sábado, 28 de Março de 2009

Too much!...

Barack Obama está a expor-se demasiado. Aquela entrevista a falar dos quartos e das salas da Casa Branca...Porquê? Onde estão os estrategas da campanha? Um, David Plouffe, vai estar em Lisboa, na próxima segunda-feira, para uma conferência na Universidade Católica, a convite de António Cunha Vaz. Se é isso, se andam mais elementos da equipa da campanha em viagem, convinha organizar as escalas de serviço e ficar alguém em Washington. É que têm sido demasiadas as intervenções pouco inspiradas. Para ser simpático...

Mais dífícil

Portugal empatou com a Suécia. Importa reconhecer que dominou muito e que jogou bem, em vários períodos do jogo.
Agora, com a Dinamarca longe, após nos ter ganho em casa, e com a Suécia com menos um jogo, e o mesmo número de pontos, após dois empates connosco, as coisa não estão nada fáceis. Mais a Hungria, com o mesmo número de pontos da Dinamarca, embora, neste caso, ainda com os dois jogos para disputarmos.
É muito importante, sempre, estar na fase final de um Mundial, mas neste, da Àfrica do Sul, é especialmente relevante.Por razões que todos nós, Portugueses, sentimos.

Alfredo Farinha

Alfredo Farinha: um Homem sério, frontal e corajoso; um Jornalista com aqueles atributos a que se soma o da competência. Paz à sua Alma.

quinta-feira, 26 de Março de 2009

Planeamento (ou falta dele...)

E é bom lembrar que os Lisboetas prejudicados não são só os que andam em carro privado. Também os os que usam transportes públicos. Rodoviários, naturalmente. Que esperam e desesperam até para não chegarem atrasados aos seus locais de trabalho

EARTH HOUR




www.earthhour.org/

EARTH HOUR- Sábado, 28, para Domingo, 29 de Março.

Planeamento?...

Mais impressionantes são as obras num dos sentidos da Av. Almirante Reis ao mesmo tempo que decorrem as obras na zona do Terreiro do Paço e que têm levado a todas as complicações em muitas vias de Lisboa. Que tipo de planeamento é esse, que permite trabalhos numa Avenida tão importante, ao mesmo tempo que essa outra intervenção, em curso,por causa do saneamento?

quarta-feira, 25 de Março de 2009

Planeamento (ou falta dele...)

Hoje de manhã, às 10hs., exactamente 45 minutos da Av. de Roma ao Chiado. E alguém, que estava no mesmo sítio, comentava que na Av. D. Carlos, hipótese de percurso alternativo para quem ia, antes, pelo Cais Sodré, uma obra, também, "à hora de ponta". Já se sabe que é ano de eleições, que desataram a fazer obrinhas, mas não se poderia planear isto melhor? Almirante Reis abaixo era também um inferno. Que falta de noção das coisas. Só quem não anda no trânsito!... Custava muito, pelo menos,ter esperado pelo Verão? Se a obra demora quatro meses, não faria sentido aproveitar os meses das férias e não fustigar todos os Lisboetas?

domingo, 22 de Março de 2009

Obrigatório

No www.lisboacomsentido.blogspot.com anunciada a nova fase de textos sobre matérias carecidas de verdadeiro esclarecimento, antes de se passar à análise e debate dos programas e dos projectos de cada candidatura à Câmara Municipal de Lisboa. Um passo importante, a dar com firmeza.

Porque será?

A propósito dessas palavras, repetidas, de Manuela Ferreira Leite, um exemplo recente, para reflexão.
A Distrital de Lisboa do PSD, liderada por Carlos Carreiras, emitiu, há mais de uma semana, um comunicado sobre a presença de António Costa no programa Quadratura do Círculo e o facto de ser candidato às eleições autárquicas. Lembrou os precedentes de candidatos autárquicos, como eu e Fernando Seara, em 2001, termos saído de um programa desportivo até por a Alta Autoridade para a Comunicação Social também, assim, o ter entendido. Posição política com alguma relevância, sem dúvida. Correcta, no plano dos princípios. Que é importante serem lembrados. Embora , na prática, não faça diferença que António Costa esteja no programa , pois a situação só tem algum efeito quando ataca os seus adversários eleitorais sem que estejam presentes. E, nesses casos, a atitude fala por si mesma. No resto, na prática, é indiferente. Apesar de não o ser, repito, no plano ético.
A questão está em que esse comunicado, praticamente, não foi difundido. Que regime é este, que selecciona as notícias consoante as pessoas envolvidas? Que regime é este, que trata situações iguais de modo diferente? Aliás, não são iguais um programa desportivo e um programa político.
Este é só um exemplo do que se tem passado com o PSD. Tem havido muitos e muitos continuam a existir. Por isso, também, o PSD não é ouvido. Quando acordarão algumas pessoas para esta realidade do regime que faz sentir os seus efeitos a níveis inadmissíveis?

