terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Bom seria...

Como não explicitei aqui no blogue e só o fiz, logo no Domingo, na imprensa, em resposta a uma jornalista do Correio da Manhã, quero sublinhar que a polémica por causa das palavras do comentador não resulta de qualquer necessidade de responder por falta injustificada da minha parte. Aliás, por mim, escusam de pedir o nome, porque, logo nesse dia, assumi publicamente o que se tinha passado. Se tivesse faltado, sem motivo, e isso acarretasse consequências, alguma atitude teria, a primeira das quais, pedir desculpa. Mas é público que estive numa sessão oficial do Partido, na véspera, dia 4 de Dezembro, à noite, como orador convidado numa sessão evocativa de Francisco Sá Carneiro. Até depois da meia-noite. Por isso, eu e outros Deputados - que também lá estiveram - avisámos que não poderíamos estar na manhã de sexta. Regressei a Lisboa e ao meu escritório depois de almoço. Não fui de fim - de semana prolongado. Ora, como o aviso de votação nominal só pôde seguir às 11.24hs., sendo a votação às 12hs., era impossível reorganizar a agenda e estar a tempo. Ainda para mais, estou em todas as votações, e só faltei quando estive mesmo impossibilitado de ir. Quase nunca viajo, pelo que tenho conseguido estar em todas as votações, seja quando fui líder parlamentar, ou não. Sou Deputado, sendo ex- Presidente do Partido, e nunca "me caíram os parentes na lama" por isso. Desculpem a presunção, mas bom seria que todos tivessem a mesma humildade.
P.S.- Como há, naturalmente, quem não o saiba, e tenha perguntado, esclarece-se que a referida sessão evocativa teve lugar no Porto.

41 comentários:

A Tasca do Tijoão disse...

Boa tarde Dr. Não era necessário essa explicação! Bastava a quem tem duvidas, consultar o site da assembleia! Não estamos no tempo das " Novas oportunidades" ? Ou o "Magalhães" só serve para ver os saldos nas Caimão?

Timóteo Lacerda de Albuquerque disse...

Mas será que todos os faltosos têm a justificação antecipada?!...

É que o que preocupa, para lá do horizonte de reacções populistas, são as justificações surgidas a posteriori, por construção conveniente.

Ainda hoje os jornais insistem que a incidência de faltas à 6ª feira é significativamente ampliada comparativamente aos outros dias da semana parlamentar. E se tal até pode ser razoável na óptica de maximizar e rentabilizar trabalho político de fim de semana, ao olhar popular tal prática resulta muito mais suspeita.

josé carlos soares .˙. disse...

Concordo em pleno mas infelizmente o PSD tem perdido a "espinha direita" que me fez entrar para militante há mais de 25 anos e me fez ontem pedir a desfiliação. Enquanto o PSD permitir a entrada de gente sem dignidade e que apenas procuram "tacho" não irá longe. Desejo-lhe sorte na "batalha" por Lisboa.

Paulo disse...

Doutor Santana Lopes... De á 5 anos para cá, sou eu militante do PSD, tendo sido nessa altura influenciado por uma politica clara e forte do Dr. Durão Barroso. Lutei como poucos no concelho de Santa Maria da Feira pelo meu partido, a sede era mais casa do que a que realmente eu vivo. É triste e repugnante que passados estes anos, vejo um PSD sem identidade, sem carácter, sem confiança. E culpa em parte tem o senhor. Não por ter sido primeiro- ministro, não por ter sido presidente de câmara, não por ter sido presidente do partido, mas sim por fazer parte do "grupinho" que normalmente falta as sessões no parlamento. Como pode uma pessoa que lutou pela presidência do partido e que luta, faltar ao seu trabalho, e ao compromisso para qual os portugueses o elegeram? Discordo mais ainda, por ter tido uma resposta ao Prof. Marcelo, que vai contra aquilo que todo o país (excepto os faltosos) pensam. Os meus pais trabalham de domingo a domingo, não têm fins-de-semana, não têm feriados para que ao fim do ano, possam "dar" metade do que ganham ao governo e pagar aos empregados, e tirar um pouco desse para eles. LEvantam-se as 4 da manha para trabalhar até ás 21 horas. E depois vêm essa gente que lhes leva o dinheiro, que não têm trabalhos esforçados a faltar ao trabalho deles. Ja fui patriota, defendi o meu país como poucos, mas cada vez mais revolta-me ver as pessoas que temos sentadas nessas cadeiras e das quais nem uma se digna a lá estar. Mas suponho que quem queira ser sério, e fazer algo, nunca há-de conseguir estar nesses lugares.

Com os melhores cumprimentos

P.S.

