domingo, 25 de Janeiro de 2009

Arrendamento

Hoje, reportagem especial, na TVI, sobre os resultados, ou a falta deles, da Lei de Arrendamento deste Governo... Mais outro caso em que o País perdeu tempo. Passe a presunção, a lei do meu Governo era uma verdadeira reforma e mudaria, mesmo, esta situação aflitiva para muitos, inquilinos, mas, também, proprietários. Como, aliás, reconheceram muitos opositores desse Governo. O tempo que se perdeu!...
Outra vez, o tempo e a razão.

Quantos?...

Continuando no futebol (de quando em vez, faz bem): aquele jogador do Nacional, Néné ,de seu nome, que marcou aquele golão, com um remate de primeira, e vai à frente na lista dos marcadores, não terá valor para ser já contratado? Quantos jogadores do Sporting ou dos outros grandes, seriam capazes de marcar um golo como o que ele marcou ontem?
A propósito, viram uma jogada do novo defesa - esquerdo do F. C. do Porto que veio do Vitória de Setúbal? Pegou na bola e foi por ali fora, driblando tudo e todos... Chama -se Cissokho e não veio do Milan, mas sim do Vitória de Setúbal... E, ao Porto, "não caíram os parentes na lama" por ter ido buscar o jogador, agora em Janeiro, reconhecendo que havia falhas no plantel.

Estranha moda(cont.)

Se falei em treinadores foi porque , recentemente, em Portugal, Quique Flores não foi o único. Quando usei o plural estava a pensar, obviamente, em Paulo Bento. Sabe - se como têm acontecido várias manifestações críticas desse género, da parte do treinador do Sporting, em relação a vários jogadores. Um dos quais, Vukcevic, que tem marcado golos desde que regressou à equipa.
Há outro caso recente em Portugal, o do actual Seleccionador Nacional, depois do jogo com o Brasil . Mas, desse caso- que tem, aliás, antecedentes- não falo.
Se falo neste tema é porque sempre considerei que não devem ser os clubes, que têm de pagar os ordenados, a arcarem com os prejuízos. Se o comportamento dos jogadores merece alguma reacção, que sejam multados ou que se aplique outra sanção prevista na lei. Mas sem que se impeça a equipa de contar com o seu contributo, caso a forma em que estejam aconselhe a respectiva utilização. Aliás, é esse o interesse do próprio treinador: contar com os melhores jogadores para conseguir os melhores resultados.

sábado, 24 de Janeiro de 2009

Estranha moda

É estranha esta moda de treinadores a atacarem jogadores, ainda por cima, quando foram escolhidos e contratados no tempo em que já exerciam essas funções, para não dizer por indicação dos próprios.
Nas últimas duas semanas Quique Flores já atacou Balboa, contratado ao Real Madrid e Reyes, vindo do Atlético Madrid. Mas, se há campeonato e equipas que o técnico do Benfica conhece bem, é o espanhol. Por isso mesmo, ninguém imagina que esses jogadores tenham sido contratados sem que Quique Flores estivesse bem informado sobre os seus percursos. Reyes, por exemplo, sendo, unânimemente, considerado um excelente jogador, não se conseguiu impor, nem em Espanha, nem em Inglaterra. Quanto a Balboa, ás coisas também não lhe correram bem no Real Madrid, embora, naturalmente, isso possa acontecer. Mas, e Aimar? Não será um caso algo semelhante ao de Reyes?
De qualquer modo, estes raspanetes públicos não são o melhor caminho. Nem para os próprios, nem para os companheiros de equipa. É que, se estão assim estão mal, porque são chamados a jogar?