A história repete-se

Manuela Ferreira Leite disse, há dias, que ninguém a ouve, ou que ninguém ouve o PSD.
Em 17 de Maio de 2008, há menos de um ano, durante as eleições directas para a liderança do Partido, afirmou: "o PSD tem feito oposição, o problema é que ninguém o ouve". Repetiu, aliás, a ideia, nessa ocasião, em debate televisivo.

sábado, 21 de Março de 2009

Dados úteis

Com tanta polémica em torno do Provedor de Justiça e tantas pessoas a darem sentença sobre o impasse na sua substituição seria bom que a sociedade portuguesa procedesse a um balanço sobre o que tem representado, para os cidadãos deste País a existência desta instituição0. Tem sido útil? Em que domínios? Qual o grau de conhecimento da existência desta figura constitucional? Quantos Portugueses recorreram, ao longo destes anos, à Provedoria de Justiça? Quais os resultados que obtiveram?
Algumas dessas respostas estão, certamente, nos relatórios anuais da Provedoria. Outros necessitariam de uma análise e de uma ponderação que está por fazer.
Trata-se de uma entidade com inspiração, em boa parte, na Escandinávia e na figura do Ombudsman e que não existe em todos os Países, mesmo os da União Europeia.
A sugestão desse balanço não implica qualquer juízo prévio. Mas essas avaliações devem ser feitas com regularidade para se poder aperfeiçoar, mantendo aqui, alterando acolá, o nosso sistema institucional.

sexta-feira, 20 de Março de 2009

Não se discutem.

Hoje começou a Primavera. Há 8 anos, começou, como é costume, a 21 de Março.
Nesse dia, a 21 de Março de 2001, fiz, no Centro Cultural de Belém, a apresentação da primeira candidatura à Câmara Municipal de Lisboa. As eleições foram em 16 de Dezembro.
Em 2009 o começo da Primavera marca, também, a sensação de que há uma luz bonita no horizonte. Trabalhar com a certeza de que vai valer muito a pena.
Amanhã, novamente, e também a partir das 0 horas, outro passo. Em http://www.ouvirlisboa.com/. Para saudar a Primavera, que merece. Há quem prefira fazê-lo só no Outono. Gostos não se discutem.

terça-feira, 17 de Março de 2009

O que se passa?

O Movimento do Partido da Terra realizou o seu Congresso na Madeira, aprovou a estratégia e elegeu os Dirigentes para o mandato que agora se inicia. Como novo Presidente, Pedro Quartin Graça. Ora, na generalidade da Imprensa, nem uma notícia. O Congresso foi no Funchal e na Madeira teve a devida cobertura noticiosa. Para cá, para o Continente, vieram as mesmas notícias e, com a excepção do Jornal de Notícias e do Meia Hora, nada.
Ainda por cima, o MPT está representado ,por dois Deputados, na Assembleia da República e, para além do mais, é referenciado com alguma frequência pela identidade das suas posições programáticas. O que se passa com a Democracia Portuguesa?

domingo, 15 de Março de 2009

Muito sério

Vi, às duas da manhã, que estava a dar a repetição do Expresso da meia-noite.Não tinha visto na sexta-feira, até porque estava, com gosto, num jantar com os responsáveis do Clube dos Pensadores, num magnífico restaurante no Porto, o D'Oliva.
Nesta repetição, só vi as imagens e durante cinco minutos, até porque já tinha lido um post, sobre o tema, no Blogue Tenho Dito e estava na hora de descansar.
Ainda confirmei que se tratava dos quatro anos de Governo... E quem participava? Os convidados Ministro Santos Silva, Rui Oliveira e Costa, Henrique Neto e Paulo Rangel. Três militantes do PS ( apesar de o terceiro ser crítico) e, ainda, Ricardo Costa e Nicolau Santos, jornalistas insuspeitos de antipatia pelo Primeiro-Ministro e pelo Governo.
Mas o que é isto tudo? E ninguém protesta? É este o pluralismo garantido pela Constituição? Já sei que Oliveira e Costa é especialista em sondagens... Pois, mas é como nos antigos Estados Socialistas: são todos de áreas diferentes mas dentro da regra que é serem todos do Partido. Aqui não eram todos, está bem: em seis pessoas, uma é da Oposição., o social-democrata Paulo Rangel.SIC?
Isto é mesmo muito sério. Estamos cads vez mais próximos de certos regimes sul-americanos e cada vez menos uma Democracia europeia. Mas o Povo vai levantar-se, mais dia, menos dia. Eles estão distraídos, mas estão enganados.
SIC?

