segunda-feira, 28 de junho de 2010

Boa explicação

José Manuel Fernandes, sexta - feira passada, em mais um dos interessantes artigos que vem publicando no jornal de que foi Director, elencava vários casos de Prémios Nobel da Literatura em cujas cerimónias fúnebres não esteve presente o respectivo Chefe de Estado. Entre eles, o caso do País vizinho com Camilo Cela.
Essa sim, é uma boa argumentação. Não temos de copiar, mas, obviamente, há padrões de comportamento, nomeadamente, em matéria de protocolo para Chefes de Estado. Quando se fazem estes exercícios, damo - nos conta de como somos provincianos.

sábado, 26 de junho de 2010

Não se faz

Um Presidente da República não pode dizer que quem lesse os indicadores percebia onde o País ia chegar e ter consentido, por omissão, que isso acontecesse. Se era assim, porque não impôs,logo a seguir às eleições de Outubro,outro tipo de Governo? Porque não impôs,como tenho repetidamente defendido, um Governo de Salvação Nacional?

Por que razão, então, a cooperação em vez da clarificação estratégica? Só agora,outra vez próximo das eleições presidenciais, quer "separar águas" do que foi o "seu" Primeiro - Ministro durante 5 anos? ´

É que se era fácil- e também penso que era possível- ler e prever o que aí vinha, qual a razão para não ter usado os seus poderes para evitar a tal situação insustentável? Os poderes não são para serem usados de modo a evitar graves danos para o País? Repito: se era possível prever, nas próprias palavras do Presidente!...

Durante estes 5 anos, José Sócrates foi Primeiro - Ministro. Mas Cavaco Silva foi Presidente da República. Eu sei o que sente um Primeiro - Ministro que vê o Presidente a fazer determinado tipo de intervenções. E não pode acontecer. José Sócrates pode também já ter cometido erros no relacionamento institucional. Mas um Chefe de Estado, também aí, deve ser o primeiro a dar o exemplo.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

O mesmo lugar

Foi muito maçador o jogo entre Portugal e o Brasil. Mas passámos. E a força do futebol é tão grande que nem ninguém falou do debate quinzenal com o Primeiro - Ministro. E como os temas são importantes. E compreendo o que disse José Sócrates sobre o que custa tentar falar do que é positivo em Portugal. Cavaco Silva também não gostava quando era Primeiro - Ministro e Mário Soares, como Presidente da República, fazia intervenções, com tom negativista, sobre a situação de Portugal.
Não tenho nenhuma razão para ser compreensivo com José Sócrates. Mesmo nenhuma. Mas a Religião que professo diz - nos que temos de saber colocar - nos no lugar do próximo. O que é ainda mais fácil quando,no caso, já se esteve no mesmo lugar. José Sócrates está, eu já estive, Cavaco Silva também. Ah, e Mário Soares também já tinha estado e também se esqueceu.
Como era bom que não fosse sempre assim.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Cuidados de seda

A escritura da constituição da Fundação Arpad Szénes - Vieira da Silva foi celebrada, em Janeiro de 1990, no gabinete do então Presidente da Câmara de Lisboa, Engº Nuno Abecassis. Foi o meu primeiro acto oficial, enquanto Secretário de Estado da Cultura, e participaram, também, o Dr. José Azeredo Perdigão, pela Fundação Gulbenkian, o Dr. Rui Machete, pela Fundação Luso - Americana eo Engº Arantes e Oliveira, peloa Fundção Cidade de Lisboa. Ainda hoje faço parte do Conselho de Curadores da Fundação.

Manuel Pinho foi agora nomeado Presidente do Conselho Directivo. Com a devida vénia, mais um socialista numa Presidência. Neste caso, não será, certamente, por morar perto da sede da Fundação,sita no Jardim das Amoreiras. Quem o nomeou deve ter pensado na sua aptidão para conseguir apoios mecenáticos. Admito.

