sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Congresso das Bases

Repito aqui o que hoje escrevo no meu artigo do Sol: por mim, o Congresso pode ser marcado para tão cedo quanto possível e as Directas para logo a seguir.
Obviamente, todos sabemos que, neste momento,as negociações para sobre o Orçamento de Estado estão numa fase crucial.Mas uma convocatória de um Congresso Extraordinário não pode ser adiada. Impõe - se por si mesma e, juridicamente, é compreensível por qualquer ser medianamente esclarecido, que precede qualquer outro acto desencadeado posteriormente.

Para dissipar, também, algumas dúvidas que circulam, também na blogosfera, ninguém pretende mudar as regras de escolha da liderança e de funcionamento dos Congressos já para este processo eleitoral. Só poderia acontecer se todos estivessem de acordo.
De outro modo, qualquer alteração só pode aplicar -s e aos processos eleitorais e aos Congressos seguintes.

Se todos estivessem de acordo em que estas Directas já pudessem decorrer no segundo dia do Congresso previsto, nos termos dos actuais Estatutos, para depois da escolha da liderança, poderia ser positivo.

Por mim, o único ponto indiscutível não pode já ser posto em causa: o Congresso das Bases preceder as eleições Directas.

6 comentários:

Anónimo disse...

Para saber quem só vive do aparelho e pelo aparelho, e não para o Partido e para o País, veja-se quem quer umas directas antes de um congresso, quem quer o regimento de votos antes da discussão de ideias e da oportunidade para ouvir a coerencia e consistencia de conteudo versus a aparencia.

Fernando Rafael disse...

Segundo li no Público on line o Presiente da Distrital de Lisboa deixa subentendido que o movimento de bases já tem 2500 assinaturas e que até ao Conselho Nacional muitas mais vão aparecer para suplantarem as que foram recolhidas para a realização do Congresso e com esse argumento convocar as directas antes do Congresso.
Qual a sua opinião para esta "golpada"?

Anónimo disse...

O Congresso incomoda a nomenklatura porque ali não assustam nem fazem sindicato de voto.
O Congresso é um dos bons momentos de reacção, da boa reacção do Partido, do PSL e também dos Presidentes de Câmara que deram um bom empurrão.
Estas distritais são ridiculas.

Anónimo disse...

Sou do PSD desde que ele exite, e agora eu pergunto aos presidentes
das distritais que não querem este congresso, se ele tem alguma coisa contra o que está nos estatutos do partido, pois se há,é falar e expor o assunto...para nós militantes sabermos, pois eu assinei para a realização deste congresso, no presoposto que é legal,,,,e é agora á pressa depois das asssinturas entregues é que vém para a rua aos "berros", ou estavão á esperra que as assinaturas dessem com os "burrinhos" na água, e como tal mais um falhaço do Santana para v/ gloria !!!! tenham calma e os esperamos no congresso, espero que bem decumentados, para dizerem o que querem para o PSD e para PORTUGAL.
O que se pede a Pedro Santana Lopes é simplesmete paciencia e deixar que as coisas se resolvão no sitio certo,não deve responder aos tiros que de flagelação que vém de vários quadrantes e de muitos intereses instalados, de certo tipo de dirigentes e ex dirigentes que os apoios que dispôem no partido sáo a familia e mesmo ai tenho duvidas, e essa é mais uma angustia que eles sofrem o SANTANA ter apois no pais inteiro, ai é que está o buziles da questão.
Bom fim de semana para todos
hsantos

Dina disse...

Caro Dr Pedro!
Primeiro que tudo quero-lhe dar os parabéns , não pela condecoração que, como se sabe, levava pendurado um sapo regorgitado duma garganta proxima , mas antes pela pouca importância que deu à condecoração . Bem haja por isso ! Posso até imaginar que deve ter pensado 2 vezes antes de a aceitar . Posso também imaginar que só a aceitou, por mera educação e respeito para com a Republica Portuguesa. Mas pode ser apenas imaginação minha.
Quanto ao terramoto do Congresso Extraordinário pedido pelas bases, apetece dizer que nesta altura vão para o ring o PSD e o PPD , numa luta sem precedentes ! O actual detentor do «cinto de campeão» , o PSD, vai ter que defender o titulo na luta com o PPD ,com a particularidade de serem os jogadores a terem que estar muito atentos à plateia.
Tenho-me divertido imenso com aquelas frases : «... não sei para que serve o Congresso Extraordinário ?...» ou «..Este Congresso Extraordinário não serve para nada....» . É util ouvir isto , porque já sei por quem vão estar a bater palmas .
Bom seria , poderem sair do Congresso 2 partidos em vez de 1. Mas à falta disso, lá se terá que ir para a luta e agarrar o «Cinto » para o sitio de onde nunca deveria de ter saido, o PPD !
Vai ser duro ... Muito duro . Mas está na hora . Não se pode adiar mais a clarificação do partido .
Por analogia , o congresso extraordinário, tem a mesma função que um furão tem para a caça. Não é bonito , nem se pode utilizar como ferramenta , mas quando o furão entra pelas tocas adentro, é ver os coelhos a sairem cá para fora e a mostrar o que valem...ou o que não valem .
Cptos

silva disse...

As distritais e dirigentes não se podem comportam como claques do futebol.
O PPD/PSD deve-se clarificar, acabar com a guerrilha interna o que não significa não ser plural.
O congresso deverá servir para anunciar ao país uma estratégia coerente de forma a que os portugueses sintam que este, PSD constitue de facto uma alternativa. Para isto é necessario uma clarificação doutrinária, assumir a social democracia, (e afastar de vez a socialização) para tal e como antigamente os "inadiáveis" e seus apoiantes tem que escolher entre um satélite do PS ou um PPD/PSD onde "devemos mais preocuparmo-nos com a proxima geração do que com as proximas eleições" foram estas as palavras de Francisco Sá Carneiro no VI Congresso em 1978 Ora desde esta data que o trabalho está por fazer, e a preocupação na escolha do líder acaba por se reduzir a justamente responder à pergunta quem poderá derrubar Socrates. Não me parece ser isto que os portugueses querem mas sim um partido coeso consistente e firme nas suas ideias para "desmarxizar" a sociedade portuguesa.
Pedro Passos Coelho segue esta estratégia aplicando-se numa progressista e marxizante social democracia, julgo que o caminho não será por aí, namorar à direita do PS será um erro grave que o PPD/PSD tem vindo a pagar caro.
É necessario recuperar e cativar o espírito popular, mobilizar o PPD/PSD com energia de um partido de massas na resolução dos problemas colectivos e não continuamente a reboque de um pequeno grupo de dirigentes que só pretendem agarrar-se ao poder ou se servir dele tal como o PS tem feito.
De facto só Marcelo Rebelo de Sousa será a pessoa capaz de ser o "denominador comum", com autoridade para esta mudança de atitude no presente momento.
Este congresso poderá ser dos mais importantes para o PPD/PSD mas é sem dúvida nenhuma para os seus eleitores e simpatizantes.