P.S.- Caso queira alguma vez vir mostrar a alguém como se trabalha, ou até mesmo tiver curiosidade, convido-o a vir ao local de trabalho dos meus pais em Santa Maria da Feira e ver o quanto os portugueses lutam, para poder ter um pouco de pão ao fim do dia)

Afonso Henriques disse...

Caro Dr. Pedro Santana Lopes,
Parece que também já concordam consigo na questão dos círculos uninominais.
Como disse Helen Keller, "é possível realizar tudo o que queremos, se persistirmos bastante", e a sua persistência parece incomodar muita gente.

José Carlos Palma disse...

Caro Dr.Santana Lopes
Quando se encara a política para servir o próximo como é o seu caso, tudo serve e você sabe! para o atingir. Realmente a memória de Sá Carneiro anda arredada da nossa Social Democracia. Os nossos adversários estão lá fora. Portugal precisa de um partido forte e coeso. Estas questões só nos descreditam perante a opinão pública, e alimenta os nossos adversários. Por isso "Bom Seria" ter soluções válidas para o país que eu acredito que temos.

Cumprimentos
José Carlos Palma

Anónimo disse...

É de lamentar que não o tratem com o respeito que mereçe qualquer ex-Primeiro Ministro...ex secretário de Estado... e tantos cargos de ENORME RESPONSABILIDADE que tem exercido com tanto RESPEITO e DEDICAÇÃO. apetece-me dizer..."cambada" de inúteis... Não desista por favor da sua "cruzada". Tem muito boa gente que acredita em si.
abraço
Miguel Cardoso

Anónimo disse...

Desta vez dou-lhe toda a razão. Esta história das faltas dos deputados do PSD é ridícula, pois essas faltas e outas só ao Presidente da Assembleia, ao Regimento da mesma e aos seus deputados diz respeito.E também é ridículo dar tanto destaque à votação da recomendação do CDS, pois, mesmo que ela fosse aprovada, o Governo nunca seria obigado a segui-la, por setratar exactamente de uma simples ecomendação.

Lynce disse...

Perfeitamente justificável e compreensível. Mas e os outros?
Até quando os portugueses suportarão este estado de coisas e este desrespeito e irresponsabilidade dos deputados pelas suas obrigações? Até quando assistiremos a uma líder que chama a atenção dos deputados do PSD por terem viabilizado a aprovação de uma proposta do governo com as suas próprias faltas, porque deixaram de cumprir a sua obrigação que é de permanecer na Assembleia até que esta encerre os trabalhos?
O episódio é lastimável, mas mais lastimável ainda é o líder do grupo parlamentar não assumir responsabilidades.
Assim não vamos lá.

carlos disse...

Dr.Santana Lopes,bom dia.
Fez o senhor muito bem dar essa explicação no blog.O facto do senhor ser o orador na homenagem a Sá Carneiro foi conhecido com dias de antecedência através dos jornais.É evidente que a falta estaria mais que justificada noutro deputado,mas como o senhor não é nem nunca foi outro deputado,
aí está o barulho àcerca das faltas dos trinta deputados a uma votação que não alterava,no substancial,a política que a ministra entende como boa para a Educação.A leitura que faço sobre este assunto é que,até,pode ser favorável ao PSD.Não quero ser cínico mas não posso entender que o Paulo Rangel não tivesse chamado à atenção dos Deputados para a importância da votação se ela fosse DE FACTO importante.
O que aqui se passa é que o senhor não esteve presente e,portanto,é indispensável que o senhor seja apresentado como não tendo responsabilidades.Essa é a mensagem de quem já não disfarça a doentia obsessão de lhe fazer mal.
No seu Governo,houve uma tentativa para encobrir o ridículo a que MRS
se exponha falando mal do seu próprio Partido que governava.Isso foi entendido que o Governo queria calar o comentador.
Estamos na mesma agora:o senhor prepara-se para se candidatar à mais importante Câmara do País e o comentador(?) comunica que o candidato do seu(?)Partido é um irresponsável.O amigo Pacheco já o tinha afirmado em directo e na presença do outro candidato do PS.
Em minha opinião,acho que chegou à altura duma intervenção da Presidente do Partido mas,coitada da senhora,ela meteu o "pé na poça"
quando deixou passar para a comunicação social que tinha chamado "o menino" do Grupo Parlamentar para lhe dar uns tau-
taus devido a mau comportamento.
Ora,assim o senhor ainda é o único
que está a remar contra a maré e não vejo ninguém a ajudá-lo.
Será que a "tia" Manuela,o comentador Marcelo,o intelectual Pacheco,o financeiro Borges,o reserva moral Veiga,não repararam que há militantes neste agrupamento cívico que se sentem traídos?Será que essa gente pensa que tem o direito de esquecer a grande massa de cidadãos que são militantes do PPD/PSD?
Aproveitando o título do seu post que bom seria se essa gente se fosse embora.
Um abraço do
carlos monteiro de sousa

Raper disse...