sábado, 14 de Março de 2009

Raro

Este treinador do Benfica é. de facto, um treinador com uma rara maneira de estar. As suas palavras de solidariedade com Paulo Bento, e a maneira como as disse, revelam uma maneira de ser que é agradável ouvir. Ouvi, há pouco, nas noticias da televisão e, independentemente da posição de cada um sobre as responsabilidades do treinador do Sporting, sabe bem ver atitudes assim. Foi bonito, mesmo.

Ilustrativo

Ao que chegou este País, Santa Maria!!!
Ler algumas páginas do Expresso, de hoje, diz tudo sobre o estado a que isto chegou. Então o texto, da pg. 20, " Ministro forçado a responder a exigências de Costa" é um triste monumento quanto ao ponto a que chegou a Liberdade de Imprensa, quase trinta e cinco anos depois do 25 de Abril. Texto assinado por um jornalista a quem uma Deputada, sentada ao nosso lado, na última fila do Parlamento, respondia, há poucas semanas, sobre matérias que andava a investigar numa empresa da Câmara de Lisboa.
Vale a pena ler. Há mais.

quinta-feira, 12 de Março de 2009

Este

Começou às 12, em ponto.E vai estar sempre com sentido em tudo o que importa.

Este, aqui, é o espaço mais reservado. Com menos deveres, menos horários, menos intensidade. É de todos os que o visitam e nele participam. É o que é, antes, durante e depois de candidaturas e, espera-se, depois da vitória.
Este é um espaço reservado a todos os cidadãos do Mundo que o fazem, e façam, também seu.

Sentido

http://lisboacomsentido.blogspot.com/.

O Blogue da candidatura. O lema de trabalho. Um desenvolvimento dos Cinco Sentidos.
Será pouco? Será muito? É tanto, para a equipa que está a levar por diante este projecto que seduz, encanta, mobiliza, desafia todos os que a ele se juntam. Com energias renovadas, renováveis, novas. Construir a Cidade do Futuro.

Prudência

As Bolsas vão oscilando. Ora quedas, mais ou menos significativas, ora subidas com apreciáveis ganhos. É natural.
O que é menos natural é a sucessão de declarações de responsáveis de Organizações económicas e financeiras internacionais reiterando previsões muito negativas. Excepção deve ser feita à prudência que tem revelado o Presidente do Banco Central Europeu, Jean Trichet. Aliás, ainda há dias, admitiu que a retoma pode começar mais cedo do que o previsto, antes do fim deste ano.
Independentemente do grau de segurança e de fundamento para as previsões, quase parece que não entendem que todas essas palavras, pelo menos sombrias, em nada ajudam a recuperar o bem mais afectado por esta crise: a confiança.
Há dias, a propósito da inflação em Fevereiro na Zona Euro que terá subido 0,1%, aqui assinalei esse muito tímido indicador de que as coisas poderiam ser menos carregadas do que tem sido previsto. A confiança é, neste momento, um dos dois factores decisivos. Junto com o acordo sobre as novas regras no sector financeiro.

quarta-feira, 11 de Março de 2009

12, às 12.

Amanhã, dia 12, às 12hs. Também, agora, calma. Calma, como venho sugerindo. Não é nada demais. É só mais um passo. Nada de agitação. Só atenção.