Lembro, com saudade, os tempos em que trabalhei, com Manuel Cargaleiro e sua Mulher, bem como com o Arq. José Sommer Ribeiro, para que Maria Helena Vieira da Silva se entusiasmasse com o projecto desse Museu. Várias visitas fizemos à sua casa de Paris, na Rua Abbey Carton, nº34. É justo salientar, ainda, o papel que o então Primeiro - Ministro e a sua Mulher,Maria Cavaco Silva, desempenharam em todo esse processo.
Tanta história para contar desses momentos extraordinários.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Afinal, Zeinal?

Zeinal Bava garante que a Vivo não está à venda. Mas, na mesma ocasião, diz que o preço oferecido pela Telefónica é baixo, que ainda não reflecte o valor da empresa brasileira. Afinal, está à venda, ou não?

7-0

SETE A ZERO.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

A sala de visitas

No Prós e Contras, Boaventura Sousa Santos e António Vitorino. Três socialistas e um social - democrata ligado à actual direcção do PSD. Muito pluralista, como se vê. Só defensores do acordo informal de pacto central.
Cada vez me inclino mais para me juntar aos que põem em causa a RTP: Sempre fui um grande defensor. Mas ao ver no que se tornou, não vale a pena. Fátima Campos Ferreira transformou aquele programa na sala de visitas do regime.
Cada vez estamos mais parecidos com a antiga RDA... Vários falam mas dizem todos a mesma coisa. Concordam, sorriem, trocam cumprimentos. Com Mário Soares sempre com um pensamento muito próprio e ousado, reconheça - se.

domingo, 20 de junho de 2010

De Centro,de Esquerda ou de Direita?

Freitas do Amaral. Ângelo Correia e Mário Soares convidados na Universidade de Verão do PS.
Compreensível- Nenhum problema.
Freiras do Amaral reafirmou o apoio à recandidatura de Cavaco Silva. Não é incompreensível.
Nas jconsiderações que teceu sobre a opção anunciada, Freitas do Anaral, antigo Ministro de Estado de José Sócrates disse que seria um erro esytatégico a "direita" apresentar ouytro candidato para além de Cavaco Silva. Só uma pergunta: quando faz essa afirmação, quando diz que seria um erro, está a pensar em quem? Na "Direita"? Mas, voltou?

sábado, 19 de junho de 2010

Como entender?

O Sporting tem Stoikovich, guarda - redes da Selecção da Sérvia e vai contratar Nilsson do Guimarães? O novo treinador tem mesmo de trazer alguém de lá? Stoikovich ainda não pagou, estes anos, a sua culpa, seja ela qual for)?

sexta-feira, 18 de junho de 2010

De bradar aos Céus

http://dossiers.publico.clix.pt/noticia.aspx?idCanal=1351&id=1205906
http://dossiers.publico.clix.pt/noticia.aspx?idCanal=1351&id=1205869
http://www.portugal.gov.pt/pt/GC16/Governo/Ministerios/MOPTC/Documentos/Pages/20041105_MOPTC_Doc_Scut.aspx