Considero o Dr. Francisco Sá Carneiro como a maior figura política política das últimas décadas e qualquer sessão de evocativa do seu nome só poderá ser justa e até necessária nos tempos que correm mas, neste caso, a sua função de deputado estava acima de tudo isso. Estavamos a falar de votar a questão mais sensivel para o país neste momento, a questão que levou 100 000 portugueses à rua em protesto, a questão que não tem ainda fim e não vai ter enquanto o PR não intervir. Portanto a sua presença bem como a dos outros deputados deveria ter sido a prioridade.
Cumprimentos

Anónimo disse...

O povo elegeu os deputados para os representarem na AR. Para discutirem as ideias e as soluções para o país.
Uma dos aspectos que queremos que discutam é qual o modelo de educação para o país.
Na minha opinião isto é bastante mais importante que uma sessão evocativa.
Assim, o que acho que deveria fazer era recusar a sessão evocativa e apresentar-se na AR.
Isto se fossem à mesma hora. Não sei onde foi a sessão evocativa mas sendo em Lisboa não vejo o porquê de não estar na AR às 11 da manhã.
Também por vezes me deito mais tarde mas às 9h da manhã estou a trabalhar!!
Cumprimentos,
J. Fernandes

Vap disse...

É assim mesmo Dr Santana Lopes!

João Pires disse...

Então?

Não lhe agradou o meu comentário?
Será que foi o meu ligeiro tom irónico/sarcástico?
Terá sido a minha menção à mulher de César?
Ou terei identificado um ponto de pressão?

Compreendo.
Foi o sentido estético que imperou.
Ficaria feio.
Fez bem.

Uma última nota.
Na vida nós não somos apenas o que queremos mostrar.
E no seu caso como no de outros, nós conseguimos ver mais fundo do que o que está à superfície…

joyce disse...

Dr.Pedro Santana Lopes


Dr. Pedro Santana Lopes

Nem precisava de se justificar no seu blog, a sua falta na tal votação. Votações importantes (?) em vésperas de semana prolongada, às 12 horas, não convence ninguém e a mim, muito menos!
O que nos faz pensar, é que em 30 deputados do PSD que faltaram, só por o sr. se encontrar nesse grupo é que há tanta celeuma.
E nos outros partidos, também não houve faltosos?
Puxa!...é demais!
Eu, não era para transcrever uma parte deste post, pois não sei se o publica, mas não resisti:

"O PSD se quer ser Oposição, aspirar a ser Governo , deve começar por fazer uma limpeza.

No campo, na agricultura, um princípio fundamental é podar as árvores. Se não forem podadas não dão fruto. Elementar!
(...)

Marcelo Rebelo de Sousa, com toda a sua carga intelectual, nem sabe nadar!!!

Candidatou-se à CM de Lisboa e fez um mergulho junto do Tollan!

Perdeu as eleições!

Foi eleito secretário geral do PSD e não fez nada.

Ora,o PSD não pode contar com esta gente para ganhar eleições. Para governar Portugal.

Mais parecem agentes de contra-informação que militantes do PSD.
(...)

O que espera um agricultor ou comerciante de Pacheco Pereira e de Marcelo Rebelo de Sousa!

Nada!

Estamos fartos destas pessoas que falam e não dizem nada!

Por isso , calem-se! Já sabemos que têm brasões e comendas e mais o que for.

Mas e o resto? O que interessa aos portugueses?

Por isso , e para terminar, aconselho a Drª Manuela Ferreira Leite a convidar Pacheco Pereira e Marcelo Rebelo de Sousa a entregar o cartão de militante e deixarem os portugueses , que querem o PSD como alternativa política , trabalhar!

Isto é que são retalhos da via real! E não as fotos no blogue de Pacheco Pereira, no "abrupto".

Papagaios de janela têm os portugueses muitos.

Aliás, os portugueses nem percebem porque carga de água há-de estar Marcelo Rebelo de Sousa a receber um balúrdio da RTP para mostrar uns livros -nem sei se os lê, o que duvido bastante - e a perorar sobre temas para os quais não está preparado.

Um Prof. Universitário a mostrar livros como se fosse mestre livreiro? Pensará que os portugueses não conhecem livrarias ou precisam da sua opinião para "comprar" livros, para ser o opinador mor ?

O programa da RTP com Marcelo Rebelo de Sousa é , seguramente, o menos interessante.

Desde logo como político foi um fracasso , pelo que o que disser e opinar não tem interesse , porque nós devemos dar ouvidos a vencedores!

Segundo , porque é sempre inconclusivo.

