segunda-feira, 14 de junho de 2010

Sistemas semi - presidenciais

Este post não é escrito por qualquer posição pessoal em relação a próximas eleições. É, tão só, porque considero impróprio o modo como alguns são indiferentes á sua própria ignorância e como se tentam aproveitar do desconhecimento de outros.
Sabem quantos candidatos houve na 1ª volta das eleições presidenciais, em França, em 2007? DOZE CANDIDATOS, quatro dos quais de Direita. Passaram à 2ª volta, um de Direita, outro de Esquerda.
E em 2002, sabem quantos concorreram? QUINZE CANDIDATOS, sete dos quais de direita ou extrema - direita. Sabem quem passou à segunda volta? Um de Direita e outro de extrema - direita. Como os Socialistas estavam "mal vistos" pela acção do Governo, Lionel Jospin foi afastado na primeira volta.

Ainda nas mais recentes eleições,as tais de 2007, François Bayrou fez uma forte disputa, no centro - direita,com Nokolas Sarkozy. E Sarkozy foi eleito Presidente contra uma forte candidata como o era Segoléne Royal.

Em França, cujo sistema de governo inspirou o nosso, do que não há memória é de uma só candidatura, na 1ª volta, de um lado ou de outro do espectro partidário.

10 comentários:

Anónimo disse...

Caro Pedro Santana Lopes,

É preciso ver que a França é um país de 65 milhões de habitantes, que tem problemas relacionados com a imigrantes a integração dos mesmos, que penso eu, só fomenta os ideais (sobretudo) de extrema-direita.
Para além disto a participação popular em França é sempre maior que a portuguesa, o que só favorece o aparecimento de mais candidatos, tanto à esquerda como à direita.
De qualquer maneira concordo com a generalidade do post!

Salvador Cunha

Anónimo disse...

Em portugal, neste momento, temos 2candidatos da esquerda e 1 de centro-esquerda. E parece que o líder do PNR está recolher assinaturas.

É mesmo necessário um candidato do centro-direita ;)

a disse...

Meu Caro Pedro,não esteja convencido que o cardeal manda nos votos, muito menos quando são para a presidência da república.
Ele e o Pedro estão redondamente enganados.

Bruno Ferreira Costa disse...

Caro Pedro,
O nosso sistema, embora semipresidencial, tem forte pendor parlamentar, o que tem enfraquecido o papel dos Presidentes eleitos. Neste momento a direita portuguesa precisa de um verdadeiro candidato às eleições presidenciais. Qual o problema de termos 4 ou 5 candidatos às eleições? E se dois foram do mesmo espectro político ou do mesmo partido? A democracia só tem a ganhar com o debate de ideias e com a pluralidade de opções.
Quem vê numa hipótetica segunda candidatura de direita uma ameaça à reeleição de Cavaco é porque também considera que Cavaco, neste mandato, não convenceu a maioria dos Portugueses, perdendo parte do eleitorado que o elegeu em 2006.
Hoje lanço-lhe apenas um desafio: Avançe! Tenho a certeza que contará com o apoio de muitos portugueses, desejosos de uma verdadeira mudança no rumo do país!
Abraço

Parker disse...

Para o comentador _a

Essa agora! V. está mesmo convencido de qu toda a direita e centro-direita se revê em Cavaco Silva?
E acha que o Dr. Santana Lopes está conluiado com D José Policarpo? Seria uma injúria infame quer para D. José Policarpo quer para Santana Lopes.
O que sinto é os "cavaquistas" realmente preocupados com a possibilidade do aparecimento de outra candidatura democrática à direita! Com o que demonstram a ignorância e falta de democraticidade!

Anónimo disse...

O Cardeal é um homem de esquerda.

A declaração anti-Cavaco é o álibi para poder votar Alegre sem problemas de consciência.

Repare-se que criticou Cavaco por causa do emparelhamento gay, mas nunca criticou o Sócrates, o PS e o resta da esquerda pelo mesmo motivo. Aliás foi noticiado que tinha prometido ao governo que não se meteria nestas guerras.

Também não fez declarações do mesmo tipo quando se tratou do aborto, da 'procriação medicamente assistida', da lei do divórcio ou da educação(homo)ssexual. Porquê ?

Foi uma manobra táctica. (Ou então a visita do Papa provocou uma conversão).

Fartinho do Silva disse...