O que acabei de ouvir na Quadratura do Círculo passa todas as marcas! Não estão em causa as qualidades das pessoas. Mas, é preciso muito descaramento ou muita falta de memória: houve um Primeiro - Ministro que, só há 5anos, disse tudo o que hoje disseram aquelas pessoas: fui eu.
Por causa disso, fui fustigado, atacado no meu próprio Partido, muito prejudicado eleitoralmente. As SCUTs não tiveram só como consequência o prejuízo do erário público: deram uma maioria absoluta a um Partido e ao seu líder.
Dia 30 de Setembro de 2004, no final de um Conselho de Ministros em Coimbra, fui eu próprio, como Primeiro - Ministro, fazer a Conferência de Imprensa, para anunciar essa grande decisão de introduzir portagens nas SCUTS. E quero tornar claro que fui eu o responsável por essa decisão. O único que fez questão de seguir essa linha. Quando tomámos posse, constatámos que o Governo de Durão Barroso tinha um estudo para prorrogar o deferimento pra a metade da década de 30 deste século XXI. O meu Ministro, um gestor reputado, à partida, trouxe - me essa proposta. Fui eu que disse que não, que disse que era essencial impor o princípio do utilizador - pagador. O Ministro foi convencido e, depois, defendeu esse caminho com inteligência e coragem.
Mas, hoje, que oiço tantos a dizerem o que eu dizia, quero sublinhar que fui o único a dizer, mal cheguei ao Governo, que tínhamos de seguir esse caminho. Quem apareceu a defender - me?
Agora, todos consideram evidente. Pois! Parecem os que só viram que o regime soviético, e seus satélites, era mau depois de ter caído o Muro de Berlim.
Para culminar, o programa terminou com a defesa do escalonamento das Taxas moderadoras em função dos rendimentos. Até o Presidente da República me criticou, publicamente, quando eu estava a representar Portugal, na Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque, exactamente por ter anunciado essa minha orientação.
Amanhã, em artigo no Sol, falo exactamente disto: das receitas erradas e dos que foram responsáveis por elas. Não podem ser eles a conseguir que os Povos saiam da crise. Isto está tudo errado, está tudo ao contrário, e as verdades têm de ser ditas. Os autores destas asneiras, os cúmplices, os corifeus, os arautos, os serventuários, incomodam -se. Mas há tempos em que ainda é mais vergonhoso ser covarde do que já o é em qualquer altura normal.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Mais, não!

No Conselho Europeu de hoje, muito importante o equilíbrio entre a concertação europeia e a firmeza na salvaguarda da dignidade nacional.

Não mais EUROPA, mas MELHOR EUROPA. Mais do que não provou, nem pensar. Racionalizar, corrigir, aperfeiçoar, equilibrar o que já existe. Isso sim.

Melhor

A Espanha perdeu. Mas que bem que joga. É melhor empatar? Normalmente, sim.
O Uruguai também fez um bom jogo. E ganhou. É melhor ganhar? Claro que sim.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Elucidativo

A propósito do número de remates, no jogo de ontem, confiram:
http://pt.uefa.com/worldcup/statistics/round=15220/teams/index.html

Já agora, quanto a uma questão posta por Catarina, devo dizer o seguinte:
1- O horário de trabalho dos Deputados não tem nada a ver com o regime geral. Sem "blagues", têm uma margem de manobra muito diferente para a marcação das reuniões, principalmente, das Comissões;
2- Penso que não fez sentido, acima de tudo, por se tratar do Secretário de Estado do Desporto. Penso que se tratou de uma desconsideração a vários níveis, nomeadamente, pela SEWlecção e, também, pelo Membro do Governo;
3- esclareço que não exerço as funções de Deputado.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Rídiculo

Sem sentido, a reunião no Parlamento, com o Secretário de Estado do Desporto, à hora do jogo de Portugal. Que sentido fez? Rídiculo.

Já agora, a propósito de rídiculo, e da "protecção" de Drogba, não há vários jogadores que actuam até de capacete? Por exemplo, Peter Cheh, guarda - redes do Chelsea e também um jogador do Inter, Chivu. Não se criem "cortinas de fumo".

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Sistemas semi - presidenciais

Este post não é escrito por qualquer posição pessoal em relação a próximas eleições. É, tão só, porque considero impróprio o modo como alguns são indiferentes á sua própria ignorância e como se tentam aproveitar do desconhecimento de outros.
Sabem quantos candidatos houve na 1ª volta das eleições presidenciais, em França, em 2007? DOZE CANDIDATOS, quatro dos quais de Direita. Passaram à 2ª volta, um de Direita, outro de Esquerda.
E em 2002, sabem quantos concorreram? QUINZE CANDIDATOS, sete dos quais de direita ou extrema - direita. Sabem quem passou à segunda volta? Um de Direita e outro de extrema - direita. Como os Socialistas estavam "mal vistos" pela acção do Governo, Lionel Jospin foi afastado na primeira volta.

Ainda nas mais recentes eleições,as tais de 2007, François Bayrou fez uma forte disputa, no centro - direita,com Nokolas Sarkozy. E Sarkozy foi eleito Presidente contra uma forte candidata como o era Segoléne Royal.

