terça-feira, 28 de junho de 2011

Saíram

O Governo exonerou os Governadores Civis. Foi a primeira resolução? Já estão menos inquietos com a « indefinição da situação jurídica»? Pois é! Ainda não está resolvido de todo. Pois é! Mas já faltou mais.

11 comentários:

maria lisboa....... disse...

Esses sairam, mas.....
Parece que mais uma vez o Prof. Marcelo falou cedo de mais.
Na sua ânsia de ser sempre o 1º a contar os segredos falhou como muitas outras vezes num nome de um Secretário de Estado.
Um dia deste tira-me o nome.
Estava na lista?
Era mesmo para ser?
Até pode ser verdade mas enquanto não se toma posse, ninguém é ninguém em lado nenhum e por isso é não só muito feio falar dos contactos de um Governo de que não se faz parte, falar de nomes de pessoas que elas mesmo não disseram nada e depois errar como aconteceu.
Para culminar, hoje na SIC havia uma voz daquelas que se acham “Jornalistas” aos gritinhos.
“Oh Dr.? o que tem a dizer desta trapalhada toda?”
TRAPALHADA?
Em 33 pessoas, uma por razões políticas e pessoais não aceita um convite e
“é uma grande trapalhada?”.
Trapalhada é haver gente com direito a ter um microfone na mão, a recibos verdes para sair barato e vomitar baboseiras quando a porcaria mental assim o permite.
Toda a Europa tem os olhos postos em nós e as imagens são traduzidas e vistas em todo o lado.
Por isso “trapalhada” é altamente nocivo para nós e mais quando é mentira.
Até quando estes medíocres fingirão que são gente e porque é que ninguém lhes responde à altura?
Já agora fica aqui a nota doutro mentiroso.
O que dizia que não tinha poder nenhum ( teve o suficiente para tirar um ex-PM da certeira cadeia ).
A nossa rainha ( com r muito muito pequenito ) de Inglaterra.
Afinal tem mais do que pensava.
A Nova Ministra da Justiça já “a” criticou e “ela” não “abdica do trono” nem “pintadinha de roxo”.
Deve estar a “limpar” à tesourada o escritório antes de sair.
Quando ditadores mentirosos com cursos domingueiros, corruptos, fraudulentos e perigosos ficam à solta tantos anos ( e aí Cavaco é o ÚNICO culpado ) é o que dá.
Um País na Europa ,nós, ÚNICOS em recessão económica DO MUNDO, repito, DO MUNDO, uma Justiça que devíamos ter vergonha de chamar-lhe assim, 1 milhão de desempregados num País que nem 10 tem, uma dívida pública sem precedentes e os média, esses escroques sensacionalistas, só falam do que não sabem nem devem e não atacam quem têm a obrigação de o fazer.
Exemplo? O monopólio dos combustíveis em Portugal. Devia ser investigado e atacado diariamente. O Barril está a 90 dólares…ai pois é… Alguêm notou a gasolina baixar?
Eu sim: EM ESPANHA!!!

Francisco Castelo Branco disse...

que tarefas vão ter os secretários judiciais?

o cusco....... disse...

E os que teimaram em NUNCA SAIR?
Deixo aqui um importante e interessante post de Frederico Carvalho, retirado do Blog de José Paulo Fafe onde vou muito ler o que escreve.
"Blogue do jornalista Frederico Duarte Carvalho, com coisas que tanto faz que se saibam porque em nada servem para o que sabemos.
"A mim, pagam-me os portugueses"
Cavaco Silva, virou-se para o banqueiro espanhol Mario Conde e disse-lhe que não. O governo português não iria autorizar a venda do banco Totta&Açores a um cidadão do país vizinho, pois, justificou, era "uma jóia de Portugal, uma peça-chave do sistema financeiro português". Portanto, não iria ser privatizado para cair em mãos espanholas, acrescentou o então primeiro-ministro português. Mario Conde não desistiu perante o argumento: "Compreendo. Para nós, também é uma jóia e foi por isso que o comprámos. Sabemos que é português, mas trata-se do Mercado Único...". A conversa teve lugar a 20 de Julho de 1993, em S. Bento. Para além de Cavaco e Conde, havia uma terceira pessoa presente, mas o banqueiro não a sabe identificar. Contudo, não seria alguém ligado às finanças, Banco de Portugal nem ministério da Economia. Cavaco deixara uma primeira sensação em Mário Conde: "Altivo, orgulhoso, distante, com soberbia". Para o primeiro-ministro português, pouco interessava o argumento de que Portugal estava num mercado financeiro sem fronteiras. Interrompeu o banqueiro espanhol e disse-lhe: "Olhe, uma coisa é falar do Mercado Único, outra é viver a política de cada dia. A mim, pagam-me os portugueses e vou fazer o que seja bom para Portugal". O banqueiro espanhol sentiu que revisitava a batalha de Aljubarrota. Um importante negócio financeiro não poderia avançar porque o primeiro-ministro de Portugal não queria espanhóis à frente de uma histórica instituição bancária portuguesa. Mario Conde ainda tentou explorar o clima de confronto entre Cavaco e o então Presidente da República Portuguesa, Mário Soares. Como tinha a informação de que o Presidente português era amigo do Rei de Espanha, o banqueiro fez as malas e foi pedir ajuda ao seu monarca, que estava a participar nas festas do "Jacobeo 93", em Santiago de Compostela. Mas, de pouco valeu essa intervenção real e presidencial, pois o primeiro-ministro português acabaria por criar uma disposição legal que destruiu definitivamente as ideias do banqueiro espanhol. E desabafa Mário Conde: "Os verdadeiros anti-europeístas são eles", esses políticos que dizem uma coisa em público e depois outra em privado. Sobretudo frases como aquela de "a mim, pagam-me os portugueses". E, afinal, ainda hoje continuamos a pagar-lhe. Viu-se isso com o BPN, não se viu, senhor Presidente da República?
A história que aqui conto é uma adaptação da versão mais longa e detalhada que o próprio Mario Conde revela na sua mais recente obra biográfica..."Dias de Glória"