domingo, 18 de Janeiro de 2009

O Tempo e a Razão

Tanta razão que está a vir ao de cima, nas questões políticas levantadas em 2005. Hoje, foi mais uma: o casamento entre homossexuais posto na agenda política, ainda durante esta Legislatura.
Bem sei que propõem para aprovação na próxima...É mais um ano, menos um. Formalmente, José Sócrates até pode ter alguma razão: não é aprovado agora. Mas, politicamente, aí está a questão, "em cima da mesa", antes de acabar este mandato do Parlamento e do Governo (tal como avisei no debate, a dois, durante a campanha eleitoral) . Já foi o referendo do aborto, a nova Lei do divórcio, agora esta proposta. E a "Esquerda" ainda se queixa deste Primeiro-Ministro?
"Estava na cara", como tive ocasião de sustentar, há quatro anos: com a proximidade política que têm, se Zapatero aprovou essa medida, em Espanha, Sócrates iria tentar concretizá-la entre nós.
Para compensar as suas decisões, pouco ou nada socialistas, na política económica e, por vezes, nos apoios sociais, o actual Primeiro-Ministro vai aprovando mudanças legislativas no plano das opções éticas e das regras fundamentais da organização social.

Inconfidências indevidas(cont.)

Voltando aos speechwriters. Sem dúvida que é compreensível e estimável o papel que desempenham. Mas a questão não é essa. Eu também já falei de que escrevia notas para um líder do PPD/PSD, durante uma campanha eleitoral. A questão é que não se deve falar disso cedo demais nem estar a identificar os trechos que são mesmo do Assessor. Principalmente, quando estão em causa momentos e/ou frases relevantes ou mesmo históricas.
Ninguém põe em causa que importante é que as ideias sejam dos próprios. Sobretudo, as que versam temas importantes. E que, quanto mais importante é o cargo, menos é o tempo disponível para a escrita. Mas a questão é que não se deve passar esta ideia de que quase nada é da autoria dos próprios. Não favorece nada quem desempenha esse tipo de de cargos ou funções.

AGUSTINA

A edição de Janeiro da Ler merece ser lida, ainda mais do que habitualmente. Tem um especial(no qual tenho a honra de participar) sobre Agustina Bessa Luís que constitui uma merecida homenagem à Mulher e à Escritora, Figura cimeira das Letras e da Cultura.
Com a devida vénia, destaco os textos de Eduardo Lourenço, Lídia Jorge, Manuel de Oliveira e Carlos da Câmara Leme.

Inconfidências indevidas

Agora estão na moda os speechwriters. Com os excelentes discursos de Barack Obama, o assunto voltou "à baila". A revista Sábado traz, esta semana, um artigo sobre Jon Favreau, descrito como tendo 27 anos, cheios de talento para o efeito, muito aproveitado durante a campanha do Presidente eleito. A CNN fez, hoje, um debate sobre o tema, com speechwriters dos Presidentes Ronald Reagan e Jimmy Carter. E, depois, no meio do debate, com um tema como este, passam partes impressivas de discursos ditos pelas pessoas com quem trabalhavam.
Ainda se podem compreender essas inconfidências provocadas por esses detalhes quando exista alguma distância temporal. Falar agora de quem escreve, como escrevem (e o que escrevem) os discursos, tão empolgantes, de Barack Obama, só o pode prejudicar.
As pessoas já sabem dos telepontos que são testemunhos, se não de artificialidade, pelo menos de alguma falta de espontaneidade. Agora, saberem também que as palavras que os tocaram não são dos próprios... Obama devia dizer ao promissor colaborador para ir escrever para outro.
Está muito desprotegido o trabalho do Presidente quase a tomar posse do cargo que conquistou com uma campanha tão marcante.

Estranheza




É interessante e curiosa a diferença de mentalidades, mesmo entre Países com matrizes culturais próximas. Sílvio Berlusconi lá continua Presidente do Milan e , por estes dias, a fazer frequentes declarações sobre a dificuldade do seu clube em "segurar" Káká face à extravagante proposta do Manchester City. pensaram no que seria se fosse por cá? Ainda por cima no meio de toda esta crise?
O que seria os jornalistas terem oportunidade de pôr questões ao Primeiro - -Ministro e , no meio das questões da governação, pedirem - lhe para falar de propostas por jogadores do seu clube,,, Clube de que fosse Presidente!... Extraordinário, não é?