Mas que democracia é esta? O simples facto de se tentar conseguir outra candidatura democrática e credível, alternativa a Cavaco Silva, levanta logo a urticária e a azia dos protectores do PR? Mas que é isto? Onde estamos? Estamos sempre a falar dos outros países e não falamos do exemplo da França? Porquê? Onde está o mal?
Direi mesmo: sob pena de se tratar de um pseudo-eleição, é mesmo necessário que se apresente um candidatura alternativa a Cavaco. Um homem que gere silêncios e pensa mais em si, na sua hipotética reeleição, do que nos interesses de Portugal. Não basta falar em Portugal, é preciso ser coerente e usar as competências que apesar de tudo a CR lhe atribui. Cavaco fez sempre uma interpretação poucoichinha dos poderes do Presidente. Convém-lhe não fazer ondas!
Estou farto da água chilra! Basta! Basta!
Se Bagão não quis, que avance Santa Lopes. Foi o melhor Presidente da Câmara de Lisboa post 25 de Abril. E nem lhe deram mais tempo. Como PM foi demitido numa estorinha mal contada. Santana aceitou ser Primeiro Ministro em condições dificílimas, com o que só demonstrou coragem e patriotismo. Teve a ousadia de mexer na lei das rendas no pouco tempo que lá esteve!
Porque não, Dr Santana Lopes? O País precisa de si, precisa de Homens com verticalidade e com projectos. A sua candidatura seria uma lufada de ar fresco no vazio bafiento em que vegetamos!

a disse...

Meus Caros amigos. Acredito piedosamente que o Senhor Cardeal falou com o coração nas mãos e a sangrar. Mas há muito que a Igreja deixou de falar de proselitismo, que significa, relembro, empenho activista de converter uma ou várias pessoas a uma determinada idéia, neste caso não votar em Cavaco Silva.
Não usem o falhanço do Senhor Cardeal, parece mal da mesma maneira que pareceu mal ouvir dizer ao Queiróz que Portugal empatou porque o jogadore da Costa do Marfim tinha usado algo no braço.
Sei. Pedro, que foi chato para si o que Cavaco lhe fez nas eleições mas não acredite que vai ser um novo Alegre.Não acredite nisso.

Anónimo disse...

Caro e estimado Dr. Pedro Santana Lopes:

Concordo consigo.

Portugal não se pode confinar a uma candidatura de “boa moeda”, que avance a “passos de coelho.

Nem com um “alegre poema” vá socraticamente vá “seguro”.

A minha convicção, dessa insofismável e irrecusável verdade, é tal que, por entender que o PAÍS MERECE e PRECISA de MUITO MAIS, resolvi com uns amigos tomar uma iniciativa.

Pelo que, temos “a correr” via Facebook, o manifesto:

Desde 10 de Junho – Dia de PORTUGAL,

“PEDRO SANTANA LOPES a PRESIDENTE”

Não lhe pedimos licença.

E, como responsável pela página, também não lha venho aqui pedir.

No dia em que ganhar as eleições, não pretendo que de mim se lembre.

Pense, como sempre fez, em PORTUGAL !

Mas se, por artes de “moedas”, perdermos;

na manhã seguinte estarei a seu lado, para continuarmos a lutar pelo mesmo PORTUGAL !

Adriano Ferreira Pinto
(estou melhor identificado na página, mas esclareço que sou CDS, do tempo em tinhamos irmãos do PPD !)

lidiasantos almeida sousa disse...

Deve aproveitar esta oportunidade para se candidatar a Presidente. É um lugar á sua medida, pois é um lugar não executivo- Não precisa de levar os seus amigos e pretensos amigos que só o tem prejudicado - ex. Carmona Rodrigues - rui Gomes da Silva etc. Você tem tudo para dar um grande Presidente. É muito mais jovem do que os já candidatos, tem grande experiencia politica, é culto, bom diplomata, boa comunicação social e ao contrário do actual sabe improvisar, tem boa dicção e só usará um discurso escrito quando o protocolo o exigir. O Actual não sabe falar sem ter um papel á frente com discursos abnoxios que a maior parte das pessoas nem sabe o que ele quer dizer. Quando fala sem o papel á frente quasi sempre diz coisas que se tornam logo em polemica, Faz conspirações com os velhos cavaquistas e pior do que isso a DESPESA DA PRESIDENCIA É INSUPORTAVEL E JÁ DEVERIA TER SIDO REDUZIDA PARA DAR O EXEMPLO. Com estes exemplos você faria uma Presidencia mais leve e com menos assessores que são tantos que devem custar uma fortuna. FORÇA QUE JÁ TEM A MINHA ASSINATURA PARA A LISTA.