segunda-feira, 21 de junho de 2010

A sala de visitas

No Prós e Contras, Boaventura Sousa Santos e António Vitorino. Três socialistas e um social - democrata ligado à actual direcção do PSD. Muito pluralista, como se vê. Só defensores do acordo informal de pacto central.
Cada vez me inclino mais para me juntar aos que põem em causa a RTP: Sempre fui um grande defensor. Mas ao ver no que se tornou, não vale a pena. Fátima Campos Ferreira transformou aquele programa na sala de visitas do regime.
Cada vez estamos mais parecidos com a antiga RDA... Vários falam mas dizem todos a mesma coisa. Concordam, sorriem, trocam cumprimentos. Com Mário Soares sempre com um pensamento muito próprio e ousado, reconheça - se.

8 comentários:

Anónimo disse...

Discurso muito próprio do Dr. Mário Soares concordo. Agora ousado... entendo que seja fastidioso, para ele, falar da gravíssima situação financeira da República e que, ao contrário daquilo que ele diz, não éramos um País do terceiro mundo no final da ditadura com um crescimento económico de 8% ao anos e uma finanças públicas estabilizadas. Ele detesta o Estado Novo por ter sido uma ditadura de direita, sendo bem mais compreensivo com a ditadura jacobina da primeira república apenas por ser de esquerda. Obviamente que temos que ser compreensivos com esta figura política, que será sempre considerada como a grande referência do actual regime.
José Rocha

Rustan disse...

Caro Pedro: é a «boa moeda» - Republicana socialista e laica. Aquela que tornou este país, um antro de fome, miséria e terror. Ainda não, outra vez? Esperem, que é esse o objectivo dos «Grandes Chefes», como fizeram no séc. XIX, vão tornar a fazer.

Atenção à cólera dos mansos!

Anónimo disse...

Pensamento ousado do Dr. Mário Soares?? Disse que muito se critica e não se apresentam soluções. Totalmente errado. Soluções há muitas, não as querem é aplicar. A primeira é por ex. POUPAR (é uma palavra que deixou de existir.Agora é GASTAR, mas um funcionário da CMLisboa disse-me. Está enganado é ESBANJAR...

Luis Melo disse...

Não podia concordar mais.

Eduardo F. disse...

Caro dr. Pedro Santana Lopes,

Não há um único argumento que justique a propriedade pública de uma cadeia de rádio e televisão. Nenhum.

Excepto, claro, se o poder (o actual e o futuro) achar que convém ter devidamente controlada e teleguiada uma fonte produtora de "informação" que ignora ou desvaloriza todo o acontecimento inconveniente.

Anónimo disse...

Só agora de seu por isso. O prós e Contas da senhora dra. Fátima Campos Ferreira, transformou um bom programa inicial numa passagem de modelos do governo socialista, fazendo já nos muitos últimos programas um grande frete na "venda" do programa e pensamento deste Governo. A RTP serve para isto. Abençoada TVI.

Anónimo disse...

Não era preciso acabar com ela (RTP) formalmente.

Bastaria implementar um corte no "subsídio" de - digamos - 20%, em nome da "consolidação orçamental".

Mário Rui Gomes disse...

A RTP foi, através dos seus vários canais, o único órgão de comunicação social a mostrar Toda a Verdade das Comissões de Inquérito da Assembleia da República:

Mostrava as imagens da televisão da AR sem comentários e nesse canal Toda a Verdade era dita pelos próprios sobre Compromisso e Honra, o que falta nos outros canais (mesmo na SIC, em minha opinião).