Atacar a Drª Ferreira Leite parece mais um exercício de vassalagem ao PM e ao PS para manter o lugar na RTP.

Depois, se sabe "pegar touros" candidate-se a algo! Submeta-se a eleições. Submeta-se à prova do nove.

Isto só em Portugal! Qual a outra televisão do Estado que aceita pagar a um individuo para isto?
Ele só fez o mergulho no Tejo junto ao Tollan e perdeu as eleições! Não ganhou nada! Penso até que os pareceres que faz são pagos a peso de ouro!

D´jan bei!"

http://josemariamartins.blogspot.com/
2008_10_01_archive.html

Nota: Foi através deste blog que cheguei ao seu.

João Prazeres de Matos disse...

Caro Dr. Pedro Santana Lopes:

Muito a propósito da polémica que se gerou em torno deste assunto e indo um pouco mais longe, aflorando toda a problemática que tem sido trazida a lume a propósito da liderança do PSD, escrevi isto: http://geracaodeoitenta.blogspot.com/2008/12/lstima.html

Os melhores cumprimentos.

Afonso Henriques disse...

Embora não venha a propósito do tema abordado neste "post", gostaria de deixar uma palavra de incentivo ao Dr. Luis Nobre Guedes, pelas boas ideias que defendeu e pela humildade com que o fez, na excelente entrevista que concedeu à jornalista Ana Lourenço.
Aproveito também, para partilhar com os outros cidadãos atentos uma inquietação que desde ontem me assalta; estarão os apoiantes do Dr. Pedro Passos Coelho a fazer um apelo à rebelião em Portugal? Ontem foi o Eng. Ângelo Correia numa das suas tiradas visionárias a comparar Portugal com a Grécia, hoje foi a vez do Dr. Miguel Relvas alertar para o risco que Portugal corre de viver uma situação semelhante; parafraseando o Dr. Paulo Portas, é caso para dizer que naquela orquestra tocam todos afinadinhos, o único que parece não compreender é o Dr. Luis Filipe Menezes, que lá vai tocando os instrumentos que lhe mandam.

Ricardo Araújo disse...

Boa noite Dr. Pedro Santana Lopes este é mais um episódio para o queimar, já referi varias vezes nos meus comentários que cada declaração ou acção que V. Exa. faça, os jornalistas ou os pseudo comentadores têm de lhe cair em cima, pois eles pensaram que V. Exa. estava morto politicamente, então isso incomoda-os bastante.
Sei que a atitude dos deputados não foi a melhor, pois devem estar no parlamento em todas as sessões e não acredito que todos eles tenham justificações plausíveis, para este tipo de atitude.
Acho necessário haver regras aquando este tipo de votações, mas também tenho consciência que se todos os deputados do PSD lá estivessem, os do PS também não tinham falhado o que me leva a pensar que tudo este episódio tinha sido antecipadamente combinado entre ambas as bancadas.
Se assim foi é lastimável, pois mais uma vez está demonstrado o bloco central, bloco este que está a levar este País para uma bancarrota, esperando eu que não aconteça aqui o que esta a acontecer na Grécia.
Um grande abraço, cordialmente.
Ricardo Araújo.

MIGUEL VAZ SERRA disse...

Dr.Santana Lopes
Uma Rádio portuguesa faz-se anunciar com esta frase: "O que pensa começa no que ouve"
Creio que define bem a mentalidade deste povo e por isso tanto disparate pegado,comentários sem fundamento e falar por falar sem se saber nem porque se fala...Lembra-se daquela senhora que sonhou consigo e afirmava a pés juntos que o Senhor andava de caravana ( ou charrete ou lá o que era.. )na terra dela?Pois eu relembro.O que é que os cães fazem quando as caravana passa?...ladram...mas não a param!!!Bom seria...

carlos disse...

Dr Santana Lopes
Estou a escrever-lhe muito à pressa,porque tenho de dormir,mas não posso deixar de perguntar-lhe:quem é o João Pires?
Pelo que ele escreveu neste seu site,parece que o senhor não consegue responder a tanto conhecimento que emana da mente priviligiada do sr.Pires.
Julgo entender o sr Pires,como entendo a liberdade de insistirmos
em ser analfabetos.Como costumam dizer os que não sabem o que hão-de dizer:é um direito que me assiste.
Um abraço do
carlos monteiro de sousa

Anónimo disse...

joão pires? joão pires.... joão pires só coneço o vinho. aquele moscatel de Setùbal. bem bom! boa escolha. rsrsrsrs. PLEASE!!!
miguel cardoso

jlpsc disse...

Caro PSL:

Em duas ideias essenciais, humildade e fibra moral! Triste é, e ainda mais pena tenho, que não se compre nem em saldos nem em lojas dos chineses!