Em França, cujo sistema de governo inspirou o nosso, do que não há memória é de uma só candidatura, na 1ª volta, de um lado ou de outro do espectro partidário.

domingo, 13 de junho de 2010

UMA SEMANA?...

À chegada a Lisboa, Nani disse que deve recuperar da sua lesão no pprazo de UMA SEMANA?
Importa - se de repetir? UMA SEMANA?

Sobriedade

Sobriedade na cerimónia de Lisboa dos 25 anos de adesão de Portugal ao projecto europeu. Não pude aceitar o convite para estar na de Madrid, mas, pelo que vi na Televisão, a característica foi idêntica.
Mário Soares e Filipe Gonzalez estão em forma. Ao almoço, fiquei na mesma mesa, e perto, do ex - Presidente do Governo de Espanha e pude confirmar como está bem por dentro dos temas importantes da Europa e do Mundo. E com opiniões muito personalizadas, como sempre foi seu timbre.
Impressionantes eram as diferenças entre as fotografias, nos pendões colocados nos claustros dos Jerónimos, dos intervenientes na´assinatura do Tratado em 1985 e a actual realidade. Passaram 25 anos. É tempo.
Em conversa com Manuel Marin, entre outros, constatámos que Mário Soares, apesar do papel que desempenhou, nunca esteve num Conselho Europeu. Quando o Tratado de adesão entrou em vigor, éra já Cavaco Silva o Primeiro - Ministro e Mário Soares foi eleito Presidente da República. E, como o nosso sistema semi - presidencial é um pouco diferente do Francês, o Presidente não vai a essas reuniões.

Já agora, para os cristãos - novos da "Direita", nessa altura, eu fui nomeado Secretário de Estado da Presidência do Conselho por Cavaco Silva.

sábado, 12 de junho de 2010

25 anos


25 anos de adesão ao projecto Europeu.
Tantas esperanças!... E que balanço, um quarto de século depois?
De modo sumaríssimo: bom nas estradas,bom nos equipamentos, bom em infraestruturas básicas que estavam ainda em falta. Muito complicado nas consequências para o nosso tecido produtivo, para alguns sectore industriais. Péssimo para a Agricultura e para as Pescas.

Sem dúvida, há vantagens num mercado de centenas de milhões e numa moeda comum com Estados poderosos. Mas tem os seus contras: não podemos proteger o que é nosso e,por outro lado, o desmantelamento aduaneiro levou a que muitas empresas não aguentassem ostermos de competitividade.

A mesma moeda, o mesmo Passaporte, uma política externa cada vez mais comum. Somos Europeus, embora cada vez mais longe da média dessa Europa. Mesmo nos níveis de qualificação, em que tanto investimos.
Já alguns anos de estar juntos, como cantava Patxi Andion.

Bonita a Festa

Bonita a africana festa de abertura do Mundial de Futebol.Bom jogo o de abertura. Gosto sempre da técnica mexicana e gostei da criatividade prática da África do Sul.
Já o Uruguai - França. pelo que me disseram, foi zero de golos e de exibições. A Selecção Francesa continua sem se reencontrar. Neese grupo, tudo "em aberto".

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Escolhas inexplicáveis

Dizia o tal comentador, no programa da semana passada:" tenho informações de que a banca Portuguesa está com problemas de liquidez"!!!...

Imaginem a informação reservada que tinha: até estava, há vários dias, na primeira página de todos os jornais.

É uma pena dar - se tanto tempo a quem nada sabe e nada tem para dizer. Nos tempos de hoje, não são só as escolhas dos políticos que devem ser escrutinadas. É que nalguns casos, só o "amiguismo", o clientelismo, o nepotismo, mesmo, pode explicar certa opções.E dar espaço para alguém ser ouvido pela Comunidade é um acto de grande responsabilidade social.

