terça-feira, 10 de junho de 2008

Do piano para o bacalhau...

Interessante o trabalho sobre João Balula Cid na Revista Única do Expresso. Um excelente pianista que, por falta de trabalho, foi para uma aldeia norueguesa trabalhar na empresa de um amigo que se dedica à transformação de bacalhau. Com 51 anos, decidiu procurar outro País. Cada vez é mais assim, com Portugueses de todas as idades. E depois não querem entender porquê, neste País de mentiras e de injustiças. Cada vez se ouve mais essa conversa em todo o lado. É impressionante. E que bonita é a aldeia onde agora vive. Ele e mais alguns Portugueses. Leiam o que eles dizem que vale a pena.

3 comentários:

Um louco disse...

Dr.Pedro Santana Lopes
Se os Governantes deste planeta comprássem o Petróleo directamente aos productores,se as Galp da vida não tivessem monopólios,se os preços fossem dados em euros e não numa moeda moribunda que baixa a diário,se os lucros da Banca e das Petrolíferas pagássem 40% de imposto revertido aos que necessitam,se os PM's não mentissem tanto,se os PR's não fossem hipócritas,se a Economia não estivesse vendida aos USA,se os litros de leite vertidos a diário,o peixe,a carne,os legumes,fossem levados a quem não tem uma codia de pão para meter na boca,se em democracia se podesse trabalhar como se pode fazer greve,se os PCP's tivessem morrido como na Europa quando caiu a mais feroz ditadura do planeta na Russia ( URSS ),se os "padres" não formassem Blocos de Esquerda....Já nenhum pianista tinha que ir cortar bacalhau para o estrangeiro...

Inês Tavares disse...

Quando vejo as multidões de portugueses a vitoriar os rapazes do 'pontapé na bola', choro.
Vejo milhares de desgraçados que foram obrigados a fugir do seu país, senão morriam de fome. A emigração para a Suiça é de depois do 25 de Abril -vergonha de um regime que aumentou o fosso ricos-pobres. E depois o meu primo António é que era fascista...

Claro que a destruição planeada do PSD como alternativa a este estado de coisas está em execução visível. Entretanto já há vozes a falar que sem alternativa é o sistema que entrará em colapso. Perigoso, claro! Mas inexorável, se não houver marcha atrás.

Anónimo disse...

É uma lástima o que está a suceder a este país. Estamos pura e simplesmente a criar uma geração de portugueses a quem lhes falta tudo: emprego, auto-estima e esperança.

Desperdiçar desta forma gente qualificada e com capacidades só mesmo num país que se encontra perdido à procura de alguém que, de uma vez por todas, lhe mostre um rumo certo.

C