Julgo que os srs deputados perderam a noção do cargo e lugar que ocupam. Um órgão de soberania que legisla e contempla a democracia tão ansiada, agora lesada. Memória e consciência bem curta.
Não admira o descrédito e desconsideração da classe política em Portugal.

Ainda melhor seria... um rumo e caminho na oposição. Pela verdade, pela seriedade, pela diferença!

Entristecedor o "nosso" partido. O PPD/PSD tem efectuado um trabalho notável, quase brilhante, em cavar o seu próprio buraco.
A noite presume-se longa, o buraco demasiado fundo e a laranja, já sem néctar, demasiado espremida. Entretanto, vive-se o jogo do empurra e o Sr. Pinto de Sousa constrói, descansadamente, o seu castelo de areia junto a um mar calmo e pacífico que rebenta contra si próprio.

cumprimentos!

Jorge Dinis disse...

Caro João Pires.
Acerca do artigo "QUE PACIÊNCIA", aqui postado, o Senhor, para além de outro tipo de considerações, diz o seguinte:
"Eu acredito que neste mundo existem dois tipos de pessoas:
Os que fazem e os que falam dos que fazem.
Os primeiros tendem a ser importantes. Os segundos tendem a ser irrelevantes.
Agora esta subclasse de comentadores dos que comentam, limita-se a falar dos que falam…
Estes tendem então para o quê?
Para nada, porque não existem.
São uma completa nulidade."

Acerca desta sua posição, coloco-lhe a seguinte questão?: o que faz, ou pretende fazer? Deixar de ser uma nulidade (utilizando o seu conceito), porquanto pretende abandonar a subclasse dos que comentam..., tornando-se num COMENTADOR (fazendo comentários, e aí tender a ser importante)?

O Senhor não foi irónico ou sarcástico, mas... ALGO BEM DIFERENTE!!!

Egitaniense disse...

É compreensível, no entanto não posso deixar de reparar que talvez tivesse sido melhor opção ir à votação.

A menos é claro que o evento em que esteve presente tivesse sido calendarizado com mais antecedência.

Não quero parecer demagógico, mas é que pesando bem na utilidade a curto prazo para o País dos dois acontecimentos... a votação parecia ser mais relevante.

António disse...

Dr. Santana Lopes,

as justificações até agora apresentadas aparecem como as populares «desculpas de mau pagador».

Nós já não estamos na época das carruagens, seja para o Porto, seja para Paris...

Deputados que realmente se interessassem pela sua condição de deputados activos, participativos e empenhados no processo decisório inerente às votações, saberiam e poderiam sem grandes dúvidas existenciais apresentar-se no aeroporto mais próximo para um voo matinal, fosse do Porto, fosse da luminosa Paris.

Mas, «dans la'air du temps», quer também parecer-me que não poucos dos deputados só equacionariam tal «esforço desmedido» de uma viagem madrugadora até à capital a troco de uma qualquer vantagem pessoal evidente.

As defesas em causa própria que tenho ouvido e lido nos últimos dias resvalam claramente para o estilo do «conto infantil». Pena que é que tais contos assim desfilados não tenham o genuíno encanto dos originais contos infantis.

Sorrio, ampliando e forçando a tolerância, ao ouvir o deputado Guilherme Silva num devaneio como que em marquesa psicanalítica: «Muitos dos deputados não de Lisboa, pelo que é compreensível que queiram estar quanto antes com as famílias...» e por isso rumem ao fim de semana à 5ª feira à noite... Anseio por ver em breve o Dr. Guilherme Silva defender as faltas à 6ª feira dos restantes trabalhadores (à escala nacional, mundial?!...) com base no mesmo argumento...

Depois fingem surpresa, choque e até uma paternalista afecção, quando lhes chega a informação que as pessoas já não levam os deputados a sério, e os tomam mesmo como os principais desqualificadores da democracia portuguesa.

Talvez sejam poucos os deputados que compreendam o significado mais profundo do suceder deputado eleito e ao serviço dos cidadãos. Basta ver o constrangedor servilismo partidário da generalidade dos deputados nacionais, para se aferir da muito limitada qualidade expectável no exercício das funções para as quais foram eleitos.

Ao menos que não se ridicularizem como autores requentados de contos infantis insultuosos para os cidadãos que deles esperam outras responsabilidades e comportamentos.

alfredo disse...

Estimado Drº Pedro Santana Lopes

Gostaria de o interessar por dois temas em particular.

O primeiro é relativamente ao Bairro do Alto do Chapeleiro na Ameixoeira, zona da cidade em que sei chegou a viver, e que apesar de possuir um regulamento aprovado pela CML, em 1983, foi recentemente considerado pela Autarquia como uma AUGI.