terça-feira, 10 de Março de 2009

domingo, 8 de Março de 2009

Os Valores e o Poder

As notícias recentes sobre financimentos, para compra de acções, concedidos pela Caixa Geral de Depósitos, merecem profunda reflexão. Os factos narrados são do mais impressionante que já se ouviu em Portugal. E ilustram bem a explicação real para acontecimentos que, normalmente, parecem incompreensíveis.
Essa reflexão deve ser feita sem apontar dedos e sem avaliações abusivas. Não ponho em causa a seriedade de pessoas. Não sei, sequer, quando foram tomadas as várias decisões que são questionadas. Ouvi, na Televisão, no Prós e Contras, que são de diferentes épocas. Conheço Carlos Santos Ferreira há muitos anos e já disse , neste espaço, o que penso sobre ele e sobre Armando Vara, que só conheci há pouco tempo, e que me surpreendeu pela disponibilidade e pela eficiência, seja para responder que sim, seja para dizer que não. E a Administração anterior foi nomeada pelo meu Governo e a outra, antes, pelo Governo de Durão Barroso. E outras, antes, escolhidas por diferentes Governos por exemplo, de António Guterres e de Cavaco Silva, certamente, que, todas, também, com muitas pessoas capazes. Digo tudo isto para tornar bem claro que não pretendo, não devemos pretender, pessoalizar as coisas. Os ataques pessoais, as queixas, os processos contra a pessoa A ou B, servem, muitas vezes, para desviar as atenções do que verdadeiramente interessa. E, com as pessoa distraídas, lá continuam os mesmos, ou outros, a fazerem o que é inaceitável.
Li as declarações serenas, por exemplo, as de Fernando Ulrich, e as mais duras, feitas por António Borges. Li os trabalhos, bem feitos, da Imprensa, nomeadamente, este fim-de -semana. Ouvi, como referi, parte do debate feito, segunda- -feira passada, no Prós e Contras. Ouvi as notícias sobre a intervenção, na Comissão Parlamentar, do Presidente da Caixa, Faria de Oliveira, que parece ter falado com frontalidade e equilíbrio. Importa reflectir com serenidade, para extrair conclusões para o futuro.
Tomadas de posições em empresas? É, pelo menos, discutível o interesse estratégico, por exemplo, da Compal ou de Vale de Lobo. Mas, apesar de tudo, é bem diferente. Agora, milhões e milhões de euros para comprar acções? Com as próprias como garantia? Que nome tem? Causa indignação. Assim, todos podíamos ser accionistas de grandes empresas. Era bom. Mas não é justo nem correcto, como o tempo veio a demonstrar.
Há tempo que era sabido. Quanto tempo demorou a ser assumido o destaque que merecem tais factos? Quantos serventuários andam por aí, a falar ao lado do que realmente interessa? Conhecendo, mas omitindo. Quantas referências houve, muito pequenas, em espaços bem secundários? Negócio ruinoso em Porto Rico? Tudo indica que sim. Pois!...
Haverá mais, noutras entidades, com a mesma configuração, de centenas de milhões de euros, para outras aquisições de participações? Com o valor certo, com o valor muito inflacionado? Sabe-se lá.
Essas decisões inaceitáveis geraram mudanças em vários sectores. Caucionadas pelo poder que fascinou muitas pessoas ... Construiram, também, poder a muitos que cresceram "em altura". Andavam empertigados. E os piores são os vindos da Oposição, e que foram por eles escolhidos , por competência, claro, para serem dos poderosos. Alguns desses, que são tão bons que estão com todos, nem o telefone atendem aos que antes procuravam, elogiavam, serviam. Por isso, porque agora se julgavam sempre poderosos, andavam tão contentes e tão importantes. Como é que haviam de querer saber de alguém? E, nalguns casos, ainda mantêm a pose.
Não vale a pena pensarem que é possível continuarem com as mesmas protecções sobranceiras. Em vários casos, em diferentes sectores de activadade, um dia destes serão substituídos. E não terão mais ninguém a dar-lhes a mão. Terão de contar consigo próprios. Mas se não se desejam atitudes persecutórias, também não se admitem falhas das memórias. É que algumas práticas foram generalizadas, são de vários e tornaram- se quase toleradas. Novas espécies de feudalismo, que deram já em descalabros e falências, em vários cantos do Mundo.
Agora, o que mais importa é evitar rupturas indevidas, equilibrando os procedimentos e eliminando os abusos. A sociedade precisa de uma Nova Ordem, na qual devem caber todos os que percebam que terminou um tempo e um modo de agir e decidir.
Trata-se de uma Revolução de valores e do valor. Volta o tempo, quase, de economia de troca. Mas, acima de tudo, o tempo em que só tem valor o que é raro e mesmo necessário. Que meditem os que pensam que tudo, ou quase tudo, podem fazer com o poder.

