terça-feira, 23 de agosto de 2011

Verão...


6 comentários:

Anónimo disse...

Verão...

É verbo ou estação do Ano?

o cusco....... disse...

Mesmo no Verão a vida continua e os que ficam todos os dias sem trabalho que o digam.
Hoje tive uma boa notícia. O ex Director do FMI que tinha sido acusado de violação por uma empregada dum Hotel (que pediu à colega para trocar com ela à última da hora os quartos a “limpar” e ficar assim ela com o quarto de Strauss-Kahn) foi libertado totalmente pois a acusação não conseguiu encontrar nada que o incriminasse.
Á parte dum telefonema da senhora que se disse violada a um amigo preso a dizer que “ tinha um caso entre mãos que a ia fazer milionária” pouco mais encontraram.
Os Brasileiros têm uma palavra para definir o que aconteceu a essa senhora, mas eu não posso escrevê-la aqui.
Paulo Portas andou a negociar com os novos donos da Líbia….
Adorava ser mosca.
Para verem como os nossos "jornalistecos" são débeis mentais de pai e mãe comento que há 1 mês diziam que as guerras civis na Síria e Líbia tinham disparado o preço do petróleo. Hoje diziam que o barril caia dramaticamente porque a Líbia estava em profundo caos.
Amadores meus. Quem faz subir ou descer o preço do Petróleo ( ou do leite, farinha, ouro, prata, dólar…tudo no planeta ) são os especuladores e intermediários, não são as guerras nem as revoluções. Deixem de ser ridículos e fazerem corar de vergonha alheia as pessoas em casa. Salazar morreu em 69!!!

maria lisboa....... disse...

Hoje deparei-me com um artigo do Jornal o Sol que tive que ler 2 vezes para ter a certeza que era real.
O autor diz que leu muitas vezes a razão de o escrever.
Andamos assim todos s ler muitas vezes as coisas para as entendermos.
Estamos afastados, muito.
José António Saraiva anda muito afastado da vida mesma.
Anos luz da civilização.
O Jornal o Sol devia ter cuidado com o que publica pois em tempo de crise não se devem perdem milhares de leitores e por este artigo há já vários grupos em redes sociais a fazer guerra ao mesmo.
Não fui ao Google para ver quem era José António Saraiva.
Depois de ler esta porcaria pensei melhor nem saber como é a cara deste senhor.
“Num romance célebre, Jorge Amado falava, de facto, da existência de dois maridos. Mas aí havia uma mulher no meio: Dona Flor. E, se bem me lembro, os dois maridos não estavam propriamente no mesmo plano, pois um já tinha morrido e só reaparecia à noite para consolar a mulher.
Agora um casamento onde há dois maridos e nenhuma mulher é coisa muito estranha”..diz o senhor José a certa altura.
Estranho é que o Sol publique este disparate e que em pleno séc.XXI ainda haja gente que tenha mentalidade medieval.
Gente do mundo moderno que até lhe permitem escrever num jornal de nome e prestígio como é o Sol.
Homofobia é crime. Tanto como o marido bater no outro marido!
Deixo o link.
http://sol.sapo.pt/inicio/Opiniao/interior.aspx?content_id=26867&opiniao=Pol%EDtica+a+S%E9rio

miguel vaz serra....... disse...

Dr. Santana Lopes
Um Verão fraco. Estranho. Tão estranho como o anúncio dos milionários Franceses que pedem a grito solto para pagar mais impostos.
Uma vez mais a classe política é ridicularizada pelos mesmos com um bofetão imenso de luva branca.
Gostava de saber quando gostariam de pagar os nossos.
Ainda ontem um dizia que era um trabalhador igual aos outros. Esqueceu-se foi de dizer que paga menos impostos que os “camaradas”.
Imaginemos que este Dezembro os lucros disparatados da Banca e certas empresas são taxados a 50% como vão ser os salários dos que ganham misérias?
Que bom para o Estado, certo? E para a moral publica. Saber que afinal todos pagam a crise que os Socialistas deixaram tão enraizada.
Em França levantaram voz “indignados” do capitalismo cego que os políticos praticam.
Veremos cá…
Já comprei uma cadeira, confortável!!!

gogol de kapote disse...

Veremos?

A Mim Me Parece disse...

Diz o cusco que a vida continua para os que ficam todos os dias sem trabalho, mas eles que o digam.
Diz o cusco que teve hojeumaboa notícia e que ela é o ter sodo Strauss-Kahntotalmente liberto da acusação de violação feita por uma empregada de um hotel(ou pelo Ministério Público?).
Diz o cusco que essa empregada à última hora pediu a uma colega para trocar consigo os quartos que deveriam arranjar de molde a calhar-lhe o quarto do Director do FMI.
Diz o cusco que a acusação não conseguiu encontrar nada que o incriminase (apesar de uns dias antes um relatório da medicina legal garantir que a ofendida apresentava lesões que provavam a violação secçual proticada pelo costmeiro. E diz mis cusquices, o cusco. Parece-me justo: por alguma razão o cusco se proclama de cusco... de cusco... cusco.