sábado, 29 de dezembro de 2012

Sporting

 O que se passa no Sporting já ultrapassou as marcas do tolerável. Tudo tem limites!

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Indicadores positivos?


Hotéis do Algarve quase cheios no

 final do ano

Unidades hoteleiras da região esperam ocupação acima dos 80%. Turismo espanhol continua a diminuir.
2012 - 20:41




quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

TAP? Então os sábios?






O Governo não vendeu a TAP?  Chamem os comentadores de ontem que a davam como garantida.
Repitam Jornais da Noite com quem mais sabe sobre tudo e alguma coisa. Afinal como é?
Está - se a ver o esforço que estarão a fazer para construir explicações: "o Ministro A perdeu força, o partido B não quis, a troika tem outro candidato..." e por aí fora!
Então não estava já tudo decidido?

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

DE ASSINALAR


Juros da dívida portuguesa caem abaixo dos 7%

Condições de acesso ao mercado estão a melhorar desde Janeiro deste ano.
Tesouro português tem visto as taxas de juro da dívida emitida a descer
As taxas de juro da dívida pública a dez anos mantêm nesta quarta-feira a tendência de descida dos últimos meses e estão já em alguns títulos abaixo dos 7%, a marca vista no passado como uma barreira psicológica para o acesso do Estado português ao mercado.
De acordo com os números disponibilizados pela agência Reuters, a taxa de juro implícita da OT a 10 anos que se amortiza em Abril de 2021 atingiu um mínimo, esta manhã, de 6,97%. É a primeira vez, desde Fevereiro de 2011, que um título português a dez anos se situa abaixo dos 7%.
Em média (considerando vários títulos), e ainda de acordo com os cálculos da Reuters, a dívida pública portuguesa a 10 anos apresentou uma taxa de juro mínima de 7,036% esta manhã, encontrando-se por volta das 17h30 nos 7,055%. Na terça-feira, este indicador tinha fechado nos 7,135%.
A melhoria deste indicador verifica-se desde o final de Janeiro deste ano, altura em que a taxa de juro das OT portuguesas chegou a estar nos 17,345%. O anúncio por parte do BCE de que estaria disposto a intervir no mercado obrigacionista e, mais recentemente, o acordo em relação ao prolongamento do empréstimo à Grécia, têm conduzido durante este ano a uma descida generalizada das taxas de juro das dívidas dos países periféricos. Portugal tem sido, no entanto, um dos países com um melhor desempenho a este nível, facto muitas vezes salientado pelos membros do Governo como um sinal do sucesso da aplicação do programa de ajustamento.

Eventual instabilidade política é experiência que "não se deseja", considera ex-Presidente da República.
Jorge Sampaio lembra que também passou por situações difíceis durante os seus mandatos SÉRGIO AZENHA




Jorge Sampaio disse esta terça-feira, em Coimbra, que a actual situação do país requer "muita calma e ponderação". O ex-Presidente da República considera que uma eventual instabilidade política seria uma experiência que "não se deseja".
Confrontado sobre os pedidos de demissão do Governo por parte dos partidos de esquerda, Jorge Sampaio não quis pronunciar-se, mas lembrou que viveu momentos de instabilidade quando era chefe de Estado, situação que não deseja para o país – "nomeadamente numa altura em que estamos um pouco cercados", disse.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Que diferença!

Que diferença para Portugal!
Em Espanha , em 1978, a Constituição foi aprovada por unanimidade. Todos os Partidos saíram à rua
para celebrar a aprovação. E todos continuam a identificar - se com o conteúdo.


  • Artículo de
    logo

Garantía de convivencia democrática

Artículos | 06/12/2012 - 00:00h
Mariano Rajoy
Presidente del Gobierno español
Quizás la fecha más importante del siglo XX español fue el 6 de diciembre de 1978. Ese día, en una jornada pacífica y sin duda emocionante, el pueblo español no sólo marcó un hito que ha sido reconocido como uno de los grandes ejemplos en el modo de transitar de una dictadura a una democracia y que sirvió de referencia para numerosos procesos en América Latina y Europa del Este, sino todavía hoy, es una inspiración para las nuevas olas democratizadoras de nuestro entorno mediterráneo. El 6 de diciembre fue, sobre todo, el colofón a años de diálogos, complicidades, difíciles negociaciones, duros padecimientos y cesiones generosas por parte de todos para construir un marco común de convivencia. Son innumerables los gestos que a todos se nos vienen a la memoria al recordar la intensidad de esos años y que hicieron posible llegar a un texto en el que todos cabíamos y no se excluía a nadie. Los ciudadanos así lo reconocimos apoyando masivamente un proyecto que se presentó a consulta popular, y que desde los más de 2 millones de votos de Barcelona -la provincia que más votos aportó a la Constitución- hasta los 17.000 de Melilla, que por lógicas razones demográficas fue la menor en número de apoyos al texto, contó con el respaldo masivo en todos los rincones del país.