Etiquetas: Aníbal Cavaco Silva, BPN, Mario Conde

Publicado Terça-feira, Junho 28, 2011"
Aqui fica o link para ler melhor:
http://paramimtantofaz.blogspot.com/2011/06/mim-pagam-me-os-portugueses.html

Pois é.
Temos que nascer duas vezes......

one hundred trillion dollars disse...

vejamos num país que importa matéria prima para conseguir exportar 31% do PIB

matéria prima que é paga em moeda forte

mesmo que suba para os 50% do PIB em exportações (e tenha caido o PIB entretanto)

que interessa quem sai
se nunca se vai conseguir com que saiam todos

nem se conseguem cortar os gastos e manias duma máquina que....

esquecia-me que vocemecê contratou aquele arquitecto a bem do PIb nacional

direito não tem economia nem contabilidade, só saídas pequenas e entradas em grande

e muitos corredores e escadarias

é um microcosmo do funcionalismo não é?

Hugo Correia disse...

Bom dia!
Deixo-lhe o simbolismo de outro "fruto" da época...

http://www.youtube.com/watch?v=ItrqBBK97QI

Parabéns amigo! Abraço.

O Gajo Tá Vivo Mas Nã Se Meche disse...

é o que se chama um intervalo político...entre saídas e falsas entradas

nisso é como estas coisas cheias de palavras que se chamam bogues

tenho de ir ver se a sanidade existe fora destas oisas

elizmente não nos vemos gregos


WORD'S LIKE ROPES THAT HANG PEOPLE
استازي او نور چارواکي په يوه لوى سالون يا هم خېمه کې

تندرونه دي.

O Gajo Tá Vivo Mas Nã Se Meche disse...

o saíram em tons curtos

soa a uma cuspidela

ao escovar da caspa num casaco

a menosprezar um pequeno grupo de guerrilheiros

já não são...morreram politicamente?

Anónimo disse...

Saíram os Governadores Civis (não vou sentir a falta deles) e, a continuar assim, este Governo também não vai ficar por muito tempo.



João Figueiredo

Anónimo disse...

Isto vai lindo... Os Governadores Saíem, mas entram outros do mesmo quadrante político. Não tinhamos mais ninguém na cultura?????
Nunca se viu um secretário de estado da cultura do PSD, CDS ou mesmo do PS ser tão posto em arco e beijado pela esquerda que tem vivido dos dinheiros de subsídios como esse benite de Almada e outros tais. Agora sabemos que o senhor que vive com Judas, ou a sua parente, socialista, não pagou o IRS por causa dela. Mas vêm mais coisas porque fala, fala mas de cultura e política cultural percebe muito pouco ou nada... a ver vamos e eu sou do CDS, mas garanto que ter um esquerdista como este na cultura é como piorar tudo ao tempo dos vascos gonçalves ou pior, é a ditadura da esquerda no governo de passos, Independente da treta, pois já prometeu subsídios e apoios a milhares de amigos...

Afonso Anjos disse...

Eu continuo sem perceber o porquê que o Pedro Santana Lopes não faz parte deste governo. O que fez pela figueira da foz, o quer fez por Lisboa, essa capital Portuguesa tão bela e encantadora. o Que fez pelo país... será que já havia gente competente de sobra e não dava lugar para + 1?
Será que ao menos pensaram em si?

maria lisboa....... disse...

Caro Afonso
Entendo o que diz, no entanto não acho que fosse boa ideia.
PSL já foi 1º Ministro.
Não me parecia bem vê-lo a ser agora Ministro de outro 1º.
Deveria ser sim Embaixador nas Nações Unidas ou de Portugal nos USA.
Depois, com mais uns anos,pois é muito novo ainda, deviamos pensar em Belêm!!!