segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Proposta certeira

Lamento mas não concordo com a argumentação de Marcelo Rebelo de Sousa sobre a refundação do acordo com a troika. Dizer - se que é errado porque dá ao PS a oportunidade de se desvincular é analisar pelo lado da tática, ou da jogada político - partidária e esquecer o essencial: o País precisa ou não de um novo acordo ( ou de uma profunda revisão deste),?

Julgo que todo o País sente que este está desatualizado. Muito já aconteceu desde que foi negociado e assinado. A própria troika e os seus membros já se interrogaram, publicamente, sobre os seus efeitos.
Se o PS se quiser pôr de fora desse processo que os Portugueses sentem ser mais do que necessário, será algo de comparável ao erro que aqueles que  não falaram inicialmente com a troika reconheceram ter cometido.

Refundar é renovar, fazer de novo, um programa para a emergência em que o País se encontra. Se o PS "se pusesse de fora" estaria a atentar contra o seu estatuto e a sua imagem de Partido de Governo e ficaria numa posição equivalente à das forças políticas mais radicais. É o PS que tem exigido renegociação, com mais tempo e outras condições. Então?

Penso que não é um erro o que Passos Coelho propôs. Agora, depende da sequência.

sábado, 27 de outubro de 2012

Bolonha

A propósito do sistema educativo, lembro - me das conversas que tive, em 2004 - 2005, com a "minha" Ministra do Ensino Superior, Graça Carvalho, sobre o processo de Bolonha.
Nunca gostei de tais alterações que sempre  tresandaram a asneira. E asneira a vários títulos: pouco tempo na formação universitária, confusão entre graus, entradas precoces em mercado de trabalho.

Bolonha veio confundir licenciaturas com bacharelatos, por um lado, e com mestrados, pelo outro. Cada vez é mais frequente ouvir Universitários dizerem: " acabo o curso este ano " e provocarem surpresa pela rapidez. Mas, logo a seguir, retorquem: " Mas vou fazer o mestrado!!...".

Fazer o mestrado é bom mas não como substituto de metade da licenciatura. Um mestrado é um aprofundamento, uma especialização, por vezes uma especificação, da formação geral recebida na licenciatura.

Tenho um Filho em Direito e dois em Gestão ( uma na Nova, outro no ISEG). Vou, pois, acompanhando, para além do meu contato regular com a Universidade. É muita matéria em 4 anos e as matérias necessárias são cada vez mais.

É preciso não ter receio de pôr em debate, para decisão, a substituição do quadro traçado por esse acordo internacional. As pessoas precisam de sentir  que se aprende com os erros e que se trabalha para pôr em ordem aquilo que não provou. Há dias, Jorge Miranda falou muito bem sobre os erros de Bolonha.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

De pernas para o ar

Desta vez não foi o 31 da Armada... Foi do Pátio da Galé!! Quando a coisa está "enguiçada", até a Bandeira fica virada ao contrário.
No Pátio da Galé... Tudo mais recatado mas os discursos serão, certamente, duros. É disso que o País precisa. E haverá Conselho de Estado outra vez? Se há novas medidas!...