O segundo tema é relativamente á rejeição que os empregadores fazem a desempregados acima dos 45 anos e consequentemente ás dificuldades que sentem na sua reintegração na vida activa , num momento em que tudo indica a N/vida vai tornar-se insuportavel, com o agudizar da crise.

Na expectativa que se interesse por estes assuntos
apresento os meus cordiais cumprimentos desejando lhe saude para prosseguir na sua luta por uma sociedade mais justa.

Cumpriemntos
Alfredo Cordeiro tel.:968088763

Anónimo disse...

Dr Pedro Santana Lopes: O mais importante para mim, não é a sua justificação por trabalho político de véspera. É saber qual a sua posição acerca do assunto. A verdade é que como a maioria dos deputados nunca se preocupou em saber as verdadeiras razões dos protestos dos professores. Reduzir tudo à questão de os professores quererem ser avaliados ou não,é só retórica. Tenho a certeza que alguns dos que não compareceram na Assembleia, só o fizeram porque eram contra a suspensão. Quem como eu anda na vida política há mais de 22 anos sabe que se entendesse que deveria comparecer na votação o sr iría nem que fizesse uma "directa". A verdade é que não quis ir. Como é para mim claro que a ausÊncia dos deputados do PS não é inocente. Se Socrates quisesse e exercesse a disciplina de voto, todos teriam comparecido e votado contra. Tenho pena que assim tenha feito, pois se há coisas que admiro em si, é a luta contra o politicamente correcto. Como deve calcular eu sou professor, estou a escrever após mais um dia de trabalho que começou na escola às 8.20 e que concluí à pouco, após ter estado na escola quase 11 horas, com 1 hora para almoço. Ontem foi parecido, amanhã será um pouco melhor. Em relação ao partido, de que fui um dos seus votantes nas eleições, o meu distanciamento é total, pela 1ª vez não tenho as cotas em dia, deixei de ser militante. Antes era associado, porque pagava cotas hoje nem isso. Eu como muitos estamos desencantados, não com Sócrates mas com o partido. Não dúvido que assim, mais tarde ou mais cedo irá acontecer uma cisão.

Paulo Oliveira

João Pires disse...

Lamento, mas ainda não estou satisfeito.
É que há coisas em que confesso que sou difícil de contentar.
Mas já lá vamos…
Uma pequena nota introdutória acerca do acessório, já que aparentemente é relevante para algumas pessoas aqui presentes.
Sou ninguém.
Concedo… uma nulidade.
O que pretendo? Nada. E se pretendesse seria irrelevante.
Portanto, não se perca tempo comigo.
Deixemos então o acessório à parte e vamos ao essencial que ai sim, sou difícil de contentar:

Acerca das faltas dos deputados dos diversos grupos parlamentares, tenho algumas questões, às quais gostaria de ver respondidas.

E peço por favor a quem quiser ter a amabilidade de me responder, que o faça não utilizando argumentação própria e eventualmente eficaz para as disputas intestinas entre facções internas de partidos ou para duelos entre partidos.

Pedindo perdão pela minha limitação, rogo para que simplifiquem, pois de outra forma não conseguirei entender.

É que eu sou apenas um cidadão…

E como cidadão, pergunto mais uma vez (e perdoem-me o tom, mas estas são daquelas coisas que me tiram um pouco do sério);

EM RELAÇÃO AO NÚMERO ANORMALMENTE ELEVADO DE FALTAS NA VESPERA DE UM FIM-DE-SEMANA GRANDE, QUERO SABER:

1-QUEM FALTOU?
2-PORQUE FALTOU?
3-CONSEQUÊNCIAS?

Anónimo disse...

caro, joão (ninguem) pires,
permita que lhe lembre que o tempoda "pide" já acabou há muito tempo...a assembleia tem as autoridades próprias para analizar todos esses assuntos. agora quanto ás consequências, não vejo que seja importante dar "tau-tau" nos "meninos". o importante é que eles percebam que é por estas coisas todas que cada vez mais a abstenção tem subido! isso sim será a verdadeira consequência.
isto claro que é apenas a minha modesta opinião e vale o que vale...mas tenho o direito de a ter.
abraço ao dr. pedro santana lopes.
embora não o conheça pessoalmente(tenho pena) deve ser uma pessoa fascinante e cheio de "valor" moral.
miguel cardoso
http:/virtualmigas.blogspot.com

carlos disse...