Passatempo

Como é Feriado, se alguém puder fornecer algum dado curricular sobre o tal comentador, poderá ser útil... Qual a razão pela qual foi escolhido para falar todas as semanas?
Atenção: este asssunto tem pouca importância. É só um passatempo.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Injustiça

Em minha opinião, o que Marcelo Rebelo de Sousa disse sobre a certeza de uma derrota de Cavaco Silva numa segunda volta das eleições presidenciais, é muito desagradável para o actual Presidente da República.

Com efeito, dizer que Cavaco Silva, se for sózinho com Manuel Alegre, perde, é muito forte. É a maior crítica que se pode fazer a um candidato: só ganha se não for mais ninguém da sua área política.
É que há segunda volta nas eleições presidenciais exactamente para poderem ir à primeira volta os que sentirem que o devem fazer.

Em França, Dominique Villepin, ex Primeiro - Ministro de Jacques Chirac, deverá ser candidato na área de Sarkozy. Como sempre aconteceu, "à direita" e "à esquerda":Giscard D Éstaing, Jacques Chirac, Raymond Barre, François Miterrand, Georges Marchais e vários outros. Como Marcelo bem sabe.

domingo, 6 de junho de 2010

O que fazer?

Com franqueza, não sei a quem vale a pena escrever. Ontem, ouvi parte de um programa que, por vezes, apanho no zapping. E que uma ou outra pessoa, numa sala de amigos, sugere que se oiça. Confesso que, por iniciativa própria, não o faço. Ontem, foi por sugestão e eu disse logo ao meu amigo, que falou nesse programa, que não me apetecia ouvir falsidades ou ser insultado.

Mais uma vez, assim foi. E é sempre Daniel Oliveira ou Pedro Marques Lopes. Da comentadora, não me apetece falar. Já lá vão anos e continua a não me apetecer. Aliás, gostaria até de a ouvir dizer o que pensa sobre mim em matéria de Presidenciais. Gostaria mesmo muito. Será que se lembra?

Mas o que mais me indigna são as falsidades. E aquele participante, cujos dados já procurei, uma ou duas vezes, voltou a mentir.Já procurei na net, já procurei o endereço, perguntei a algumas pessoas quem é, de onde veio, porque fala e escreve em Órgãos de Comunicação. Um amigo meu disse - me que é " de Família com posses" e que é amigo de Pedro Passos Coelho. Se quiserem confirmar, procurem na net. Eu não encontrei mais.

Disse ele que eu descobri só agora a questão do casamento entre homossexuais e que essa é a única razão pela qual tenho defendido a possibilidade de uma candidatura alternativa à Presidência da República. É MENTIRA.

Já em 2005, na campanha das Legislativas, que disputei com José Sócrates, quis que este assunto fosse tema de campanha. Manifestei, logo nessa altura, a minha posição , de modo inequívoco. Fui áté acusado de ir longe de mais a falar do assunto, o que nunca aceitei. Para além disso, fui Mandatário Nacional para a realização de um Referendo sobre o Projecto que se tornou Lei e tenho vários escritos e respostas a inquéritos, desde há anos, em que manifestei esse entendimento.

O que fazer? Como é possível uma Televisão dar guarida a gente que MENTE deste modo? Aliás, o dito participante, antes dessas palavras, estava o programa quase a acabar e gritou: "esperem, esperem, que TENHO de dizer isto"... Tinha de dizer. Interrompeu os outros e lá veio mentira.

sábado, 5 de junho de 2010

J.E.M. e companhia

José Eduardo Moniz não gostou do que eu disse nos últimos tempos sobre o Jornal da Noite de Sexta na TVI e sobre a sua contratação pela Ongoing.

Devia aproveitar o seu espaço nos jornais para explicar como é possível indignar -se tanto com Sócrates e o processo PT-TVI e ter sido contratado por aqueles que estavam nesse processo a executar a estratégia que ele tanto contesta, para afastá -lo e à sua Mulher?

A QUESTÃO É ESTA: como foi possível ter sido contratado? E por quanto?Pode esclarecer?

