativo e não centro de qualquer geometria social.

Sabemos bem o quanto as geometrias sociais vigentes são enviesadas pela longa imposição dessa variável optativa que é Deus. Não queiramos colocar grilhões reais por percebermos que os grilhões virtuais se vão enfraquecendo.

Remetermo-nos para a objectivação da associação entre indíviduos (sobretudo na esfera da sua intimidade familiar, amorosa), justificada e limitada a priori por uma necessidade funcional, é redutor, e procedimento truncado da efectiva realidade que é possível e legítima de explorar ao Homem.

Que o casamento religioso se confine aos grupos de crentes, é para mim uma evidência. Caso contrário temos contradições irredutíveis, aliás bem visíveis na praxis que são os ditos casamentos religiosos entre crentes e não-crentes.

Agora que a configuração civil de associação familiar tenha que permanecer refém da imposição e canône da imutabilidade transportada do passado por via mágico-religiosa, isso é de todo intolerável. A parte não pode sobrepor-se e pretender formatar o complementar. Já o fez, abusiva e cruelmente, durante demasiado tempo.

Ao Homem, só o Homem pode ser medida. O resto são votos de intenções, com maior ou menor concentração desse poderoso veneno que é a moralina...

Betâmio de Almeida disse...

Caro Dr. Pedro, já conhece as sondagens por certo, mas ainda assim...

"António Costa à frente na corrida à Câmara de Lisboa...

O candidato do Partido Socialista à Câmara de Lisboa, António Costa, está à frente na corrida, reunindo 38,2% das intenções de voto, de acordo com os dados revelados hoje pela Sondagem da Aximage para o Negócios. Santana Lopes surge em segundo lugar com 19,8% dos votos."

Ora bem, este é o tipo de sondagens de que o meu Caro Amigo gosta... Começar bem atrás para acabar lá na frente... Mas estes tipos não aprendem? O João Soares podia dar-lhes uma aula de história eleitoral recente... Se calhar são demasiado arrogantes para aprenderem com os erros passados... Ainda bem.

Lynce disse...

Meu caro Dr. Santana Lopes, quero pedir-lhe públicamente desculpas pelo comentário que deixei no seu blogue do Sol: "Equinócios e Solstícios". Mas aquela senhora de nome "Teresa" estava mesmo a pedi-las. Há falta de argumentos válidos, escreve uma série de barbaridades e mentiras capaz de tirar do sério a pessoa mais calma do mundo.

humano disse...

Sr Dr. porque é que vocês políticos são sempre os mesmos?

Para quando sangue novo na política?
Para quando Humanismo personalista?
Para quando um novo Sá Carneiro?
Para quando brio e noção de Estado?
Porquê Bilderberg?

Afonso Henriques disse...

Caro Dr. Pedro Santana Lopes,
Deixo uma palavra de apreço pelo seu absoluto silêncio no que respeita à polémica que envolve o Sr. Primeiro Ministro; sem as inibições e obrigações que na maioria das vezes condicionam a actuação dos líderes dos partidos, e dispondo de um espaço de partilha de opiniões, como é este blog, saúdo o seu respeito pelas pessoas e pelas instituições, ainda que nem sempre tenha tido direito ao mesmo tratamento. É o tempo, é a razão, e são as diferenças. Bem haja.

nós por cá.... disse...

Dr.Pedro Miguel
A memória do Sócrates português é caso de estudo.Nunca se lembra de nada,mas nós por cá mesmo comendo muito queijo não a perdemos.Não se lembra de ter feito um curso de técnico mas nós sim;não se lembra de conhecer o professor que afinal lhe deu tantas aulas e disciplinas e que afinal não só é amigo do Pai dele e da família mas também sócio,mas nós sim;não se lembra de ter feito um exame de inglês por fax usando o mesmo do ministério do Ambiente,mas os documentos e nós sim;não se lembra de o seu diploma de técnico ser passado com data de um Domingo,mas o diploma e nós,sim;não se lembra de ter assinado projectos aos amigos para eles poderem aprová-los na Câmara da Covilhã,mas nós sim;não se lembra de ter prometido aos portugueses em troca de uma maioria absoluta a descida de impostos, criação de 150.000 postos de trabalho entre as muitas coisas prometidas,e depois subiu, e não foi pouco, os mesmos e postos de trabalho perderam-se uns milhares,mas nós sim;não se lembra de ter garantido aos portugueses que iria sempre respeitar as instituições e depois passou um atestado de estupidez ao PR com a alteração do estatuto dos Açores em que num golpe da AR retira poderes ao mesmo e á própria,mas nós sim;não se lembra de ter pedido ao seu ministro da economia para fazer uma campanha de turismo português para dentro,ou seja pedir-nos para não sair do País nas nossas férias e aproveitar e conhecer a fundo o nosso País,algo até com lógica para a não fuga de capital,mas ele próprio esqueceu-se e foi com uma boa amiga para Itália,mas nós sim lembramos;não se lembra de ter a haver com este caso Freeport e afinal estava numa reunião,não se lembrava de ter estado na reunião mas afinal estava,não se lembra de o tio lhe ter telefonado para receber os ingleses,mas afinal recebeu,falou e reuniu,o PM tem pouca memória,mas nós não,lembra-se sim e sempre da famosa teoria da cabala contra ele e o seu partido que vem já de longe....Assim,nós por cá chegamos a uma conclusão que envolve vários pontos: Quando o PPD-psd e CDS-pp estão no poder e perdem as eleições ou no pior dos casos,sofrem "golpes" palacianos,é porque são incompetentes...Quando o PS perde é pelo complot,a cabala que se faz contra eles,até a Justiça segundo o PM só fala no nome manchado dele á porta das eleições.Não se lembrou o PM que em nenhum País do mundo um chefe de executivo anda a dizer que sim e mais que não nos média sobre um assunto que a ele e segundo ele nada diz respeito?Pois nós por cá explicamos melhor.Ou se cala e espera que a justiça lhe limpe o nome TÃO sujo neste momento ou demite e enfrenta o caso na praça pública então,como um comum cidadão.Má memória?Tratasse.Nós por cá temos MUITO boa memória....e se bem nos lembramos de outros casos parecidos...o fim de Sócrates que não o do PS,chegou...

Anónimo disse...

Olá! Dr. Pedro

Pois é! Mas quando é que ele falou verdade ou cumpriu o que prometeu em campanha?
Porque é que o devia fazer agora?
Eu bem disse que o aguardo com a minha "Pá" "aquela com que acabei com sete de cada vez"

Aguardo

A Padeira
BAM

RMCM disse...

A liberalização do Aborto foi a maior "machadada" que poderia ser dada nos valores morais da nossa sociedade... Mas pergunto, se o fundamento reside na triste afirmação "A mulher deve ser livre de fazer o que quer com o seu corpo", então porque ninguém traz à agenda Política a liberalização da Prostituição? Considero bem mais importante, e aí sim, estou de acordo, só se prostitui quem quer! Um Feto é um ser Humano, o coração bate, por isso há VIDA! A nossa liberdade termina onde começa a liberdade dos outros.