Dr Santana Lopes,bom dia.
Desculpe aproveitar do espaço que me dá para dizer uma coisa ao Sr João Pires.
Sucintamente,gostava que o sr Pires entendesse que os Deputados da Nação não podem estar sujeitos a horários de trabalho,embora muito bom comuna gostaria de subordinar as altas funções do Estado.
Não é agradável para o comum do cidadão saber que há gente que não tem horário de trabalho,pois relacionam isso com pouca responsabilidade.Mas quem divulga essas faltas são as pessoas que,ao serviço de jornais,não têm horário de trabalho.Mais,escondem as principescas condições remuneratórias que auferem para que ninguém saiba ou possa saber quanto vale a mentira.
Sr.João Pires,nos tempos que correm é muito importante saber onde estamos,porque estamos e para onde vamos.E,meu caro,não pergunte ao Sr Sócrates porque,para além,de não lhe dizer coisa alguma ainda lhe vai à carteira.
Para terminar digo-lhe que os problemas deste infeliz País nada tem a haver com deputados,suas presenças e suas faltas;tem a haver
com o sistema político que encoraja
a incompetência e produz seres políticos como Jorge Sampaio.
Sr João Pires,fico à sua disposição
para,se quiser,fazê-lo compreender o esforço individual a que está sujeito um político em funções.

Dr Santana Lopes,um abraço do
carlos monteiro de sousa

Conta-Corrente disse...

Estes episódios são naturalmente lamentáveis. Repetem-se ao longo dos anos e demonstram falta de profissionalismo por parte de alguns Deputados.
Mas é também importante com outra classe. Já alguém se questionou porque - com tanto atraso na justiça - quase não fazem julgamentos à sexta-feira de tarde?
Já alguém se questionou porque razão à sexta-feira à tarde se formos a um hospital normalmente conseguimos estacionar?
Enfim os médicos e os juizes não têm menos responsabilidades pois não???

Adão Mascarenhas disse...

Boa tarde.

Depois do acréscimo, novamente mediatizado, com o episódio da falta de quorum na 1ª comissão da AR prevista para ontem de manhã, poucas dúvidas me restam: vive-se naquela AR um ambiente de «jaula aberta».

Deplorável.

Joao disse...

http://animalpolitico-joao.blogspot.com/

joyce disse...

Dr. Pedro Santana Lopes

"A "crise dos deputados faltosos" provocou mais um problema interno no PSD. Manuela Ferreira Leite está a ser aconselhada a utilizar a assiduidade como critério para a escolha dos próximos candidatos a deputados." (...)

http://www.ferreiraleite.com/

Comentário meu sobre os faltosos:

http://www.youtube.com/watch?v=R5hdE9YSfEQ&feature=related

carlos nunes disse...

Desde há muitos anos tenho seguido Santana Lopes.Mais concrectamante depois de ele ter batido com a porta a um senhor muito importante...
Nunca Santana se desviou daquilo que foi e que é. Defendeu sempre as masmas coisas, sempre com coerência e verdade. Ser assim, lutar para ser sempre o mesmo Santana, criou longas filas de admiradores. E adversários, quiça inimigos. Ser guerreiro não significa necessárimente, andar a guerrear. E no caso de Santana significa ser conhecedor dos resultados duma guerra. Ele NUNCA começou nenhuma.
No que respeita a admiradores, alguns passaram a ser-lhes chamado o nome "santana". Caso de um Deputado Municipal(do P.P.D.) em Miranda do Douro.
De adversários...é o que todo mundo verifica!
Se Santana fossa como os camaleões que mudam de côr, de projectos e forma de fazer política, de certeza que não tinha marcelos, pachecos, barões, condes, condessas e outras "más moedas" com mais amôr a Sócrates, que a ele! SER COERENTE TEM UM PREÇO!!!
Santana tem pago e está a pagar o dele!
... ... E quando alguém diz, que Santana deveria terminar com gerrilhas de militantes contra ele, sentando-se à mesa com eles... ... eu só digo que a tais senhores lhes falta categoria, integridade e, mais que isso, falta-lhes classe, para estarem na mesa de Santana. Não se pode misturar trigo e joio. O tempo dirá quem ganha e a história diz que é o trigo.
O tal Deputado Municipal a quem chamam santana, antes das presidenciais, declarou, alto e bom som, em plena Assembleia, que não votaria em quem renegou o partido, em quem mandou retirar a sua cara da propaganda do partido.
Esse Deputado nunca votaria em "más moedas". A Luta de Santana, que é do P.P.D. é também de outros pequenos santanas.
Viva ao P.P.D.

Anónimo disse...

Bom dia...
Também sou "ninguém"...
Apenas um juíz em meio de carreira.
Mas como cidadão tenho o direito de me insurgir e opinar sobre a realidade do meu País.
E sim, João Pires, tem TODO o direito de saber porque é que os deputados a quem PAGAMOS o acento não se encontram no seu LOCAL DE TRABALHO a fim de votarem assuntos importantes para a sociedade portuguesa. É ESSE O SEU PAPEL.
FELIZ NATAL!
Salvador D'Orey

João Pires disse...