O contrário

Vi agora a 1º página do Expresso de amanhã... Vi lá escrito que eu teria dito que " Cavaco e Alegre são parecidos". Pois penso exactamente o contrário: são muito, muito diferentes. O que eu disse foi que têm uma leitura parecida da Constituição. Por aquilo a que se tem assistido da prática de Cavaco Silva e por aquilo que Manuel Alegre tem dito, parecem comungar de uma leitura excessivamente estática da Constituição.
Espero que o desenvolvimento da notícia, "dentro" do jornal, corresponda ao que penso e ao que disse.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Post scriptum

Nota prévia:este post deve ser considerado um post scriptum do anterior.

Li hoje o DN de ontem. MANTENDO TUDO QUE PENSO, devo precisar que o DN me perguntou, anteontem, a haver outro candidato, se a data da decisão seria Setembro. Eu respondi que me parecia tarde e que seria mais provável até ao fim de Julho. Mas que eu não sabia, porque não andava envolvido em "conspirações" e nõ tinha qualquer responsabilidade no processo para além das que decorriam das opiniões publicamente manifestadas. E, pumba, lá diz o Sol,hoje, face à 1ª página do DN, que eu sou o único que não desisto.
O Sol tentou contactar - me ontem, mas eu estive fora de Lisboa no aniversário dos meus Filhos.

Já com o Congresso Extraordinário, o DN pôs em manchete, no dia seguinte a uma entrevista comigo, que eu queria acabar com as Directas. Foram semanas de debates sem razão...

Fino Recorte

Começaram as ofensas e os ataques dos servos da gleba, desta gentinha mal educada que pensa que ainda impressiona. Na blogoesfera ou na Imprensa escrita, soltam logo o que de mais autêntico têm em si. Repito: não impressionam, estes "Drs". sem licenciatura...

Falando de pessoas cuja opinião é escutada, lá veio António Capucho novamente falar em estupidez... Quando critica, o Conselheiro de Estado de Cavaco Silva fala, normalmente, em estupidez, patético, disparate. São três termos que lhe são muito caros. Cada um tem os seus e compreende - se que ele escolha esses. A mim, já me chamava muitos nomes quando eu, nos anos 80, defendia Cavaco Silva para Primeiro - Ministro

A sua entrevista ao I, apear do título, é simpática e moderada, excepto para com Cavaco Silva a quem critica, "entrelinhas", por quase não ter falado da crise e por ter falado menos do que sobre temas de menor importância... Ah, e admite que a decisão sobre a lei do casamento entre pessoas do mesmo sexo podia ter sido outra.

Marques Mendes também veio dizer algo. Também falou em disparate. Disse que Alegre está fraco e que não pode haver mais candidatos. Será que este social- democrata, campeão do lugar - comum e que descobriu, em 2005, o PARADIGMA do Novo Político, quer que Cavaco Silva concorra sózinho?
Se os outros candidatos, assumidos ou hipotéticos, são tão fracos, porque se preocupam tanto?

Marques Mendes disse que Paulo Portas e eu estamos sem espaço político. E que o Cardeal - Patriarca foi injusto e não teve razão nas críticas a Cavaco Silva...Já ele é só margem de manobra. É um fulgor por esse país fora. Quando fala, as audiências "disparam" e tudo o que diz é justo.

Que esteja sossegado na sua vida profissional em Coimbra ou Viseu. Cada um está no seu trabalho e o meu vai bem, obrigado.

Convençam - se do seguinte: não impressionam e muito menos fazem aqueles que são dignos desviar - se do que consideram ser a obrigação para com as suas convicções.
E quanto mais falam assim, mais ajudam o que gostavam que não acontecesse.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Claro

Sexta - Feira, no Sol, escrevo sobre o que está em causa com a oferta feita pela Telefónica à PT para ficar com a Vivo. E, claro, digo qual a minha posição.

Mudou?

Barack Obama foi eleito há cerca de ano e meio. Será que os EUA e o Mundo mudaram de acordo com o que esperavam os que nele votaram e tantos que, pelo Mundo fora, vibraram com a sua eleção? Não se sabe, até porque não se ouvem!... Entusiasmados? Não parece. Desiludidos? Talvez...
Faltam poucos meses para a eleição para o Congresso.