La Constitución, a través de un delicado equilibrio, resolvió problemas que desde hacía más de doscientos años habían sido motivo de profunda e incluso violenta división en nuestro país. Todos recuperamos las libertades. Los republicanos cedieron y se aceptó la monarquía constitucional como forma del Estado. Los centralistas cedieron y se aceptó el modelo de un Estado de las autonomías flexible que reconoce y ampara los derechos históricos. España dejó de ser un Estado confesional aunque el hecho religioso se reconoció como elemento enriquecedor. El modelo económico de libremercado se hizo compatible con un compromiso expreso por el desarrollo de un Estado de bienestar. Las diferentes lenguas del Estado obtuvieron el mismo reconocimiento oficial en sus comunidades autónomas que el español.

Todo ello, bajo un preámbulo que proclama que la nación española, en su deseo de establecer la justicia, la libertad y la seguridad, garantiza la convivencia democrática dentro de la Constitución y las leyes. Todavía hoy, 34 años más tarde, las palabras del viejo profesor, Tierno Galván, siguen siendo una guía inspiradora para interpretar el sentido de nuestra Carta Magna. En esencia, acordamos en lo fundamental para poder discrepar libremente.

Gracias a lo que se hizo entonces, y a pesar de las dificultades del momento actual, en esencia la España de 2012 es mucho más fuerte y sólida que la de 1978. El Estado de las autonomías ha sido clave para desarrollar la sociedad moderna y avanzada que somos hoy en día. Además, el proceso de consolidación democrática impulsado por el texto de 1978 ha permitido a España abrirse a Europa y al mundo. En los últimos 34 años, España se ha acreditado como una pieza esencial del proceso de integración europeo siendo fundadora del euro, miembro activo de la Alianza Atlántica, destacado actor de la comunidad iberoamericana y participante permanente en el G-20.

Todos estos avances en el plano nacional e internacional deben hacernos valorar el impulso que la Constitución supuso y supone para el país. En el marco constitucional de convivencia cabe todo, todos nos podemos sentir protegidos e identificados y desarrollar los proyectos personales y sociales que deseemos. En esta libertad radica la diversidad, la creatividad y la pujanza que han llevado a España a dar un giro tan sorprendente en estas tres décadas y media.

La Constitución es una realidad viva y no un logro sepultado por los nuevos tiempos; es una referencia de convivencia que servirá para superar los retos que encara España ahora y en el futuro. Deseo larga vida a nuestra Carta Magna y ninguna lápida de nuevo cuño clausurará su intrínseco carácter abierto. Su espíritu de concordia y libertad, el respeto a las reglas que entre todos nos marcamos y el fortalecimiento de la estructura institucional en ella instaurada creo que son las mejores bases para seguir construyendo esta España plural de bienestar y progreso que queremos para todos.

Más de tres décadas después, podemos afirmar que la voluntad que entre todos consagramos en nuestro texto constitucional nos ha permitido gozar de la mayor etapa de paz y bienestar que se recuerde en nuestros cinco siglos de historia. La arquitectura que tejimos para España con la Carta Magna ha supuesto un logro social, económico, político y cultural innegable reconocido más allá de nosotros mismos.

Si en 1978 los dirigentes políticos y la sociedad civil dieron lo mejor de sí mismos para llegar a un entendimiento histórico, esa sigue siendo, a mi juicio, la mejor lección de uno de esos momentos estelares de la historia de nuestro país.


