sábado, 8 de novembro de 2008

Bom debate

Boas intervenções de Fernando Ulrich e de António Borges, ontem, no "Expresso da Meia - -Noite ", na SIC Notícias, a propósito do BPN. Bem todos os participantes, incluindo os moderadores. Concorde-se, ou não, com as opiniões que cada um expôs, foi um debate que falou de modo incisivo e fundamentado das questões que se colocam nos circuitos do sistema financeiro Português.

2 comentários:

FranciscoB disse...

Mas fica-se com a sensação de que o país está a saque...

A extensão da promiscuidade entre os partidos e o sistema financeiro será passível de correcção sem convulsões graves?

O que fazer?

Quem tem capacidade para o fazer??

Ricardo Araújo disse...

Boa tarde Dr. Pedro Santana Lopes o mal do nosso País é que todos falam bem principalmente aqueles que causaram este problema bem como aqueles que o deviam controlar e não controlaram que é o caso do Dr. Constâncio (que bem que ele fala, até parece que vive noutro País).
Nós Portugueses devíamos ter resposta a algumas questões entre elas:
Será que se o estado não tivesse lá dinheiro teria privatizado o BPN?
Será que se vão achar os culpados, ou será como sempre os contribuintes a pagarem as asneiras dos outros?
Será que o P.R. não devia ter dado uma palavra a nação, ou o que importa são os divórcios, os homossexuais ou o estatuto dos Açores?
Ficou aqui bem patente que o estado só intervém para beneficiar quem não precisa ou seja a banca.
Centenas de empresas com milhares de trabalhadores fecharam neste País sem que o governo interviesse de modo a salvar os empregos dessa gente toda.
É lamentável, todo este episódio, como é lamentável que durante estes anos todos o BPN tenha sido gerido por ex. Ministros ou ex secretários do PSD e que a líder do PSD bem como o P.R. não venham a terreno condenar estas acções de modo a que não mais aconteçam.
Espero Dr. Pedro que V. Exa. não compactue com estes esquemas, pois era mais uma desilusão para todos aqueles que ainda acreditam em V. Exa.
Um grande abraço, cordialmente.
Ricardo Araújo.