1. Não consigo ainda entender, nem muito menos acho justificação aceitável, como é que uma homenagem na véspera no Porto, a uma figura sem dúvida importante da democracia Portuguesa, isenta quem quer que seja de cumprir a sua obrigação às 12:00h em Lisboa.
2. Isenção de horário, nunca significa que, se falte às obrigações essenciais e inerentes às funções desempenhadas. Para além disso, quem já esteve sobre tal regime sabe, que tal implica invariavelmente uma maior responsabilidade no exercício e desempenho das funções que lhe estão confiadas.
3. Deverá ter o sentido de responsabilidade e a disponibilidade necessárias para, com a flexibilidade que tal regime implica, ter a capacidade de cuidadosamente planear o seu tempo para que não falhe com as suas obrigações.
4. E mesmo que tal implique algum esforço adicional (por exemplo, dormir menos de quinta para sexta, para poder chegar a tempo), deverá ter com certeza direito a descanso compensatório. Mas sempre DEPOIS de todas as suas obrigações estarem devidamente cumpridas.
5. Por muito que se argumente (e sempre brilhantemente) acerca da seriedade, sobriedade e gravidade com que se desempenha tão alto cargo, os actos não são coincidentes com os argumentos. Tal incongruência confirma mais uma vez que a lei de Gresham é aplicável.

O desempenho de funções públicas é algo de honroso.
Como tal, quem o faz é digno do mais alto respeito.
Mas primeiro, este deverá dar-se ao respeito.

Como tal, e mais uma vez como cidadão demandando por CONSEQUÊNCIAS,

EXIJO:

RESPEITE-SE O CARGO.
RESPEITE-SE O POVO.
RESPEITE-SE A NAÇÃO.

Anónimo disse...

Pedro,

Ainda bem que faltaram porque qualquer suspensão desta avaliação seria dar a este "desgoverno" um trunfo. Se arranjaram eles o problema resolvam-no. Em três anos este governo só fez 3 coisas: virou portugueses contra portugueses;aumentou os impostos e liquidou grande parte da classe média e das pequenas e médias empresas e finalmente aumentou ainda mais a despesa do estado.
A avaliação dos professores é absolutamente irrelevante para o país com o que aí vem e com a verdade que pouco a pouco vai sendo desvelada pelos habituais habitués do regime, jornalistas e comentadores de televisão incluídos. Nenhum povo trabalha sem ver reconhecido o seu trabalho, sem estar motivado e sobretudo sem ver que o exemplo vem de cima. O resto é pura demagogia para descerebrados e só conduz à guerra social, e à aniquilação do estado e da sociedade. Nunca Portugal foi palco de tanto oportunismo e demagogia e já tivemos muita ao longo de trinta e quatro anos.

Ernesto Sousa

Carlos Castro disse...

Caro Dr. Pedro Santana Lopes, tive o prazer de o conhecer aquando da sua deslocação a PAREDES, em campanha para a presidência do partido, tenho-lhe a dizer que dos que estavam naquela sala só três votaram em si eu e os meus colegas do lado. Tudo muito bem montado para o impressionar.
Quanto ao seu trabalho faça-o bem feito, no Alentejo, na assembleia onde quiser, mas trabalhe com honestidade, e frontalidade, não tenha medo, porque os que dizem mal de si, são os que o temem, e espero felicita-lo pela vitória nas eleições a LISBOA, já que não o pude fazer para a direcção do nosso partido. E espero poder contar consigo quiçá num ameno jantar social democrata cá por SOBROSA - PAREDES, nunca tenha medo ou vergonha de vir a uma aldeia, falar por si ou pelo partido, as bases de um partido começam por aqui, com gente trabalhadora e humilde, onde o incluo a si também.

Edgardo disse...

Votos de Boas Festas para Vossa Excelência e, particularmente, de Feliz Ano Novo... para todos!!!

Eu peço a Deus - e nem considero que peça o "impossível" - de que no ano de 2009 tenhamos a graça da saida definitiva do actual Governo e, já então, do regresso de Vossa Excelência, Dr. Pedro Santana Lopes, a ainda mais altos e valorosos serviços à Nação!

Anónimo disse...

Concordo com muito que escreve mas não concordo neste caso com o seu argumento. Sou do Porto e vou algumas vezes a Lisboa em trabalho ou lazer. Das ultimas vezes que fui foi em lazer. Fui ver o Festival Optimus Alive Queria ver os Rage ATM. Como não meti férias sai do Porto antes do Jantar e cheguei por volta das 22h depois do Concerto depois das 2h voltei para o Porto. Cheguei perto das 6h da manhã. No dia seguinte, apesar de estar com muito sono... fui trabalhar cedo... foi um sacrifico de um dia...