sábado, 7 de Março de 2009

Desviar a atenção

A propósito de alguns processos a que começamos a assistir, de repentinas demarcações em relação ao Governo, convém, sem agitação, alguma clarificação.
Já que se falou de Segurança, e tendo em conta o assustador aumento da criminalidade em muitas zonas de Lisboa, quantas esquadras da Polícia Municipal abriram nos últimos dois anos?
Críticas ao Ministro Rui Pereira? Pois...Agora convém. Principalmente, quando se fala próximo de Presidentes de Juntas de Freguesia. Mas, por muito que tentem compor histórias, as pessoas conhecem a realidade. Especialmente, quem está mais próximo dela, como as populações e os que dirigem as suas Freguesias.
Repete-se: quantas esquadras da Polícia Municipal foram criadas neste período em que os assaltos a casas, os carjackings, os roubos na rua, tanto aumentaram.? Eu vivo em Lisboa e sei quantas vezes passam, ou não passam, elementos das forças de segurança em zonas com frequentes assaltos a casa. Quem faz pouca vida na cidade, tem muita dificuldade em saber o que se passa.
A situação que acontece em vários pontos de Lisboa com a gestão dos semáforos, demonstra, também, que faz muita falta aos Autarcas andarem no trânsito, conduzindo (para além do uso frequente dos transportes públicos). Só para dar dois exemplos, na zona do Marquês de Pombal e na zona da Estefânia, é grande a necessidade de regulação.

Confirmações

Nos projectos das taxas moderadoras, Jaime Gama não votou e faltaram mais dois Deputados, um do PSD, outro, independente ex-CDS. Portanto, 115 de um lado e 112 do outro. Mas a questão politica não se altera. Como se comprova pelas declarações, ontem, de um Deputado do PS, atacando Manuel Alegre. E, principalmente, pelas notícias e entrevistas na Imprensa de hoje.

sexta-feira, 6 de Março de 2009

Insustentável

O PS chumbou os projectos que pretendiam pôr termo às taxas moderadoras nas cirurgias e nos internamentos.pa A posição oficial do PS não foi seguida, novamente, por cinco Deputados socialistas, o que reduz a maioria para 116 votos, exactamente o número da maioria absoluta tangencial. Mais uma vez, Manuel Alegre e outros quatro Deputados não respeitaram a disciplina de voto.
O PS tem aqui uma questão muito séria. É muito bonito continuar a apregoar que no PS é só liberdades, porque eu queria ver como era se fossem mais os Deputados "desobedientes". De qualquer modo, também para Manuel Alegre a situação é cada vez mais exigente quanto à necessidade de uma clarificação. E é cada vez mais estreita a margem de manobra para uma reconciliação com a Direcção do seu Partido. Depois de tanto desacordo em tanta matéria, seria difícil de compreender um realinhamento à beira das eleições. Até porque o risco para o PS também seria muito grande: Manuel Alegre exigiria sempre lugares para Deputados que lhe são próximos e o PS, mesmo que ganhasse as próximas eleições, não seria certamente por uma margem folgada o que torna mais insustentável toda estas liberdades nas votações do seu Grupo Parlamentar.

quarta-feira, 4 de Março de 2009

Novas das Rádios

Começou um novo programa, na Antena Um, aos Sábados, das 10 às 12. De Pedro Rolo Duarte e João Gobern. Nome: Hotel Babilónia. Este nome, como sublinha Rolo Duarte, no seu personalizado Blogue, foi escolhido com a devida homenagem ao espaço que era do saudoso Cáceres Monteiro.
Se há notícia de um bom começo, li, também do mesmo autor, que acabou , na TSF, um programa célebre, A Idade da Inocência, de Margarida Pinto Correia e Luís Ferreira de Almeida. Como já foi a segunda estação radiofónica, certamente que ainda haverá outras.

Democracia de costas

Painel de debate na SIC Notícias: pela esquerda, Helena Roseta, candidata à Câmara de Lisboa e Rui Tavares, candidato na lista do Bloco de Esquerda ao Parlamento Europeu; do outro lado os jornalistas Maria João Avilez e Ricardo Costa, este, desde há tempos, sempre "na antena"... Candidatos ou politicos do centro -direita, não há?
Hoje, terça-feira, esteve Helena Roseta, terça passada esteve António Costa, no Dia D, também com Ana Lourenço. À quinta está António Costa, na Quadratura do Círculo. À sexta, Expresso da Meia Noite, com Ricardo Costa.
Entretanto, pelo meio, nos intervalos, aparece Ricardo Costa a falar sobre o que mais o impressionou nestes anos que foi, claro, o meu Governo. Ou, então, repete-se um vídeo, meio satírico, sobre o tempo, também, do meu Governo, com uma música de fundo de acordo com os propósitos da peça que é exibida.
Ah, é verdade: no Jornal da generalista, desta terça, também passou outra peça, sobre o Plano da Av. da Liberdade, dizendo a jornalista que Jorge Sampaio o começara e António Costa o aprovara. Só esqueceram quem o foi retomar, porque João Soares o pusera na gaveta. Sim, foi a Câmara, por mim liderada, que, em 2003, desenvolveu o Plano que demoraram estes anos a aprovar. A versão transmitida no Noticiário é igual à de António Costa, na entrevista a Ana Lourenço, na semana passada.
Tudo na ordem. A deles.
Tudo com calma. A nossa.
Agora, é assim.