Leer más: http://www.lavanguardia.com/opinion/articulos/20121206/54357023391/mariano-rajoy-garantia-de-convivencia-

democratica.html#ixzz2EImssxrA
Síguenos en: https://twitter.com/@LaVanguardia | http://facebook.com/LaVanguardia

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Novelas

Estas novelas semanais em Portugal são muito cansativas.
Ouvi agora Ricardo Costa esclarecer lembrar que não há imagens "em bruto " de "diretos". É lógico!
Se é assim, ainda mais difícil de perceber esta história. Tenho ouvido muitas pessoas perguntarem, intrigadas, o que se passou, afinal, em tudo isto. Ninguém percebe mas ocupa muito tempo  nas televisões. Quanto mais tempo ocupa, menos as pessoas percebem.

domingo, 2 de dezembro de 2012

A Entrevista

Estive a ouvir de novo, e com mais tempo, a entrevista de Pedro Passos Coelho à TVI.
 Foi José Alberto Carvalho que perguntou: "Mas quem é o n.º 2 do Governo?"
O que haveria de dizer o Primeiro - Ministro? Que não era quem o é? Que Gaspar não é o n.º 2, apesar de o ser?
Muita da surpresa geral resulta de as pessoas desconhecerem essa realidade. Aliás, já nos Governos de Durão Barroso e no meu, Paulo Portas era o n.º 3. Manuela Ferreira Leite era a n.º2 do Governo de Barroso e Álvaro Barreto do meu.
A questão não é nova. Foi colocada a Durão Barroso e a mim. A resposta só pode ser uma. A maneira de a dar terá a ver com a maneira de ser de cada um e com as circunstâncias.

Devo dizer que discordo da generalidade dos juízos feitos sobre a entrevista. É uma boa prestação, esclarecedora em muitos pontos. Há uma frase que passou despercebida quando Passos Coelho diz, às tantas, que será importante conseguir que os reembolsos do empréstimo sejam menos concentrados nos próximos tempos.

Tem pontos menos claros? Tem. Por exemplo, o dos termos e prazos do debate sobre o Estado Social e o corte dos 4.000 milhões e - a partir de hoje- o do financiamento da Educação. Mas foi uma boa entrevista. Em bom tom, com domínio dos assuntos, com firmeza política e com lógica argumentativa. Com razão no fundo da questão? Ainda não se sabe. Mas, seguramente, com muita convicção.

Faz hoje 32 anos que a Aliança Democrática, com Francisco Sá Carneiro a liderar, ganhou, pela primeira vez, as eleições legislativas em Portugal.
Foi uma vitória histórica até porque foi a primeira a partir da Oposição, no regime instaurado com o 25 de Abril de 1974. Foi histórica porque Sá Carneiro ganhou, apesar da guerra movida por muitos notáveis do seu Partido, principalmente alguns que hoje tremem só de ouvir falar nisso. Sá Carneiro ganhou contra o Presidente da República, contra o Conselho da Revolução, contra a Imprensa estatizada (não havia, praticamente, Imprensa privada).

Francisco Sá Carneiro tinha uma fibra única. Não tinha medo, era destemido, era perseverante. Não se impressionava nada com o que diziam. Ouvia, podia respeitar, mas, se o atacavam, seguia em frente.
Como sempre sucede quando estão PSD e CDS no poder, foi um desassossego, uma agitação, uma oposição febril. O que se passa hoje é muito pouco quando comparado com o que então aconteceu.

Nesses dias, eu estava a estudar em Colónia. Ainda não tinham chegado os telemóveis pelo que tivemos de passar a noite em cabines telefónicas para ir sabendo o resultado. O José Manuel Sequeira, que estudava em Amsterdão, foi lá passar esse dia e essa noite para partilharmos esses momentos. Estava outro Português no Lar onde vivi, Miguel Quintanilha Mantas, vindo do Colégio Alemão, onde fora um muito bom aluno, para a Fa Faculdade de Economia. E, connosco, estava sempre um Brasileiro, Erick de Vasconcelos, que tirava o curso de Maestro, na MusikHochSchule.


Eram tempos de grandes combates mas, também, de esperança e entusiasmo. Sentíamos que se estava a construir um tempo novo de Portugal. No dia seguinte à vitória, não resisti e  apanhei um avião para Portugal. Os situacionistas - incluindo os do PSD - estavam atordoados. Mas o principal é que muita gente estava radiante, mesmo eufórica. Ninguém podia imaginar que esse sonho, com Francisco Sá Carneiro, duraria um ano.