quarta-feira, 25 de março de 2009

Planeamento (ou falta dele...)

Hoje de manhã, às 10hs., exactamente 45 minutos da Av. de Roma ao Chiado. E alguém, que estava no mesmo sítio, comentava que na Av. D. Carlos, hipótese de percurso alternativo para quem ia, antes, pelo Cais Sodré, uma obra, também, "à hora de ponta". Já se sabe que é ano de eleições, que desataram a fazer obrinhas, mas não se poderia planear isto melhor? Almirante Reis abaixo era também um inferno. Que falta de noção das coisas. Só quem não anda no trânsito!... Custava muito, pelo menos,ter esperado pelo Verão? Se a obra demora quatro meses, não faria sentido aproveitar os meses das férias e não fustigar todos os Lisboetas?

7 comentários:

Ricardo Araújo disse...

Boa tarde Dr. Pedro Santana Lopes raramente vemos nas autarquias planeamento, pois se assim fosse as cidades não estariam tão descaracterizadas como estão, muito menos existe planeamento em ano eleitoral, pois aqui o que interessa é fazer algumas obras, mesmo que para isso infernizem a vida de quem lá passa diariamente, mas acima de tudo a intenção é ver se consegue mais uns votos.
É pena ver a mediocridade de quem gere as autarquias, ou seja em ano eleitoral vale tudo nem que seja inventado.
Gasta-se dinheiro em obras que não eram necessárias, só por propaganda politica, senão olhemos atentamente para o nosso governo, que a todo o custo quer lançar obras, nem que megalómanas obras essas que vão hipotecar o País por décadas e décadas.
Um grande abraço, cordialmente.
Ricardo Araújo.

Jorge Cabral disse...

Caro Pedro,
Dou-lhe inteira razão. As coisas acontecem de tal maneira que ficamos sempre com a ideia que foram decididas à revelia dos elementares interesses daqueles que deveriam servir.
Será que há algum tipo de fenómeno psicológico que obnubila as mentes de quem atinge o "poder", fazendo com que os seus pensamentos orbitem em planos distintos do da realidade?

Pereira disse...

Caro Dr. Pedro Santana Lopes.
Lamento este seu Post pela simples razão que o Sr. Drº também já foi Presidente de Câmara e porventura teve o mesmo tipo de atitude e ou mesmo pensamento.
Cuidado não vá Sr. Drº cair nessa tentação se vier a ganhar as Eleições. Há muita matéria em que pode tirar vantagem sobre a actual Presidência, deixe estes pequenos apartes de lado e ganhará mais apoios pela certa.
Já agora, bem sei que nutre amizade pelo Dr. Paulo Portas mas arrisque concorrer sozinho. Não se cole tanto à direita populista e colherá frutos.

João Branco (JORB) disse...

Se a obra demora quatro meses, não faria sentido aproveitar os meses das férias e não fustigar todos os Lisboetas?

Nem todos os Lisboetas andam de carro. E este aqui partiu a mão ao cair num buraco da Almirante Reis.

Sabe que percentagem de todos os Lisboetas tem automóvel? 30%. Pense, por favor, uma cidade também para os outros 70. Obrigado

ICE disse...

Também me parece que este tipo de àpartes devem ficar a cargo de outros utentes de Lisboa. Pense como responsável que foi e que será. Lidere. Não se ilumine com a sombra dos outros. Nem com a sua própria luz que deve servir apenas para iluminar o caminho comum.

Diogo Agostinho disse...

É inacreditável estas obras. O problema de estrangulamento do trânsito deixa irritados os lisboetas, e depois sente-se na motivação do dia a dia.

Finalmente alguém diz que o verão era a melhor altura. mas não. Temos que ter inaugurações luxuosas em Setembro ou Outubro. Porque será?

Flor do Vale disse...

Caro Pedro:
Claro que em Lisboa houve um planeamento: fazer as obras mais "complicadas" num ano de eleições autárquicas! E pior ainda, torna-se incompatível a boa gestão desses processos com as alternativas que são apresentadas!
O trânsito está caótico, existem artérias que ficam absolutamente estranguladas e torna-se muitas vezes impossível tentar outras vias, o que leva ao desespero quem tem horários a cumprir. As obras do Terreiro do Paço, por ex., já podiam ter sido feitas há muito tempo...mas houve uma estratégia por trás e uma intenção para serem realizadas agora! A hora de ponta mudou...começa mais cedo! Para quem anda de táxi como eu, o que antes ficava por 6 euros já com a gorjeta incluída, fica agora por 8 ou 10 sem o bónus, dependendo do tráfego, dos problemas que entretanto podem surgir e da hora.
É, de facto, complicado viver numa cidade assim...se o problema da mobilidade já existia, acentuou-se e muito! A época do Verão seria propícia para levar a cabo estas intervenções mas para alguns, o tempo escassa e poderia ser tarde demais...