segunda-feira, 2 de Março de 2009

Indicadores

A inflação na Zona Euro cresceu uma décima em Fevereiro, para 1,2%. É um sinal curioso que, para já, não confirma o caminho deflacionista.
Foram razoáveis, também, as notícias do Conselho Europeu informal de ontem, em Bruxelas. Começa a ser trilhado o caminho para definir aquilo que os Bancos não podem continuar a fazer. E lá está aberto e aprofundado o processo da eventual criação de um Banco que segure os créditos ou títulos chamados mais pobres ou, noutro sentido, mais tóxicos.

Grandes Jogos

Que grande jogo, o Atlético de Madrid-Barcelona desta jornada. O Atlético esteve a perder 0-2 e ganhou 4-3. Impressionante o ritmo, a velocidade. Como no Olympique de Lyon- Barcelona de terça-feira passada. Absolutamente impressionante.
A propósito de futebol, estive a ouvir agora uns minutos do programa de desporto da SIC Notícias, onde comenta Rui Santos, que fala de mim sempre do mesmo modo, por causa de Carlos Queiroz, que foi substituído, como treinador do Sporting, pela Direcção a que presidi.
Então não é que me resolve nomear como exemplo de quem começou por ter Pinto da Costa como inimigo e, depois, se aproximou, acreditando que o Presidente do Porto poderia transigir na sua linha de defesa dos interesses do seu clube?... Com tanto Presidente que fez alianças com Pinto da Costa, como José Roquete e Dias da Cunha- o que não comento- refere-me a mim, que mantive o clube, sempre,, em oposição ao poder reinante e fora dos órgãos da Liga? É inacreditável!
Confundir as atitudes correctas e as palavras de cortesia que Pinto da Costa me dirigiu, quando cessei aquelas funções, com as opções na liderança do clube? É inacreditável! Só faltava agora... Enfim, tem a importância que tem. Mas saltar de canal e ouvir mentira atrás de mentira...
A propósito de Atlético de Madrid, que boa exibição o Porto lá conseguiu na véspera do que aconteceu ao Sporting frente ao Bayern. E, afinal, dias depois, o Sporting conseguiu um bom resultado no Estádio do Dragão. É assim o Desporto em geral e o futebol em particular. O pior são os comentários sobre as arbitragens...
A propósito: ouvi um trinador, julgo que do Rio Ave, Carlos Brito, a elogiar o trabalho do árbitro depois do jogo que a sua equipa perdeu. Muito bem. Belo exemplo.

domingo, 1 de Março de 2009

O COMEÇO

Começou hoje, dia 1 de Março de 2009, às 0hs:


http://www.pedrosantanalopes.net/.

É apenas o começo.

Vazio de Congresso

Impressionante, a falta de substância e a distância da realidade que o Congresso do PS demonstrou. Como é possível num tempo de uma crise tão profunda? Esse vazio é a prova mais evidente de que José Sócrates e a sua equipa estão afectados pelos tempos difíceis que têm atravessado. E como foi tão limitada a constatação desse lamentável vazio pelos analistas e comentadores, jornalistas ou outros.
O que importou, e importa, pelos vistos, é o que consta da imagem acima: vencer em 2009. Mas, sem demagogias, o que nos importa, a todos, é vencer a crise .
A propósito de eleições, é óbvio o truque de tentar fixar o debate entre o PS e o Bloco de Esquerda para que, assim, o PSD fique de lado. É uma estratégia arriscada porque se o PSD agir capazmente e assumir a liderança da Oposição, o sucesso desse caminho é pouco provável. De qualquer modo, e apesar de se tratar de um fórum socialista, foi notório que a popularidade de José Sócrates continua em níveis assinaláveis.

A escolha de Vital Moreira demonstra , também, que o PS quer segurar, já nas eleições europeias, a faixa mais à esquerda do seu eleitorado.