Muito diferentes as regras, escritas ou não, sobre incompatibilidades. Neste caso, as nossas é que estão certas. Pelo menos, no que nos respeita.

sábado, 17 de Janeiro de 2009

Climas



A CNN anuncia que os canais de Amsterdão congelaram, pela primeira vez, nos últimos doze anos. A propósito de alarmismos - vd. meu artigo do SOL na edição de hoje-: os últimos doze anos, então, é que foram estranhos!... Quantas vezes já fui a Amsterdão com os canais como estão agora? Querem ver que o clima está a normalizar?!...

sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009

O Tempo

Discurso de despedida de George W. Bush, há pouco, também, na CNN ( e em muitos canais de televisão). Igual a si próprio: naquilo em que acredita, no seu modo de dizer as palavras, na elegãncia com que fala do seu sucessor e familia. O Mundo em que tantos disseram tão mal do Presidente cessante, vai ter, em breve, o Presidente que tanta esperança suscita em outros tantos. O tempo o dirá.

Loucura

Ouvi, há minutos, na CNN, a proposta do Manchester City, por Káká, jogador do Milan: cerca de 130 milhões de euros. Pelos vistos, há gente que ainda não aprendeu com o que se está a passar.

domingo, 11 de Janeiro de 2009

Distracções

Cada vez que sai uma notícia, de um certo tipo, a "central de manipulação" responde, quase automaticamente, atacando outros. Para distrair. Ainda me lembro da anterior...

Notas Soltas

1- Agradeço a Hugo Correia "a lembrança" que enviou, num comentário, sobre um debate, com José Sócrates, na Assembleia da República, em 30 de Abril de 2008, lembrança que referi no meu artigo do Sol, edição de ontem. Foi muito oportuna essa lembrança.
2- Esclareço o autor de um comentário ao post Os Sabichões, sobre o que eu afirmei, em 4 de Dezembro de 2008 ( tal como, também, recordo no referido artigo do Sol): disse que José Sócrates não quer eleições legislativas depois das europeias. Foi isso mesmo, aliás, que o actual Primeiro -Ministro admitiu, na referida entrevista à SIC.
3- Quanto às contas da C.M.L., sobre as quais um autor anónimo de um comentário solicita uma reacção minha a notícias recentemente publicadas, quanto a esse e outros temas, CALMA! Tenho lido e ouvido tantas, nesta fase, desde há meses, que é só mais um tempo. Tenho recusado vários e simpáticos convites de todos os principais espaços de entrevista em Portugal, na R.T.P., na S.I.C. e na T.V.I., para além das rádios e da imprensa escrita., desde antes, e já depois, de ser confirmada a candidatura à Câmara Municipal de Lisboa.
Muito têm feito, engendrado, dito, comentado, noticiado, repetido. CALMA.Não escolhem o tempo que eu considero adequado. Nem o espaço. Com a Graça de Deus, será com CALMA.
.

terça-feira, 6 de Janeiro de 2009

Os Sabichões.

Afinal quem é que não tinha, ou tinha, razão quanto às intenções do Primeiro - Ministro sobre alterações ao calendário eleitoral?

É precisa muita paciência para aturar o ar supostamente superior que alguns seres exibiram, nomeadamente, quando comentaram o que eu disse, há cerca de um mês, sobre este tema.

sábado, 3 de Janeiro de 2009

Revistas





A revista Ler merece destaque pelo interesse que tem e pelo papel que desempenha. Li, com atenção, a excelente edição de Dezembro. Variada, ligeira e, simultaneamente, densa.

Noutro plano, destaco igualmente a Time Out. Cada vez mais capaz de dar muita informação e, sempre, no seu estilo muito próprio.